ARTIGOS

Bastidores do senador

Publicados

em

A aparência pública da eleição suplementar que vai escolher o substituto/a da ex-senadora Selma Arruda, tem várias leituras. Umas aparentes e outras de bastidores.

Vamos tentar enumerá-las.

1 – a vaga existe depois da cassação do mandato da senadora Selma Arruda.

2 – muitos nomes disputam a vaga. Muitos partidos se escondem atrás dos nomes pretendentes, porque não tem força de arregimentação capaz de criar uma candidatura viável.

3 – no passado recente os partidos tinham força e eram guiados por grupos políticos. Juntos, determinavam o rumo da política estadual. Desde a eleição de Blairo Maggi ao governo em 2002, os grupos perderam a força e se dissolveram. Restam nomes egressos, mas com força apenas individual. Não mais do grupo.

4 – os grupos existentes, não lotam uma Kombi, dizem os mais pessimistas. Vamos lembrar. Até a eleição de Blairo, o grupo do PFL, comandado pela família Campos, reunia gente de peso como o senador Jonas Pinheiro e tinha voz política no Estado. Tinha deputados estadual, federais, prefeitos e vereadores. O MDB tinha Carlos Bezerra, Dante de Oliveira (que se separou do grupo em 1998). Mas tinha ainda nomes de peso como José Marcio de Lacerda, José Lacerda. O PT tinha nomes de peso como Serys Slhessarenko, Carlos Abicalil, Gilney Viana, entre outros. Os demais partidos tinham líderes solitários ou se juntavam aos majoritários em época de eleições.

5 – Em 2020, o grupo da família Campos tem os irmãos Júlio e Jaime. No seu partido, o DEM tem o governador Mauro Mendes e fraca representação parlamentar. O MDB tem fraca representação parlamentar.

6 – fora dos grupos, o senador Welinton Fagundes caminha solitário. O ex-senador Blairo Maggi caminha solitário também. Pretende disputa a atual vaga de senador outro nome solitário, o do vice-governador Otaviano Piveta. Carlos Fávaro vem com a herança de 234 mil votos da eleição de 2018 para o Senado.

7 – Esta eleição vai dar um azarão eleito. Mas a eleição fora de época servirá como freio de arrumação para as eleições municipais de outubro deste ano. E uma prévia pra 2021. Havendo ou não uma reforma político-partidária pra 2021, a arrumação de agora vai ser importante nessa eleição.

8 – Finalmente, quadros políticos empobrecidos e enfraquecidos olham pra vaga de Selma Arruda. Não existe mais exuberância e força nos quadros políticos mato-grossenses.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]     www.onofreribeiro.com.br

Propaganda

ARTIGOS

Ame sua vida!

Publicados

em

O mês de julho é dedicado à campanha contra o câncer de cabeça e pescoço, recebendo a cor verde como símbolo. Hoje, dia 27, é o dia propriamente dito de conscientização e combate desse tipo de câncer.

Vale destacar que o tabagismo e etilismo estão entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento de cânceres de cabeça e pescoço. No Brasil, segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), de 2019, que é o dado mais recente, existem 20,4 milhões de fumantes no Brasil. Já a quantidade de pessoas que consomem bebida alcoólica no Brasil é de 26,4% da população.

Ou seja, temos mais de 20 milhões de pessoas, no Brasil, que podem vir a desenvolver uma infinidade de cânceres, entre os quais o de cabeça e o de pescoço, que são os que incidem na cavidade oral, cavidade nasal, faringe e laringe.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca) o câncer que mais se manifesta, e tendo homens como principal grupo de risco, é o de cavidade oral. No ano passado, quase 12 mil novos casos foram registrados.

Estamos diante de um problema sério de saúde pública e privada, já que esses pacientes chegam aos hospitais, muitas vezes em um estado já preocupante da doença, em razão do baixo índice de realização de exames preventivos.

Por outro lado, medidas mais enérgicas precisam ser tomadas para o combate ao fumo. E esse combate deve ser feito de forma imediata, visto que, neste tempo de pandemia, o aumento da ansiedade e a depressão tem ampliado a busca por válvulas de escape como o tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas.

Uma pesquisa da Fiocruz, de agosto de 2020, aponta que 34% dos fumantes aumentaram o número de cigarros consumidos durante a pandemia. O estudo constatou que esse aumento está diretamente relacionado à insônia, sentimento de solidão, tristeza e nervosismo, problemas que estão se transformando cada vez mais em questões crônicas na sociedade contemporânea.

Estudo recente do INCA também aponta que outras formas de tabagismo, tão letais ou até mais que o cigarro, estão cada vez mais em alta. Como é o caso do narguilé, que já é consumido por aproximadamente 300 mil pessoas no Brasil. Sem contar cigarros eletrônicos, cachimbos, charutos, entre outras formas de tabagismo, que muitas vezes surgem como formas recreativas, em baladas, rodas de amigos, e aos poucos se transformam em vícios.

A preocupação com câncer de cabeça e pescoço é algo que exige um esforço individual, principalmente, deste grupo de risco que abordo neste artigo de opinião. Parar de fumar certamente não é fácil, mas é uma meta importante e indispensável para quem quer obter uma vida saudável, com menos riscos de neoplasias e de morte.

Formar esse nível de consciência é fundamental para se alcançar saúde e bem-estar. Busque válvulas de escape saudáveis como a prática de atividades físicas, o hábito de leitura, a realização de atividades artesanais. Enfim, procure ajuda, vá ao seu médico regularmente, proteja sua saúde mental também, esteja com pessoas que você ama, faça exames preventivos, lute e ame sua vida!

*Alessandro Henrique Previde Campos é diretor-médico do Hospital São Mateus.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA