ARTIGOS

Ferrovias: olhar futuro

Publicados

em

            Na semana passada escrevi neste espaço uma série de três artigos destrinchando o espírito das três ferrovias projetadas para Mato Grosso nos próximos anos. Geraram boas discussões e, obviamente, o contraponto de setores esquerdistas. Não quero discutir política. A realidade se sobrepõe sempre sobre as inconsistências.

            Na última sexta-feira encontrei-me com o amigo Luiz Antonio Pagot no aeroporto de Cuiabá. Profundo conhecedor do tema de logística. Por conta daqueles artigos pudemos conversar longamente a respeito do presente e do futuro. Neste artigo vou tentar uma breve panorâmica desses anos até 2030.

            Uma ferrovia gera um enorme movimento de cargas, de serviços e de negócios, sem contar os empregos. Uma composição ferroviária com 50 vagões de 60 toneladas cada transporta 3 mil toneladas, ou o equivalente a 100 caminhões com 30 toneladas cada. O terminal ferroviário de Rondonópolis, por exemplo, ocupa uma área de 200 hectares e vai muito além dos serviços rodoviários. O sistema ideal, na visão técnica, é que caminhões são sustentáveis operando num raio de 300 km alimentando as ferrovias.

            A capacidade de modificar as cidades por onde passa é muito grande, porque gera negócios que se desdobram, com muitos empregos e crescimento econômico.

            O ambiente econômico de Mato Grosso nos próximos dez anos é muito animador e sugere a necessidade inevitável de ferrovias e a integração de modas de logística. Alguns números a seguir, segundo dados do IMEA:

            1 – SOJA – produção em 2010= 20 milhões/ton. Em 2020= 35,4 milhões/ton. Previsão para 2030: 58,5 milhões/ton.

            2 – MILHO – produção em 2010= 2 milhões/ton. Em 2020= 35,5 milhões/ton. Previsão para 2030= 67,1 milhões/ton.

            3 – CARNE BOVINA – produção em 2020= 1,52 milhão/ton. Em 2030= 2,13 milhões/ton.

            Num ambiente como esse surge o preço dos fretes como um grande inimigo da renda do produtor e da economia estadual. Alguns dados também do IMEA sobre o preço do frete rodoviário.

            1 – De Sorriso a Rondonópolis = U$ 29,44. Até o porto de Santos= U$ 33,59 até a China= U$ 78,46.

            2 – De Córdoba (Argentina) até a China = U$ 45,66

            3 – De Mississipi (EUA) até a China = U$ 51,88.

            Outro dado relevante sobre modais:

            1 – RODOVIÁRIO – Brasil= 61,15. EUA= 10%

            2 – FERROVIÁRIO – Brasil= 21,5. EUA= 45%

            3 – HIDROVIÁRIO – Brasil= 13,6%. EUA= 45%.

            Um nível de produção como o estimado para 2030 vai requerer profunda revisão do sistemas de logística de toda a região do Centro-Oeste e parte do Nordeste que se conecta regionalmente. Para esses cenários é de se esperar que o Estado brasileiro e os estados regionais se articulem e pensem estrategicamente. Queiramos ou não o Estado é fundamental para, no mínimo, planejar o destino regional e nacional. Muito embora, sempre atrasados

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]     www.onofreribeiro.com.br

Propaganda

ARTIGOS

Ambiental in-correto

Publicados

em

            Desde a primeira conferência mundial para discutir o meio ambiente, em Estocolmo, na Suécia, em 1972, sucessivamente a questão busca encontrar caminhos e rumos. A recente conferência COP 26 em Glasgow, na Escócia, trouxe mais uma vez, mais perguntas do que respostas. O meio ambiente continua sendo a maior equação humanista do mundo. A pandemia ajudou a confundir o tema. Trouxe medo e reflexão para uma sociedade mundial que não tinha o planeta do primeiro pano.

            A COP 26 foi marcada mais pelas posições políticas e ideológicas do que pela efetiva vontade de resolver os problemas ambientais. Mas colocou discussões muito eficientes e efetivas no ar. Uma delas e vejo-a como absolutamente relevante. Meio ambiente no sentido de proteger o planeta não é mais assunto para amadores. Outra questão também relevante que se concordou lá nas conversas diplomáticas: as discussões ambientais mundiais não terão seguimento efetivo se não tiverem o de acordo do Brasil.

            Vamos por partes. A questão do amadorismo. Nas últimas décadas, em especial depois da conferência Rio 92, o tema entrou na pauta brasileira. E já entrou como pauta política. De repente, tornou-se pauta privativa de ideologia à esquerda. Aí entrou para o campo de partidos ideológicos, para os campi das universidades públicas ideologizadas, para a educação, para os sindicatos do serviço público. Mas teve um agravamento muito pior: entrou politizado ideologicam4ente nos ministérios públicos federal e estaduais.

            De lá para cá as discussões são acaloradas, mas são rasas. No caso de Mato Grosso, que deveria estar no primeiro plano das discussões científicas, está no campo ideológico.  As corporações públicas que deveriam estudar não estudam. As universidades tem produzido documentos rasos e de conteúdo discutível. Os ministério públicos do estado e a unidade federal, encaram o estado de Mato Grosso como um problemas e não enxergam nenhum mérito no estágio alcançado pelos sistemas produtivos. Não reconhecem a tecnologia como ferramenta de uso protetivo do meio ambiente. Encaram junto com os adversários a velha equação do capital demonizado.

            Encerro este artigo trazendo de novo a visão geral da COP 26. Meio ambiente é economia e sustentabilidade fundamentada na gestão humana e econômica. Não é assunto para ser discutido neste mundo totalmente disruptivo como assunto de diretório acadêmico, de sindicatos ou de salas de aula ideologizadas. Muito menos corporações públicas que ainda se baseiam em teses de 30 ou 40 anos atrás, em detrimento de conhecimentos mais modernos e mais efetivos. Sem falar nas ONGS oportunistas que vivem do terrorismo ambiental em busca de centavos do primeiro mundo.

            A ciência contemporânea desafia as universidades, setores da educação, sindicalismo público, setores ambientais dos governos a compreenderem que o mundo mudou. Com terrorismo o único ganho é espantar investimentos correntes no mundo moderno, e empobrecer um país que vem de vôo em vôo de galinha. Meio ambiente é tema de adultos contemporâneos.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]   www.onofreribeiro.com.br

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA