Internacional

Autópsias dizem que Floyd foi assassinado, mas diferem em causas

Publicado


source
floyd
Reprodução

George Floyd foi asfixiado por policial durante uma abordagem


Duas autópsias, divulgadas nesta segunda-feira (1º), concordam: a morte de George Floyd foi um homicídio.

Mas os laudos, uma de uma agência governamental e outra de médicos que trabalhavam com a família Floyd, diferiam quanto às causas específicas de morte e se havia fatores contribuintes além do policial de Minneapolis ter ajoelhado em seu pescoço.

O Instituto Médico Legal do condado de Hennepin disse que Floyd morreu de “parada cardiopulmonar complicando a aplicação da lei, restrições, contenção e compressão do pescoço”. O médico legista também citou condições significativas de contribuição, dizendo que Floyd sofria de uma doença cardíaca e estava com muito fentanil e havia usado metanfetamina momentos antes de sua morte.

As conclusões do legista diferiram dos resultados de uma autópsia particular encomendada pela família de Floyd, que foi divulgada poucas horas antes. O laudo apontou que Floyd morreu não apenas por causa da pressão causada pelo joelho do policial de Minneapolis no seu pescoço, mas também por causa dos outros policiais que ajudaram a segurá-lo.

Allecia M. Wilson, da Universidade de Michigan, e Michael Baden, ex-médico legista de Nova York, foram contratados pela família de Floyd para ajudar a determinar sua causa de morte. Baden disse que a autópsia “mostra que Floyd não tinha nenhum problema médico subjacente que causou ou contribuiu para a sua morte”.

Derek Chauvin, o ex-policial que foi visto em um vídeo ajoelhado no pescoço de Floyd – mesmo depois que Floyd perdeu a consciência – foi acusado de assassinato em terceiro grau. Antonio Romanucci, advogado da família, disse que o peso de dois outros policiais nas costas de Floyd impediu que o sangue atingisse seu cérebro e o ar atingisse seus pulmões.

Medaria Arradondo, chefe do Departamento de Polícia de Minneapolis, disse, em entrevista à CNN, que três ex-policiais que estavam presentes quando Chauvin se ajoelhou no pescoço de Floyd – e que não intervieram – foram cúmplices de sua morte.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
publicidade

Internacional

Estudantes estrangeiros são barrados nos EUA devido a regras de vistos

Publicado


.

Estudantes estrangeiros já foram impedidos de ingressar nos Estados Unidos (EUA), devido às novas regras do governo Donald Trump que barram a entrada de alunos no país se as respectivas instituições de ensino realizarem aulas exclusivamente online durante a pandemia do novo coronavírus.

Um documento, assinado por dezenas de universidades e faculdades, foi apresentado em apoio a uma ação civil da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que tenta derrubar as novas regras de imigração estabelecidas no dia 6 de julho, que pegaram instituições acadêmicas de todo o país de surpresa.

O texto afirma que as autoridades imigratórias “já estão impedindo que estudantes em retorno voltem a entrar no país” e citou o caso de um aluno da Universidade DePaul, que voltava da Coreia do Sul e foi barrado no Aeroporto Internacional de San Francisco.

A Universidade DePaul não quis liberar o aluno para conceder entrevista. Um porta-voz da Agência de Proteção da Alfândega e da Fronteira dos EUA não comentou sobre os estudantes cujo ingresso está sendo negado em respeito às novas regras.

O comunicado foi somente um de uma série de documentos apresentados por várias associações comerciais, sindicatos trabalhistas e empresas de tecnologia, como Google, Microsoft, Facebook e Twitter, para apoiar a ação civil. Eles foram seguidos por mais de duas dúzias de cidades grandes e pequenas e condados que repudiaram a medida. 

Há mais de 1 milhão de estudantes estrangeiros em universidades e faculdades dos EUA, e muitas escolas dependem da renda deles, que muitas vezes pagam mensalidades integrais.

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Califórnia recua em reabertura e volta a fechar bares, restaurantes e igrejas

Publicado


source
pessoal de máscara passa em frente a painel que exibe bandeira dos EUA
Reprodução Twitter @sebastianarcher

Califórnia fecha estabelecimentos para conter Covid-19


Diante do aumento da incidência de casos da Covid-19 , o estado da Califórnia voltará a fechar restaurantes, bares e até igrejas. A medida foi anunciada nesta segunda-feira (13) pelo governador Gavin Newsom.


Estados no Oeste dos Estados Unidos estão registrando piora do quadro da pandemia do novo coronavírus nos últimos dias.

Outros estabelecimentos que devem fechar em todo estado da Califórnia são shopping centers, salões de beleza, academias e salas de cinema.

“Estamos voltando a um modo modificado da nossa ordem ‘fique em casa’ original”, afirmou o governador a jornalistas.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana