Carros e Motos

Aguardado no Brasil, Toyota Corolla Cross recebe nota máxima de segurança

Publicados

em


source
Toyota Corolla Cross
Reprodução

Toyota Corolla Cross virá ao Brasil para brigar com Jeep Compass, VW Taos e Chevrolet Equinox

O Asean NCAP, órgão responsável por testes de segurança veicular da Ásia, publicou a avaliação do novo SUV Toyota Corolla Cross , aguardado para o mercado brasileiro em 2021. O modelo recebeu 5 estrelas, a maior nota possível, mas algumas ressalvas foram feitas pelos técnicos.

De acordo com o Asean NCAP, que é filiado ao órgão global que também inclui o Latin NCAP, o Toyota Corolla Cross teve desempenho “adequado” em colisões frontais. Segundo os engenheiros, há a possibilidade de motorista e passageiro terem ferimentos leves no peito e na perna, aumentando o risco de lesões. No impacto lateral, o SUV recebeu nota máxima.

No Brasil em 2021

O modelo avaliado pelo Asean NCAP é feito em Chachoengsao, na Tailândia, enquanto o Toyota Corolla Cross que será vendido no Brasil a partir de 2021 terá sua produção em Sorocaba (SP), ao lado dos compactos Etios e Yaris. Ele virá para brigar com Jeep Compass , VW Taos e Chevrolet Equinox.

Como fica claro no nome, o utilitário esportivo é derivado do Corolla e utiliza também a variação C da plataforma modular TNGA. Com 4,460 m de comprimento, 1,825 m de largura e entre-eixos de 2,640 m, o Corolla Cross é pouco maior que um Jeep Compass, mas tem porte menor que o do SUV médio “de verdade” RAV4, com os seus 4,60 m de comprimento.

Leia Também:  Mitsubishi L200 Triton Sport 2021 estreia a série especial Sertões

Mecânica

Além da plataforma, o SUV herda também o conjunto mecânico do sedã. Na Tailândia, além do conjunto motriz híbrido com potência combinada de 122 cv, existe a opção de um motor 1.8 de 140 cv. Por aqui, esse propulsor a gasolina deve ser substituído pelo 2.0 de 177 cv, que é a única opção não-híbrida do carro feito no Brasil.

Além do pacote de equipamentos de segurança Toyota Safety Sense, que segue a linha do Corolla brasileiro e inclui frenagem automática, alerta de desvio de faixa, controle automático de farol alto e o controlador automático de velocidade de cruzeiro adaptativo, o Corolla Cross traz ainda o câmera de 360º e monitor de tráfego cruzado na traseira.

O porta-malas, com 487 litros de capacidade, traz tampa com abertura motorizada e acionamento por sensor, que se soma a uma lista de itens de conforto que inclui banco traseiro reclinável, ar-condicionado automático de duas zonas com saídas na traseira.

Fonte: IG CARROS

Propaganda

Carros e Motos

Veja 5 versões do Volkswagen Polo que não tivemos no Brasil

Publicados

em


source

O Volkswagen Polo surgiu em 1975 como uma versão mais modesta do Audi 50, um hatch compacto criado naquele mesmo ano para ocupar uma posição abaixo do Golf no mercado. Atualmente, o modelo está em sua sexta geração e segue como um dos mais vendidos pela marca no mundo. Além da Europa, é produzido atualmente também em países como Brasil, China e África do Sul.

No mercado brasileiro, o Volkswagen Polo chegou pela primeira vez apenas em 1996, na terceira geração. Importado da Argentina na versão sedã Classic, veio para ocupar o espaço deixado pelo Voyage , que saiu de cena com a chegada do Gol “bolinha”. Aqui, era equipado inicialmente com o motor 1.8 AP brasileiro, tendo recebido já perto do final da sua vida, em 2001, uma variação com motor 1.0 16V.

O primeiro Polo brasileiro (4ª geração na Europa) nasceu em 2002 e seguiria em produção até 2014, já que a Volkswagen escolheu não comercializar por aqui o Polo de 5ª geração. O modelo só voltaria ao Brasil em 2017, com o lançamento do carro atual, de 6ª geração. Confira abaixo algumas variações do compacto que nunca tivemos por aqui.

1 – CrossPolo

VW CrossPolo
Divulgação

VW CrossPolo: versão com apelo aventureiro, mas de um jeito mais sofisticado, o que inclui opção de motor a diesel


O Polo de quarta geração foi fabricado em São Bernardo do Campo (SP) nas versões hatch de cinco portas e sedã. Mas embora os carros com visual aventureiro já fizessem sucesso no Brasil dos anos 2000, uma variação que nunca tivemos por aqui foi a CrossPolo , que também era conhecido no exterior por nomes como Polo Dune e Polo Soho.

Leia Também:  Volkswagen Amarok V6 chega a 258 cv para ser a média mais potente do Brasil

Como o nome deixa claro, esse CrossPolo cumpria na Europa o papel que era do CrossFox no Brasil, apostando na mesma receita de suspensão elevada e apliques plásticos na carroceria. Só não trazia o estepe na tampa do porta-malas.

2- Volkswagen Polo R WRC

VW Polo R WRC
Divulgação

VW Polo R WRC: com 220 cavalos foi uma versão lançada em alusão ao modelo do Campeonato Mundial de Rali


O Polo de 5ª geração marcou o retorno da Volkswagen para o WRC. Para se adequar às regras do Grupo N, a marca alemã teve que produzir um lote de 2.500 unidades de uma versão de rua do seu carro de rali.

Foi assim que surgiu o Polo R WRC . Além do visual marcado pelos elementos de estética esportiva, trazia sob o capô um motor 2.0 TSI de 220 cv, que era combinado a um câmbio manual de seis marchas. Essa cavalaria permitia ao hatch acelerar de 0 a 100 km/h em 6,4 segundos e atingir 243 km/h de velocidade máxima.

3 – Polo “Ameo”

VW Ameo
Divulgação

VW Ameo era uma espécie de notchback, meio termo entre sedã e hatch, que também não tivemos no Brasil


Assim como a legislação brasileira cobra impostos menores dos carros com motores até 1.0, na Índia a taxação beneficia os carros com menos de quatro metros de comprimento.

Leia Também:  Mini Cooper S 5 portas: mais prático e ainda irreverente

Isso deu espaço para a criação de uma categoria de inclui até sedãs “cortados” para caber na medida. Um desses modelos era o Volkswagen Ameo , modelo que era um Polo hatch de 5ª geração que foi adaptado para receber uma curtíssima traseira sedã.

4 – Polo russo

VW Polo
Divulgação

VW Polo com estilo mais arrojado, vendido na Rùssia, é outra variação do modelo que não vimos no Brasil


Enquanto aqui no Brasil a Volkswagen usou a base MQB-A0 do Polo de 6ª geração para desenvolver o Virtus, na Rússia a marca alemã optou por criar uma solução de custo mais baixo.

Chamado apenas de Polo por lá, esse carro usa a base PQ25 do hatch de 5ª geração, combinada com uma carroceria exclusiva, do tipo liftback, que traz elementos dos Volkswagen mais atuais combinada com uma tampa do porta-malas que abre até o teto.

5- Polo GTI

VW Polo GTI
Divulgação

VW Polo GTI europeu é mais sofisticado e rápido que o GTS que temos hoje em dia no Brasil


A versão mais potente do Polo no Brasil é a GTS , que está equipada com um motor 1.4 TSI de 150 cv e permite atingir os 207 km/h de velocidade máxima e acelerar de 0-100 km/h em 8,4 segundos.

Já na Europa, a variação mais apimentada do Volkswagen Polo é a GTI, que é equipada com o mesmo motor 2.0 TSI que era visto nos últimos Golf GTI nacionais, mas calibrado para desenvolver 200 cv. Com este propulsor, que é combinado com um câmbio automatizado DSG de seis marchas e dupla embreagem. O Polo GTI vai a 100 km/h em 6,7 segundos e atinge os 238 km/h de máxima.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA