Carros e Motos

Conheça a Silence, marca de scooters elétricos que faz sucesso na Europa

Publicados

em


source
Scooters elétricos
Divulgação

Scooters elétricos viraram sensação na Europa; fabricante espanhola quer dominar o mercado

Em 2011, a fabricante de scooters elétricos Silence foi fundada em Barcelona (Espanha), ganhando destaque regional. Com apenas 165 funcionários ao longo da década, a marca atingiu o patamar de produção de 10 mil unidades por ano, conquistando 66% do mercado interno espanhol e 30% das vendas europeias no segmento.

A marca, que estima ter mais de 25 mil clientes em 25 países europeus, está abrindo sua primeira sede no Reino Unido como parte do programa de expansão global. Seu único scooter elétrico, o S01, será vendido por 2,6 mil libras esterlinas (R$ 19 mil, em conversão simples).

O S01 é equivalente a um modelo de 125 cilindradas a combustão, feito para ser barato e prático. O scooter elétrico pode atingir 100 km/h, com autonomia de 128 quilômetros. A versão S02 LS, também disponível no Reino Unido, tem autonomia suficiente para rodar 150 quilômetros com apenas uma carga.

Leia Também:  Suzuki revela linha 2021 da GSX no Japão; veja os detalhes

O modelo conta com sistema regenerativo de frenagem, que reaproveita o calor gerado pelos freios para repor a energia do scooter . Além disso, a Silence disponibiliza um carregador portátil que pode ser plugado em qualquer tomada.

Na parte de conectividade, o proprietário poderá parear o scooter ao celular por um aplicativo . Dessa forma, o condutor terá noção do nível de carga da bateria e sua localização.

Os scooters da Silence serão oferecidos no Reino Unido com dois anos de garantia para a motocicleta e três anos para as baterias. 

Fonte: IG CARROS

Propaganda

Carros e Motos

Veja 5 caminhos que serão seguidos pelo setor automotivo

Publicados

em


source

Com os impactos da pandemia causada pelo novo coronavírus , a Anfavea (Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores) divulga que a produção caiu 31,6% em 2020, recuando 16 anos. Com isso o Brasil cai para o 9º lugar no ranking da indústria global.

O mundo enfrenta mudanças na mobilidade , não apenas pela pandemia do novo coronavírus e as barreiras impostas pelo distanciamento social, mas também pelo comportamento dos mais jovens. Partindo disso, a reportagem do iG Carros separa alguns fenômenos que já estão acontecendo, e devem moldar os cidadãos brasileiros para os próximos anos.

1 – Desindustrialização

Ford Camaçari
Divulgação

Marcas perdem o interesse em continuar produzindo no Brasil; especialistas temem desindustrialização

Toma-se o rumo para o início de um processo de desindustrialização do Brasil. Em menos de quatro meses, o país perdeu fábricas da Sony, Mercedes-Benz e Ford. A Audi também anunciou hiato de produção em sua fábrica de São José dos Pinhais (PR), onde novos modelos serão produzidos apenas se melhores condições de mercado permitirem.

Enquanto isso, o México se torna o “queridinho” de qualquer empresa que queira montar uma fábrica para abastecer todas as Américas . Há uma série de motivos para isso, como a localização geográfica, custos trabalhistas e acordos de livre comércio. Mas o fato é que o México passa a ocupar o lugar do Brasil no interesse das grandes empresas.

Há o temor na indústria de que outras fábricas de empresas que não conseguem ser lucrativas sigam o embalo da Ford – que deixou Camaçari (BA) e Taubaté (SP) – para montar linhas de produção em outros países. 

Leia Também:  Confira 5 dicas para dirigir sob chuva com segurança

2 – Rebranding

Volkswagen
Divulgação

Novo logo da Volkswagen marca início do processo de eletrificação

Quem chegou a ter algum contato com marketing sabe que o termo “rebranding” – um dos vários jargões estrangeiros da publicidade – significa mudança de marca ou posicionamento . A empresa muda a forma como se comunica, chegando a fazer alterações bem radicais que podem até romper tradições.

Este fenômeno já afetou empresas de todos os segmentos possíveis, das Casas Bahia à Volkswagen, passando pelo Athletico Paranaense. No meio automotivo, os “rebrandings” mais recentes foram de General Motors e Kia, que mudaram de logo para marcar o início do processo de eletrificação. 

Possivelmente, sua marca de carros favorita vai trocar de logotipo ao longo da nova década. Não se apegue ao passado e esteja pronto para essa mudança.

Você viu?

3 – O fim do carro próprio 

Uber
Divulgação

Acostumada com aplicativos de carona, a nova geração não faz questão de ter um carro

Com o início do distanciamento social, quem trabalha em escritório se acostumou com o regime de “home office”. Após os primeiros meses de quarentena, algumas empresas devolveram seus escritórios, e decidiram continuar com os seus trabalhadores em casa como um novo esquema de trabalho. Neste contexto, ter um automóvel já não está mais no radar de quem trabalha de casa a partir de agora. 

Além do preço do veículo, todas as outras despesas de gasolina, seguro e pneus se tornam nulas, liberando orçamento para aquela tão sonhada viagem para o exterior após a quarentena. Para muitos, ter um carro é sinônimo de liberdade. Aos mais desapegados, a liberdade chegará ao se desfazer do modelo.

Leia Também:  VW inicia exportação do T-Cross brasileiro para sete países africanos

Este fenômeno já está causando mudanças severas na indústria automotiva , que precisa abandonar o antiquado modelo de produzir e um veículo e mandá-lo para a concessionária para que um interessado compre.

4 – Carros por assinatura

Toyota Corolla
Roberto Assunção

Toyota e Volkswagen lançam carros por assinatura no Brasil; veja os detalhes

Um dos novos caminhos que já estão sendo seguidos pela indústria são os carros por assinatura . Segundo a Porto Seguro, uma das empresas adeptas do aluguel de carros, ter um veículo por assinatura pode ser até 24% mais barato do que financiar um automóvel.

A Toyota está apostando pesado na empresa Kinto, presente em 29 países, incluindo o Brasil. Roger Armellini, diretor de mobilidade da Toyota, afirma que a nova empresa de carros por assinatura é um grande passo para a montadora na transição de uma fabricante de veículos para prestadora de serviços de mobilidade.

A Volkswagen, por sua vez, fechou uma parceria com a locadora Unidas para que sua frota de veículos híbridos seja disponibilizada ao público via assinatura. Este foi o destino das unidades encalhadas do Golf GTE híbrido, que agora poderão ser adquiridas temporariamente em São Paulo, Brasília e Belo Horizonte. Além disso, a FCA também passou a oferecer o mesmo tipo de serviço no Brasil .

5- Foco nos híbridos e elétricos

Peugeot e-208 GT
Divulgação

Peugeot e-208 GT, um dos vários modelos elétricos que serão lançados no Brasil em 2021

Na comparação com outros países desenvolvidos, que até estipularam data para proibir vendas de carros a combustão, o processo de eletrificação da frota brasileira está atrasado. Há um Projeto de Lei que tramita na Câmara dos Deputados para zerar impostos sobre importação e venda de carros elétricos , e nada mais do que isso.

Apesar do atraso, as fabricantes investem pesado no segmento dos eletrificados por aqui. Em 2020, tivemos o lançamento de Audi e-tron 100% elétrico e dos híbridos Mini Countryman e Volvo XC40. Ao longo de 2021, podemos esperar pelo Peugeot e-208 GT, Volkswagen ID.4, Audi RS e-tron GT, Toyota Corolla Cross e Jeep Renegade 4xe entre os eletrificados.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA