Carros e Motos

Fiat Argo 2021 estreia com novos equipamentos e retoques no visual

Publicados

em


source
Fiat Argo HGT 2021
Divulgação

Fiat Argo HGT 2021 recebe novos detalhes, como as rodas escurecidas e novas combinações de cores da carroceria


O Fiat Argo 2021 começa a ser vendido na rede de concessionários da marca italiana, trazendo como destaques a oferta de novos equipamentos de série, retoques no visual e o pacote S-Design nas versões Drive 1.0 e 1.3. Os preços da nova linha partem de R$ 53.990.


No visual, a principal novidade do Argo 2021 é a adoção do novo padrão de logotipos da Fiat, que estreou na nova geração da picape Strada. A mudança veio acompanhada também de novas calotas nas versões de entrada e de um novo acabamento preto fosco nas rodas de 17″ da versão esportivada HGT.

Na versão 1.0, a única novidade são as calotas com novo desenho. Já o pacote de itens de série e opcionais (preparação para som e limpador e desembaçador do vidro traseiro) seguem inalterados.


A configuração seguinte é a Drive 1.0 (R$ 58.890), que além das novas calotas passa a contar de série com central multimídia com tela de 7″ e volante multifuncional.

Leia Também:  Conheça detalhes da Yamaha XS 650, a motocicleta incompreendida

O Argo Drive 1.0 conta ainda com o pacote de opcionais Plus (espelhos retrovisores elétricos, vidros traseiros elétricos e sensor de estacionamento traseiro) e a série S-Design, um pacote que adiciona calotas com novo acabamento, sensor de pressão dos pneus, e a pintura bicolor da carroceria.

A versão seguinte é a Drive 1.3 (R$ 61.990), que além da central multimídia de 7″ e volante multifuncional traz de série por USB na traseira, retrovisores elétrico e sensor de estacionamento traseiro. Nesta configuração, o pacote S-Design ganha ainda as rodas de liga leve de 15″.

Nas versões como apelo aventureiro Trekking 1.3 (R$ 64.990) e 1.8 (R$ 69.990), a Fiat mexeu nos adesivos, além de adicionar controles eletrônicos de tração e estabilidade e assistente de partida em rampas de série para a motorização 1.3, que passa a contar também na lista de opcionais com chave presencial e ar-condicionado automático digital.

Topo de linha, a versão HGT ganhou de série, além das rodas com novo acabamento, o painel com tela TFT de 7″, volante em couro e o apoio de braços. A versão Precision, que combinava o conjunto mecânico da HGT com um pacote visual mais sóbrio, deixa de ser oferecida na linha 2021.

Leia Também:  Preço da gasolina tem variação de 28% nos estados brasileiros

A mecânica segue sem mudanças: as versões 1.0 e Drive 1.0 seguem com o 1.0 de três cilindros e 77 cv, enquanto o Drive 1.3 e o Trekking 1.3 usam o 1.3 de quatro cilindros e 109 cv. Sempre com o câmbio manual de cinco marchas.

Já as versões Trekking 1.8 e HGT 1.8 do Argo 2021 usam o mesmo motor 1.8 E.torQ, de 139 cv, que é combinado somente ao câmbio automático de seis marchas. Confira abaixo como ficou a tabela de preços:

Fiat Argo 1.0 – R$ 53.990
Fiat Argo Drive 1.0 – R$ 58.890
Fiat Argo Drive 1.3 – R$ 61.990
Fiat Argo Trekking 1.3 – R$ 64.990
Fiat Argo Trekking 1.8 AT – R$ 69.990
Fiat Argo HGT 1.8 AT – R$ 74.990

Fonte: IG CARROS

Propaganda

Carros e Motos

Cinco variações do Chevrolet Vectra que não tivemos no Brasil

Publicados

em


source

Lançado na Europa em 1988 como o substituto do Opel Ascona (como era conhecido o Monza no mercado europeu), o Opel Vectra acabou se tornando um produto internacional, sendo vendido também com as marcas Holden (Austrália) e Chevrolet (América Latina).

No mercado europeu, o modelo de porte médio-grande seria produzido em três gerações e ficaria em linha até 2008. No Brasil, o Vectra chegou em 1993, com produção na fábrica de São Caetano do Sul (SP). O modelo estava disponível apenas na carroceria sedã e com motores 2.0 de 8 e 16 válvulas.

Mas não tivemos por aqui a terceira geração do carro europeu, já que o nome Vectra acabou sendo usado entre 2005 e 2011 por um sedã e hatch baseados no médio Astra. Também passaram longe do Brasil outras variações de carroceria como a station wagon e a notchback , e os carros equipados com motores V6. Confira alguns Vectra que nunca chegaram às concessionárias brasileiras.

 1- Vectra Turbo 4×4

Opel Vectra Turbo 4x4
Divulgação

Opel Vectra Turbo 4×4: até mais interessante que o GSi que tivemos no Brasil, com motor aspirado de 150 cavalos, o mesmo do cupê Calibra


O Opel Vectra de primeira geração teve uma curiosa versão que combinava o sistema de tração 4×4 com uma versão turbo do motor 2.0 16V usado no GSi vendido no Brasil, que era capaz de desenvolver 204 cv.

Leia Também:  Cinco variações do Chevrolet Vectra que não tivemos no Brasil

Com este conjunto, o sedã acelerava de 0 a 100 km/h 6,8 segundos e atingia os 240 km/h. No Brasil, o Opel Vectra Turbo 4×4 ficou conhecido como o safety car do GP de San Marino de 1994, onde morreu o tricampeão de Fórmula 1 Ayrton Senna .

 2- Vectra Caravan

Vectra
Divulgação

Opel Vectra Caravan: a perua poderia ter vindo ao Brasil como um carro para família com apelo esportivo, diferente as minivans, como a Zafira


Uma das novidades da segunda geração do Vectra na Europa (onde foi lançado em 1995, um ano antes do Brasil) foi a carroceria Station Wagon.

Vendida com o nome de Vectra Caravan, seguiu como uma das opções da linha até o fim do modelo no mercado europeu.

3 – Vectra V6

Vectra
Divulgação

Opel Vectra i500: imagine o deleite que é assumir o volante desse belo sedã com o V6 roncando forte, algo que ficamos apenas na vontade


No mercado brasileiro, o Vectra de segunda geração foi oferecido com motores 2.0 e 2.2, de 8 ou 16 válvulas. Mas nenhum deles com mais de quatro cilindros.

Leia Também:  Conheça detalhes da Yamaha XS 650, a motocicleta incompreendida

Essa era uma exclusividade do modelo europeu. o 2.5 V6 era a opção mais potente da linha e chegou a ser oferecido na edição limitada i500, calibrado para desenvolver 195 cv.

 4 – Vectra “C”

Vectra
Divulgação

Opel Vectra “C” com essa pintura azul erada versão esportiva OPC, com desempenho de tirar o fôlego


A terceira geração do Vectra, conhecida também como Vectra “C”, foi mostrada na Europa em 2002, três anos antes do fim do Vectra “B” no Brasil.

Na época, uma das razões para a “não-vinda” desse carro ao mercado brasileiro foi o tamanho. Feito sobre uma nova base, o Vectra tinha se tornado um modelo de porte grande. A station Caravan era maior até do que a Chevrolet Omega Suprema feito no Brasil nos anos 1990.

 5 – Vectra “D”

Insignia
Divulgação

Opel Insignia ficou sofisticado demais para o mercado no Brasil, onde a GM deixou de ter modelos baseados na linha Opel alemã


Na Europa, o Vectra foi substituído em 2008 pelo Opel Insignia . Mas em alguns mercados da América Latina a General Motors decidiu seguir usando o nome Chevrolet Vectra no novo modelo.

Essa decisão do grupo americano fez com que, entre 2009 e 2011, houvessem dois Chevrolet Vectra à venda no mercado latino: o europeu Insignia rebatizado e o brasileiro baseado no Astra.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA