Carros e Motos

MINI comemora 60 anos de lançamento de seu primeiro Cooper

Publicados

em


source


Mini Cooper surgiu em 1961 e foi preparada por John Cooper e se consagrou nas pistas de corrida
Divulgação

Mini Cooper surgiu em 1961 e foi preparada por John Cooper e se consagrou nas pistas de corrida

Tudo começou quando o designer britânico Alec Issigonis desenvolveu um novo carro para a British Motor Corporation , visando espaço e economia de combustível. Lançado em 1959, o Austin MINI clássico conseguiu unir tudo isso. Mas ganharia um lado inesperado em setembro de 1961, quando foi lançado o primeiro MINI Cooper.

Com a ideia fixa de oferecer o melhor espaço em um carrinho tão diminuto, o Austin MINI receberia motor e câmbio transversais, cuja configuração interferia pouco na cabine, enquanto as rodas montadas nas extremidades permitiam que as caixas de rodas abrissem mais espaço aos ocupantes do banco traseiro.

A racionalidade do projeto não só fez bonito nas vendas, mas também nas pistas. Assim o reconhecido engenheiro/preparador/construtor de carros de corrida John Cooper decidiu modificar o carro para competir na escuderia Cooper a qual já dominava a Fórmula 1 naquele período, seguindo a vitória dos campeonatos de 1959 e 1960.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Leia Também:  Festival de novas motos no Autódromo de Interlagos, em São Paulo

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O preparador John Cooper e o designer Alec Issigonis se uniram para criar um carro capaz de dominar outras categorias. Cooper preparou o motor original de 848 cm³ e 34 cv de potência, que foi ampliado a 997 cm³ e passou a gerar 55 cv, números que faziam toda a diferença visando que o carrinho pouco mais de 600 kg.

Além disso, o uso de homocinéticas ajudou a não perder tração ou ter movimentações indesejadas do volante. A revolucionária suspensão hidro-elástica reduzia a rolagem lateral e entregava precisão e estabilidade acima da média e na medida para encarar circuitos de rali e competir com modelos bem maiores e mais potentes.

A suspensão usava batentes de borracha de curso bem curto que deixavam o Mini com um comportamento mais dinâmico. Todas estas qualidades fizeram do pequeno da MINI ser comparado a um kart, nascendo o termo Go-Kart Feeling , expressão que é lembrada até hoje pela marca inglesa.

As mulheres também tiveram papel fundamental na brilhante trajetória da Mini através das vitórias das britânicas Pat Moss, irmã do lendário Stirling Moss , e Ann Wisdom que participou das provas enquanto estava grávida. As conquistas de 1962 na Copa das Damas, a categoria feminina do Rali de Monte Carlo , e no Rali da Tulipa , na Holanda, foram as primeiras vitórias obtidas por mulheres na categoria. A dupla ainda venceria os Ralis da Alemanha e de Sderström, na Suécia.

Leia Também:  Honda City antigo some das lojas e o que sobrou de Fit é vendido acima da tabela

John Cooper logo criaria uma versão MINI Cooper S . O motor passou a ter 1.071 cm³ e rendia 70 cv. Foi nessa época em que o predomínio do esportivo começou na série de ralis de Monte Carlo. A dupla Paddy Hopkirk e Henry Liddon ganhou o prêmio do rali em 1964. Foram eles que iniciaram a época dos Três Mosqueteiros , trio de pilotos formado pelo próprio escocês Hopkirk e pelos finlandeses Rauno Aaltonen e Timo Mäkinen.

Foi em 1965 que Timo Mäkinen e Paul Easter (co-piloto) levaram o novo MINI Cooper S 1.3 de 90 cv ao título após um longo e emocionante rali. Habituado a neve, o finlandês Mäkinen foi o único piloto que não recebeu nenhuma penalidade.

No ano seguinte, Mäkinen, Aaltonen e Hopkirk dominaram o Rali de Monte Carlo de ponta a ponta e ganharam o pódio, porém foram desclassificados por uma suposta irregularidade nos faróis, uma das maiores polêmicas da história dos ralis. A compensação viria no ano seguinte. A altonen e Henry Liddon (co-piloto) faturaram o primeiro lugar. Era apenas o início de uma história que vive até hoje no MINI John Cooper Works.

Fonte: IG CARROS

Propaganda

Carros e Motos

VW Kombi: saiba detalhes da história da “Velha Senhora” feita no Brasil

Publicados

em


source


VW Kombi do início dos anos 50 chegou a ser importada para o Brasil, onde passou a ser fabricada em 1957
Divulgação

VW Kombi do início dos anos 50 chegou a ser importada para o Brasil, onde passou a ser fabricada em 1957

Nascida logo após a Segunda Guerra Mundial, quando as tropas britânicas deixaram a sede oficial da Volkswagen em Wolfsburg, a velha e boa Kombi fez sucesso em todos os quatro cantos do planeta, caindo definitivamente nas graças de todos.

O sucesso de tanta resistência e vitalidade da VW Kombi , comparado aos projetos mais avançados de suas concorrentes, veio a partir do esboço de um oficial inglês das forças de ocupação, seu nome era Major Ivan Hirst – encarregado na época em liderar a produção de automóveis bélicos para a Segunda Guerra Mundial.

O projeto Typ 2 (Tipo 2) só veio à tona graças a uma parceria entre Hirst, o engenheiro alemão Alfred Haesner e o Holandês Ben Pon, dono de concessionária.

Pon, certa vez ao visitar as dependências da sede da Volkswagen em Wolfsburg, na Alemanha, notou um curioso veículo batizado de Plattenwagen que tinha como finalidade transportar peças de um galpão para outro dentro da fábrica.

O empresário então pensou que seria interessante fazer a importação para a Holanda, porém Pon acabou se frustrando por não poder importar os Plattenwagen, devidos as rigorosas normas de trânsito que vigoravam naquele país.

Depois de apresentado o esboço aos Hirst e Haesner, o projeto “Tipo 2” ganhou vida no ano de 1947
Reprodução

Depois de apresentado o esboço aos Hirst e Haesner, o projeto “Tipo 2” ganhou vida no ano de 1947

Assim, o empresário Ben Pon teve a feliz ideia de desenvolver um projeto revolucionário que atendesse o mercado de utilitários. Depois de apresentado o esboço aos Hirst e Haesner, o projeto ‘ Tipo 2′  ganhou vida no ano de 1947. Foi o ‘embrião para o nascimento’ da Kombi.

Leia Também:  Honda Accord híbrido se mostra  confortável e faz até 17,6 km/l

Dois anos depois, o Transporte – nome de batismo da Kombi alemã – já era comercializado na Alemanha e vendido a outros países como Polônia, Estados Unidos, Dinamarca, Finlândia entre outros.

Em 1949 as primeiras Kombi eram importadas para o mercado brasileiro

Kombi sempre foi um carro bem aceito no Brasil, onde tem uma larga legião de fãs até os dias atuais
Divulgação

Kombi sempre foi um carro bem aceito no Brasil, onde tem uma larga legião de fãs até os dias atuais

O nome de batismo do Tipo 2 , Kombi , vem de Kombinationsfahrzeug , que no idioma germânico significa ‘ veículo combinado’ ou ‘ combinação do espaço para carga e passeio’ , e foi assim que o público brasileiro conheceu um dos veículos mais populares da história da indústria automobilística. Por aqui, as primeiras unidades vieram importadas no ano de 1949.

Graças ao sucesso de vendas, quatro anos mais tarde, a matriz alemã resolve instalar uma filial no Brasil, inicialmente sendo produzida pela Brasmotor, representante da americana Chrysler e proprietária da Brastemp na época. Ainda em 1953, nascia a Volkswagen do Brasil num reduzido galpão que contavam inicialmente com apenas 12 funcionários.

Leia Também

Em 1957, a empresa se instalava na cidade de São Bernardo do Campo, inaugurando a fabricação da van da VW que nesta época já contava com 100% de índice de nacionalização. Praticamente idêntica à versão alemã, a nossa Kombi contava inicialmente com motor de 1.192 cm³ e 36 cv a 3.400 rpm, contando com a velocidade máxima de 100 km/h.

As opções Luxo e Standard , além da Lotação , lançada em 1967, eram as versões mais populares. No mesmo ano eram introduzidos a versão  Pick-up e um motor de 1,5 litro (1.493 cm³) mais potente de  44 cv , além de sistema elétrico de 12 volts para toda a linha.

Curiosamente, também foram lançadas com seis portas sendo duas para cada fileira de bancos e muito rara hoje em dia e disputado por colecionadores. Essa primeira geração ficou popularmente conhecido como ‘Corujinha’ devido a sua frente estilizada que se assemelha com o animal.  

Versão picape a diesel é uma das mais raras de se encontrar e apareceu no Brasil no início dos anos 80
Divulgação

Versão picape a diesel é uma das mais raras de se encontrar e apareceu no Brasil no início dos anos 80

Em 1975 ocorreria a primeira mudança com a estreia do motor de 1.600 cc . Inicialmente a Volks pretendia fazer a reestilização completa, deixando a Kombi nacional com a porta corrediça e as três janelas grandes e cada lado.

Leia Também:  Audi A3: ouça no podcast qual será o novo posicionamento do carro no Brasil

Aparentemente, para cortar custos, a fábrica escolheu combinar a frente (com as portas dianteiras) e a traseira (apenas as lanternas) do modelo internacional com a carroceria do modelo nacional, de 12 janelas laterais.

Em 1981, a Volkswagen iniciava as vendas da Kombi com motor de 1,5 litro movido a diesel , refrigerado a água e com um exclusivo radiador dianteiro. Este motor era o mesmo que equipava o Passat exportação e foi oferecido nas versões Pick-up , com cabine simples ou dupla (foto acima) e  Furgão.

A mudança mais profunda só chegaria em 1997, quando o modelo finalmente recebia a porta corrediça e carroceria semelhante àquela conhecida no resto do mundo, embora o teto elevado em 11 cm seja único do modelo brasileiro. Em 2005, a VW marcava a chegada da Kombi Série Prata , edição limitada que marcava o último modelo refrigerado a ar.

No ano seguinte, a Volkswagen iniciava a comercialização da veterana Kombi com nova motorização, desta vez refrigerada a água. Tratava-se do motor EA-111 de 1.4 litro , o mesmo do Fox de exportação, porém a daqui contava com tecnologia flexível que rendia até 80 cv com etanol e 78 cv com gasolina.

Volkswagen Kombi Last Edition marcou o fim da produção do utilitário no Brasil com uma série de itens exclusivos
Divulgação

Volkswagen Kombi Last Edition marcou o fim da produção do utilitário no Brasil com uma série de itens exclusivos

No final de 2007 estreava a série especial ’50 anos’ com pintura saia e blusa (branco cristal e vermelho Bonanza) e tiragem de apenas 50 exemplares. Por dentro, ganhava revestimento dos bancos em Tear LE Fendy.

Para 2013, veio a Last Edition limitada a 600 unidades, mas que mais tarde a marca acabaria dobrando a produção, deixando muitos colecionadores irritados. Esteticamente, havia a tonalidade em azul pastel e branco, bancos em vinil azul, cortinas e vários itens com a logomarca Kombi etc.

O motor 1.4 flex de até 80 cv permanenia o mesmo. Porém, o que não continuava era a sua produção encerrando uma trajetória de mais de 50 anos de história no Brasil.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA