Carros e Motos

Mini Cooper SE: hatch elétrico mostra diversão em alta voltagem

Publicados

em


source
Mini Cooper SE: repare nas rodas exclusivas e com desenho mais moderno do que os mais conservadores gostariam
Carlos Guimarães

Mini Cooper SE: repare nas rodas exclusivas e com desenho mais moderno do que os mais conservadores gostariam

Cada vez mais os elétricos são fazer parte dos modelos avaliados pela reportagem de iG Carros. Já chegamos a andar em alguns deles, mas depois de ter entregue o Mini Cooper SE na concessionária ficou a impressão de que foram poucas as vezes em que andei em algo tão divertido que liga na tomada.

O Mini Cooper SE é vendido no Brasil em três versões: Exclusive (R$ 239.990), Top (R$ 264.990) e Top Collection (R$ 269.990). A mais em conta delas é R$ 25 mil mais cara que a S equipada com motor a combustão (R$ 214.990). Se optar por pagar a diferença vai viver uma experiência inusitada de acelerar e frear no mesmo pedal e sem gastar uma gota de gasolina.

O nível de equipamentos entre a versão elétrica e a combustão é parecido. Ambos contam com faróis de LED, ar-condicionado automático de duas zonas, central multimídia com tela de 8,8 polegadas sensível ao toque (compatível com Apple CarPlay, mas não com Android Auto) e teto solar panorâmico.

A questão que pesa contra o elétrico é a autonomia. A fabricante diz que o carro pode rodar até 234 km pelo ciclo WLTP, mas basta ter o ar-condicionado ligado para isso diminuir bastante para menos de 200 km. Portanto, é bom saber onde você vai. E ter certeza de que poderá contar com uma recarga para não corer o risco de ficar à pé.

Leia Também:  Crescem acidentes de moto com vítimas que tem entre 18 e 34 anos

Em uma unidade de recarga rápida, o Mini Cooper SE pode recuperar até 80% da energia em 30 minutos. No wall-box residencial, a mesma recarga dura em torno de 2 horas e 10 minutos, enquanto em uma tomada convencional (que precisa ser aterrada), a carga leva em torno de 14 horas.

Interior do Mini elétrico segue o padrão adotado nas demais versões e agradam aqueles que gostam de certa irreverência
Divulgação

Interior do Mini elétrico segue o padrão adotado nas demais versões e agradam aqueles que gostam de certa irreverência

O que contribui para essa limitação na autonomia é o fato do Mini Cooper SE ser um modelo elétrico adaptado , tanto é que as baterias ficam no lugar do tanque de gasolina. O peso de 1.365 kg não é dos mais leves da categoria e tiveram que deixar o carro 18 mm mais alto para protegê-las. Além disso, a suspensão se mostrou rigida demais para o piso crocante da maior parte das vias em São Paulo.

Então, prepare-se para os solavancos. Em compensão, terá uma estabilidade irrepreensível nas curvas, mantendo aquela pegada “Go Kart Feeling” de sempre. Com 184 cv e 27,5 kgfm de torque disponível logo ao encostar o pé no acelerador, o elétrico impressiona pela aceleração vigorosa , capaz de ir de 0 a 100 km/h em apenas 7,3 segundos ou de percorrer os primeiros 400 metros em meros 15,2 s, conforme a fabricante.

Na lista de equipamentos, na versão Top há head-up display , sistema de áudio premium Harman/Kardon, LEDs direcionais, sistema de navegação e rodas exclusivas aro 17. De fato, a qualidade de som empolga . E o GPS exibe informações do trânsito em tempo real já que fica ligado à internet o tempo todo. Bom também é todo o estilo descolado do carro , o que inclui até luz ambiente configurável.

Leia Também:  Mitsubishi antecipa imagens e detalhes do novo Outlander híbrido

Assim como as demais versões do Mini Cooper , o espaço interno é apertado para quem vai sentado atrás e no porta-malas vão somente 211 litros de bagagem mesmo sem estepe, já que os pneus 205/45R 17 são todos do tipo runflat montados nas rodas de desenho exclusivo e polêmico, já que podem parecer modernas demais para os mais conservadores.

Conclusão

Se por um lado o Mini Cooper SE vem bem equipado, tem estilo arrojado e empolga pelo desempenho, fica devendo uma maior autonomia, de 234 km. Entre os rivais elétricos podemos citar o Renault Zoe (300 km) e o JAC e-JS1 (304 km), além do Chevrolet Bolt, cuja nova geração está com chegada atrasada ao Brasil, as pelo o que diz a fabricante, o carro pode rodar até 416 km.

Apesar de não terem os devidos incentivos fiscais por parte do governo, os carros elétricos passarão a fazer parte da paisagem no Brasil com cada vez mais frequência. Segundo projeção da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), cerca de 28 mil eletrificados devem ser vendidos no país neste ano, um crescimento de 42% sobre 2020.

Ficha Técnica

Mini Cooper SE

Preço: a partir de R$ 239.990 Motor: elétrico, tração dianteira Potência: 184 cv Torque: 27 kgfm Transmissão: automática Freios: discos ventilados (dianteira), disco sólido (traseira) Suspensão: McPherson (dianteira), multibraço (traseira) Dimensões: 3,84 m de comprimento, 1,72 m de largura, 1,41 m de altura e 2,49 m de entre-eixos Porta-malas: 211 litros Vel. Máx: 150 km/h 0 a 100 km/h: 7 segundos.

Fonte: IG CARROS

Propaganda

Carros e Motos

Conheça a história da Rural Willys

Publicados

em


source


A Rural Willys foi um dos primeiros SUVs que apareceram no mercado, primeiro nos EUA, em meados da década de 40
Divulgação

A Rural Willys foi um dos primeiros SUVs que apareceram no mercado, primeiro nos EUA, em meados da década de 40

Nascida logo depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a Willys Overland lançava nos EUA um novo automóvel para uso familiar, denominado de Station Wagon . Feita na mesma plataforma de 104 polegadas do Americar de antes da guerra e com generosas modificações de chassi, ela absolutamente tinha as pretensões de leveza e suavidade de linhas que o Victory Car ou Carro da Vitória.

O clássico da Willys tem estrutura e mecânica do Jeep , porém com uma carroceria não tão robusta quanto os tradicionais Jeep Willys bélicos. O novo carro de grandes dimensões, sendo 4,59 m de comprimento, 1,88 m de altura e 1,84 m de largura, garantia uma característica robusta, mas a sua estabilidade não era das melhores.

Linhas robustas da Rural foram inspiradas no Jeep Willys Militar

Rural Willys era valente e topava qualquer parada. Um SUV raiz, com tração integral e boa distância livre do solo
Divulgação

Rural Willys era valente e topava qualquer parada. Um SUV raiz, com tração integral e boa distância livre do solo

As linhas tradicionais de formas quadrangulares da Rural Willys começaram em 1945, quando foi projetada, graças ao trabalho do projetista de automóveis Brooks Stevens, o mesmo que desenhou o Aero Willys , produzido pela mesma companhia. Fabricado então pela Willys Overland na cidade de Toledo – Ohio, as Rurais foram baseadas no Jeep Willys militar de 1941.

A Willys propôs ao engenheiro Delmar G. Roos, que ficasse com o cargo de principal projetista do Jeep militar, ficando responsável por cuidar do motor e mecânica do novo veículo, e também convidou o jovem designer industrial Brooks Stevens – nascido em 1911 na cidade de Milwaukee no estado de Wisconsin, próximo da indústria automobilística de Detroit – para cuidar da parte estética e funcional.

Leia Também:  Participamos do BMW GS Trophy 2022

Com a equipe estruturada, era o início de uma nova etapa no mundo dos utilitários com o lançamento em 1946 da caminhonete Willys Overland Station Wagon , um utilitário de uso misto que era fabricado com carroceria totalmente em aço, algo inovador para a época. Antes da década de 40, por causa do alto preço do aço, as caminhonetes eram montadas com carrocerias de madeira sobre chassi de carros de passeio, sendo conhecidas como ” as Woods ” (madeira, em inglês).

Para baratear o orçamento, a Willys resolveu comprar uma fábrica de geladeira, aproveitando as prensas de estamparia para a lataria do novo projeto da Station Wagon . Um detalhe curioso, segundo fontes de sites especializados, é que as prensas tinham capacidade de repuxo máximo de seis polegadas (15cm) sendo que impossibilitaria o aplique de linhas mais arredondadas na carroceria.

Seu motor era um 6 cilindros em linha movido a gasolina de 2,6 litros , cuja potência máxima era de 90 cv a 4.400 rpm , desempenho modesto, levando em consideração o seu peso de 1.500 Kg na versão 4×2.

Leia Também

Rural Willys fabricado no Brasil

interior da Rural Willys é bem simples, apenas com o essencial, mas bem espaçoso para os ocupantes
Reprodução/Pinterest

interior da Rural Willys é bem simples, apenas com o essencial, mas bem espaçoso para os ocupantes

Em 1952, é fundada a Willys Overland do Brasil. A Willys continuava importando veículos fabricados nos Estados Unidos. Neste mesmo ano, vinham as versões da Rural Willys , com motor de quatro e seis cilindros derivados do motor do Jeep.

Dois anos mais tarde, a fábrica dava início a linha de montagem do veículo na cidade de São Bernardo do Campo – em São Paulo – e em 1956 saíam da linha de montagem os primeiros exemplares da Rural , ainda com motor importado.

Leia Também

Um dos charmes da Rural Willys de 1956, já modelo brasileiro, eram as opções de cores entre a linha de cintura, denominado pelo nome de saia e blusa. Podia-se escolher entre a vermelha e branca, a verde e branca e por último a azul e brana.

Leia Também:  Renault confirma lançamento da Master Van com motor a hidrogênio para 2022

Para 1969, a Willys Overland do Brasi l colocou a versão básica e luxo e já no ano seguinte era introduzido o motor do Itamaraty, de 3,0 litros – seis cilindros em linha , como no motor antigo – de 132 cv a 4.400 rpm.

A inauguração da nova fábrica de motores da Willys Overland do Brasil, em 1958, contou com a presença do então presidente Juscelino Kubitschek. Um ano depois, a  Rural Willys ainda possuía a frente da versão americana.

Em 1959, era adotado um motor nacional, fabricado na cidade paulista de Taubaté e logo depois a Rural tinha o índice de nacionalização de 100% de seus componentes, ganhando até uma nova frente que seria mantida até o final da produção, com o estilo do Aero Willys brasileiro.

Além disso, a nova versão tupiniquim vinha com a introdução de novos para-lamas dianteiros, vidros inteiriços na frente e na traseira, substituindo os vidros bi-partidos, além de exclusivas sinaleiras traseiras. Fora o modelo Station Wagon , ainda era lançada a picape Jeep e a Rural com tração 4×2.

Série Luxo

Rural Willys também linha versão de luxo, com calotas cromadas, pintura de dois tons, entre outros itens
Reprodução

Rural Willys também linha versão de luxo, com calotas cromadas, pintura de dois tons, entre outros itens

Em 1970, foi colocada no mercado nacional uma série especial da Rural, chamada de série Luxo , que era diferenciada das outras versões convencionais como o motor Willys 3000 (o mesmo do Ford Maverick ), pneus mais largos, diferenciais com relação mais longa de 4,09:1, espelhos retrovisores nas duas portas

Entre as diferenças também estavam incluídos outros itens, como extremidade dos para-lamas dianteiros com pequenas proteções metálicas, sistema de direção com amortecedor, detalhe das r odas especiais cromadas de maior largura e montados com pneus largos na medida 8.25-15 entre outros itens.

Cinco anos depois vinha um novo motor Ford 2.3, de quatro cilindros,  acoplado a uma caixa de câmbio de quatro marchas com relações mais reduzidas.

Em 1975, ainda foram fabricadas as Rural com o velho motor Willys 6 cilindros BF-161 e também o novo motor Ford OHC 2.300 . Com o novo motor quatro cilindros, a Rural passa a ser montada exclusivamente com o novo câmbio de quatro marchas. Em 1977, era o fim da fabricação da Ford Rural Station Wagon . A versão picape com o nome de F-75 continuava a ser fabricada.

Fonte: IG CARROS

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA