Política Nacional

Com 1 ano de governo, Bolsonaro segue em campanha e é pouco aprovado

Publicado

source

IstoÉ

Jair Bolsonaro sorrindo e fazendo joinha com as duas mãos arrow-options
Alan Santos/PR

Jair Bolsonaro tem apenas 30% de aprovação

Ao apostar em sua futura campanha de reeleição, o presidente Jair Bolsonaro abriu mão de governar, tornando meras promessas as prioridades de recuperação econômica e na adoção de uma cartilha racionalmente liberal. Na esteira dessa decisão, o presidente criou atritos — calculados ou espontâneos — desnecessários com quem é próximo ou já lhe prestou algum apoio no passado recente.

Leia também: Mourão minimiza uso do AI-5 no regime militar e nega o uso da palavra ‘ditadura’

Tudo para manter a popularidade junto ao seu nicho eleitoral mais fiel, que lhe rende cerca de 30% de aprovação, com um apoio praticamente cego de, no máximo, uns 20%, condição que lhe deixaria perto de um eventual segundo turno — ainda que seja cedo demais para pensar seriamente nisso. Este índice se manteve na última pesquisa do Instituto Datafolha , divulgada na semana passada. O resultado, porém, é preocupante para as ambições do governo.

Desde a redemocratização, só Collor teve popularidade inferior a Bolsonaro no primeiro ano de governo. Ficou com 23% após seu desastroso plano econômico que confiscou a poupança. Dilma, Lula e FHC terminaram os mesmos períodos com aprovações de 59%, 42% e 41%, respectivamente. Para Lula e Fernando Henrique, os cenários econômicos internos e externos foram bem mais desafiadores, exigindo articulações políticas complexas.

Bolsonaro sufoca quem tenta atrair o eleitor moderado, pois sua estratégia de reeleição só funcionaria para enfrentar a esquerda em um segundo turno

O que deveria alarmar o núcleo do governo são os 36% de reprovação que o presidente angariou nesses 11 meses de mandato. Outro dado preocupante é que 80% dos pesquisados dizem desconfiar das suas declarações, com 43% duvidando “sempre” daquilo que ele diz. Há razões para tanto, já que Bolsonaro culpou ONGs por queimadas na Amazônia e o Greenpeace pelo vazamento de óleo no Nordeste.

Bolsonaro se recusou a comentar o resultado da pesquisa. “Próxima pergunta?”, disse na segunda-feira 9. Quando contrariado, é essa a atitude que costuma adotar com a imprensa. Na hora, recebeu aplausos dos apoiadores de plantão diante do Palácio do Alvorada, mantendo o clima diuturno de campanha.

Parte de seu esforço envolve declarações que testam os humores da opinião pública diante de sua agenda ultraconservadora. Na quarta-feira 11, seu filho Eduardo Bolsonaro soltou no Twitter que “há bons argumentos pedagógicos e empíricos” para separar meninos e meninas nas salas de aula. Um disparate retrógrado e sem fundamentação.

Giros em falso

Para remediar a perda de popularidade, só com resultados mais expressivos na economia, assunto do qual o presidente mantém distância. Nas poucas vezes em que palpitou, desagradou a exportadores. Como quando falou em acabar com o Mercosul, baixou a taxação para o etanol americano ou defendeu a mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, descontentando parceiros comerciais árabes. Com isso, o trabalho de fazer o Brasil sair de vez da estagnação fica concentrado no ministro Paulo Guedes, um economista com reduzida vivência política e com alguns arroubos explosivos, mas que vem arregaçando as mangas para o barco não afundar.

Leia mais:  Bolsonaro ataca imprensa e critica jornal por denúncia de caixa dois

O resultado é uma gestão que gira em falso. Ao passar mais tempo projetando um futuro mandato, Bolsonaro acaba por emperrar as reformas que precisaria realizar para ser reeleito, ignorando solenemente o calendário político. Com eleições municipais no meio dos mandatos, todos os presidentes possuem cerca de um ano e meio para lidar com os pontos mais nevrálgicos de suas agendas. Depois, cada um vai cuidar dos interesses de suas respectivas bases. Bolsonaro fez o contrário ao sair do PSL para viabilizar o partido Aliança pelo Brasil, que bem poderia se chamar Aliança por Bolsonaro. “Ele é assim o tempo todo. Só pensa em si”, diz Gustavo Bebianno, seu ex-advogado e ex-secretário-geral da Presidência. Bolsonaro não admite que ninguém se sobressaia ao seu redor.

Leia também: Datafolha: para 81%, Lava Jato ainda não cumpriu objetivo e deve seguir

Bolsodoria nunca mais

Mesmo antes de a mesma pesquisa apontar que o ministro da Justiça, Sergio Moro, contava com uma aprovação maior que a sua — 53%, sendo reconhecido por 93% dos entrevistados —, Bolsonaro começou uma operação de morde e assopra com a estrela da Lava Jato . Por um lado, chega a cogitar o ex-juiz federal como seu vice na reeleição, mas pouco fez para evitar os cortes no pacote anticrime proposto pelo ministro. A ciumeira também atingiu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Principal articulador da Reforma da Previdência, Maia foi duramente criticado pelo presidente ao ter suas conversas e negociações com parlamentares de outros partidos classificadas como coisa do toma lá dá cá praticado pela “velha política”. Pelo cargo que ocupa, Maia é naturalmente presidenciável, mas não se pode ignorar que ele defende uma das bandeiras de campanha do presidente. Se Maia não é visto como um aliado fundamental, quem mais seria?

Mais agressivas foram as atitudes com os governadores Wilson Witzel (PSC), do Rio, e João Doria (PSDB), de São Paulo. Bolsonaro diz que Witzel é o responsável por manipular as investigações sobre o caso Marielle Franco de modo a relacioná-lo indiretamente com o crime. “Minha vida virou um inferno”, disse o presidente. Mas é preciso lembrar que o clima entre ambos só azedou depois que o ex-aliado Witzel, alinhado com os evangélicos, anunciou que poderia ser candidato a presidente em 2022. Com o governador João Doria, o episódio envolveu um constrangimento público. Em outubro, em uma cerimônia de formatura de sargentos da polícia militar paulista, Bolsonaro alegou estar sofrendo de dores decorrentes de uma de suas cirurgias e deixou Doria fazer a revista das tropas. O governador foi vaiado duas vezes na cerimônia. Teria sido uma armação de parlamentares bolsonaristas para constrangê-lo, depois que ele também se mostrou interessado em disputar a presidência. Doria manteve a frieza e elogiou a PM, arrancando aplausos. Ainda que diga não fazer oposição ao governo federal, o slogan de campanha “BolsoDoria” ficou para trás. Flexões em conjunto, parece que nunca mais. Doria quer ser a opção entre a extrema-direita (Bolsonaro) e a extrema-esquerda (Lula/PT).

Leia mais:  Proposta revoga alteração em regulamento que trata da fiscalização do Ibama

Jatinhos na mira

Nem quem é de fora da política escapa das reações presidenciais. O apresentador de TV Luciano Huck entrou na mira depois de manifestar leve interesse na vida política. Em um claro caso de desvio de função, o presidente usou de informações do governo para criticar o apresentador, que se valeu de um financiamento de R$ 17,7 milhões junto ao BNDES, a juros de até 8,7% ao ano, para comprar um jato executivo Phenom 300, fabricado pela Embraer. A aeronave é usada pelo apresentador e como táxi-aéreo. Maior, o jato de João Doria foi financiado em R$ 44 milhões. A Embraer vendeu mais de 130 aeronaves mediante o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), que conta com a participação de bancos privados. O que Bolsonaro omitiu é que ele, enquanto deputado federal do PP, em 2009, votou pela criação do programa de incentivo à indústria nacional que agora critica como se fosse uma grande mamata.

A energia gasta em criticar, menosprezar ou escantear qualquer virtual aspirante ao Planalto possui uma justificativa. Ao optar por se manter agarrado aos seus correligionários extremistas, Bolsonaro obrigatoriamente precisa sufocar qualquer um que pretenda atrair os eleitores de centro e da direita moderada, aqueles que praticaram no segundo turno de 2018 o voto de rejeição ao petista Fernando Haddad. Por isso, Bolsonaro detestou as críticas de João Amoêdo, do Novo. Neoliberal, Amoêdo se colocou contra o comportamento autoritário do governo.

“A cabeça dos políticos está sempre quatro anos no futuro”, diz a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP). Para ela, a sobrevivência política do presidente ou de qualquer outro deveria incluir foco no trabalho, a verdadeira vitrine de um agente público. Não é o que ocorre. “Cheguei e me perguntam: Depois vai para aonde?”, diz.

No caso de Bolsonaro, nem isso, já que ele não desce do palanque. Em vez de governar, tenta estripulias populistas. Impedido por médicos e pela segurança de saltar de paraquedas, em novembro comprou uma motocicleta para passear por Brasília. Foi barrado novamente. Desde Fernando Collor, que adorava um jetski, não se vê tanto exibicionismo.

Leia também: “Meu nome é Messias, mas não faço milagre”, diz Bolsonaro sobre educação no país

Perto do impeachment, Dilma até tentou parecer mais ativa, mas soou artificial. Já Bolsonaro não consegue parecer um presidente. O mais próximo que conseguiu chegar de uma política pública ampla foi a reformulação do Minha Casa Minha Vida, que agora contempla a compra e a reforma de imóveis. O projeto sofreu um corte R$ 1,9 bilhão. Mas pelo menos é algo real que conta com sua presença — ainda que decorativa.

Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Expansão de chapas coletivas deve continuar em eleições deste ano

Publicado

Dinâmica crescente no Brasil, a candidatura mediante a formação de chapas coletivas e a proposição de mandato compartilhado deve se manter nas eleições deste ano. Assim avalia o administrador e professor universitário Leonardo Secchi, que coordenou um estudo sobre o assunto, divulgado pela Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps).

No volume intitulado Mandatos Coletivos e Compartilhados: Desafios e possibilidades para a representação legislativa no século XXI, o grupo de pesquisadores pontua que, no Brasil, há um aceno para esse estilo de governar desde a década de 1990. Um mapeamento da equipe identificou um total de 110 candidaturas no Brasil, entre os anos de 1994 e 2018.

Os agrupamentos tinham origem em 17 estados da federação, com vinculação a 22 partidos. Ao todo, as chapas angariaram 1.233.234 votos, sendo que 32 delas derrotaram seus adversários nas urnas.

Em São Paulo, a Bancada Ativista foi a primeira candidatura coletiva a se eleger, em 2018. Como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) admite tal participação somente quando representada nas urnas por um dos membros, indicou-se a jornalista Mônica Seixas (PSOL) para responder em nome de todos.

Segundo Leonardo Secci, hoje os brasileiros endereçam muitas contestações àqueles que chegam ao poder, por sentir que não há representatividade. A população, diz ele, tem reclamado que os eleitos não seguem a “vontade das ruas” nos mandatos. Por isso, a projeção é de que haja um incremento na parcela de candidatos que pretendem governar com essa qualidade.

Leia mais:  Zenaide Maia pede que PEC Paralela amenize perdas dos trabalhadores com a reforma da Previdência

No pleito de outubro, serão eleitos prefeitos e vereadores. De acordo com o TSE, o eleitorado do país somava mais de 147 milhões de pessoas, nas últimas eleições, em 2018.

“Isso tem gerado essa tal de crise em dois sentidos: a de criar novas estratégias ou, então, a da radicalização de discursos de uma retomada de ideologia”, afirma o acadêmico, que leciona na Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), instituição de ensino que também apoiou o projeto, em companhia do Instituto Arapyaú. “Essas duas tendências vão ser sentidas, agora em 2020, no mundo e no Brasil também.”

Em entrevista concedida à Agência Brasil, Secchi pontuou ainda que, em oposição à ideologia, se encontra outra forma que os governantes podem assumir: definir ações e politicas públicas com base em “evidências, análise, dados”, mensuração de “custo-benefício e impacto social” e, por conseguinte, accountability, termo em inglês que tem relação com a prestação de contas e a transparência dos atos tomados pelos gestores públicos. “Acredito que o Brasil esteja muito avesso a tudo para que se tenha que pensar demais. As pessoas têm respostas rápidas, muito contundentes e veem a análise como cortina de fumaça”, argumenta.

Leia mais:  Senadores vão discutir se supressões na PEC da Previdência alteram o mérito

Associações no exterior

A obra editada pela Raps também lista exemplos de iniciativas observadas em outros pontos do globo. Um deles é o partido político Demoex, que foi fundado em 2002, por alunos e por um professor de filosofia chamado Per Norbäck, em uma escola secundária na cidade de Vallentuna (Suécia). Desacreditando no sistema político então existente, decidiram lançar suas próprias propostas a partir de um partido local composto por eles, já que a Suécia reconhece esse tipo de agremiação política.

“O Demoex/Direktdemokraterna chegou a ter 273 membros ativos e utilizou uma ferramenta de incentivo à participação, compartilhando parte do salário parlamentar com aqueles que fossem mais assíduos nos debates e nas votações on-line“, diz trecho dos pesquisadores, que adicionam que essa pode ser considerada a primeira experimentação contemporânea de sucesso de mandato compartilhado.

Edição: Bruna Saniele

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Assessor de deputada do PSL posta foto fazendo piada da morte de Marielle

Publicado

source
homem sorrindo e segurando camisa arrow-options
FACEBOOK / REPRODUÇÃO

Imagem foi divulgada no Facebook do assessor

Um assessor parlamentar da deputada Bia Kicis, do PSL, utilizou as redes sociais para publicar uma foto fazendo piada da morte da vereadora Marielle Franco (Psol). Em um registro feito dentro do gabinete da parlamentar, Evandro de Araújo Paulo segura uma camisa com a foto de Marielle e os dizeres “Marielle Vive, enchendo o saco”.

Leia também: Promotora do caso Marielle no Rio fez campanha para Bolsonaro

A imagem, publicada no fim de dezembro no Facebook , foi retirada da rede social por apresentar “conteúdo sensível”. O assessor não se pronunciou sobre o assunto, mas a deputada afirmou, em nota, que não tinha conhecimento da postagem e repreendeu o assessor quando tomou conhecimento da mesma, proibindo de tirar fotos dentro do ambiente de trabalho.

Segundo o colunista Guilherme Amado, da revista Época, o assessor trabalha com Kicis desde o primeiro mês de mandato dela, recebendo salário de R$ 4,2 mil.

Comentários Facebook
Leia mais:  Bolsonaro ataca imprensa e critica jornal por denúncia de caixa dois
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana