Internacional

Como funciona a eleição para presidente nos Estados Unidos

Publicado


source
eleições dos EUA arrow-options
Pixabay

Entenda como funciona o sistema eleitoral norte-americano


O modo eleitoral que o brasileiro está acostumado, voto direto e obrigatório, candidato com mais votos vence as eleições, e fica no poder por quatro anos é bem diferente nos Estados Unidos, onde a principal diferença é o voto facultativo – ou seja, ninguém é obrigado a votar. Em 2016 foi a primeira vez que o sistema de votação teve uma “pane”: Hillary Clinton ganhou a maioria dos votos populares, mas mesmo assim não foi eleita.

Leia também: Quem é Mayor Pete, o religioso, gay e ex-militar que quer ser presidente dos EUA

Isso aconteceu porque nos EUA o número de delegados (representantes que cada estado tem) é o que dita o vencedor da eleição , e mesmo Hillary tendo maioria dos votos populares, os delegados de cada estado em que ela ganhou, somados, foram menores do que os de Donald Trump. Cada estado tem um número de delegados equivalente ao da população: quanto mais cidadãos, mais delegados representam aquele estado no Congresso e vice-versa. 

Quando um candidato vence a votação em um estado, todos os delegados vão para as eleições presidenciais, assim, contabilizando os votos “válidos” para aquele candidato. As chamadas primárias e caucus são uma prévia da aceitação de cada concorrente, que mostra o que deve acontecer nas eleições de fato, e também servem para decidir qual candidato de cada partido deverá concorrer nas eleições finais. 

Para tornar tudo mais simples de ser entendido, dividimos cada etapa e o que ela significa.

Democrata ou Republicano

Segundo o professor de comunicação da Unipac, em Minas Gerais, e mestre em Relações Internacionais, Ricardo Rios, o Partido Democrata , representado pela imagem de um burro, está mais alinhado com o que conhecemos como “esquerda política”. “Democratas costumam apoiar pautas de sindicatos, minorias raciais e religiosas, feministas, LGBTs e ambientalistas, com papel mais intervencionista do Estado na economia”, afirma. 

Porém, isso não foi sempre assim. No século XIX, o Partido Democrata foi formado por estados escravagistas do sul do país. Hoje, a maioria dos estados democratas estão localizados ao norte e centro dos Estados Unidos, salvo algumas exceções, como a Califórnia .

Já o Partido Republicano , representado por um elefante, está alinhado com conservadorismo de direita, como a “moral e bons costumes”. “Eles defendem menos atuação do Estado na economia e na vida das pessoas, mas sem abrir mão da presença dele [Estado]. Este partido tem ideias mais conservadoras, defende o direito ao porte de armas e uma política internacional mais realista, ou seja, usando a força se necessário”, explica Rios. Tradicionalmente os estados do sul são republicanos, como o Texas.

Resumo de etapas para eleição presidencial nos Estados Unidos arrow-options
iG Arte

Resumo de etapas para eleição presidencial nos Estados Unidos


Caucus

O caucus é um conselho formado pela população que se reúne para discutir as propostas dos pré-candidatos do partido em que pretende votar. Nessa etapa, é possível ter uma prévia de qual político terá mais votos naquele estado, assim, já decidindo o candidato que de fato irá para as eleições.

Primárias

Esta etapa pode ser aberta ou fechada. Na primeira opção, qualquer eleitor, mesmo se não filiado ao partido, pode votar no pré-candidato de sua preferência. Na segunda, apenas eleitores filiados ao partido Republicano ou Democrata podem votar nos respectivos candidatos.

Leia também: EUA: Chamado de racista e sexista, Bloomberg é massacrado em debate democrata

Os caucus e as primárias servem como prévias, e cada estado decide qual dos dois métodos irá usar para pesquisar as “intenções de voto”. 

Depois de decididos quais candidatos concorrerão à presidência, começam as campanhas. Os elegíveis percorrem os estados pedindo por doações e votos, para ganharem popularidade dentre a população. 

Eleições

Em novembro começam, de fato, as eleições presidenciais . A população vai às urnas e vota em seu candidato. Quem tiver mais votos naquele estado, leva o número de delegados consigo, somando toda vez que for vitorioso. Ou seja, os cidadãos servem para decidir qual candidato será representado por todos os delegados daquele estado. 

Muitas vezes a disputa fica acirrada, e o critério de desempate são os swing-states (estados pêndulo). Tradições são levadas muito a sério nos Estados Unidos, e por isso muitos estados são “religiosamente” democratas ou republicanos. Porém, os swing-states não têm essa tradição, e podem variar de acordo com o candidato da vez. Alguns dos mais importantes são: Ohio, Flórida e Colorado.

Quando o presidente é eleito e seu mandato está no final – caso de Donald Trump em 2020 – ele já é automaticamente candidato à reeleição pelo seu partido, não havendo outro candidato que possa fazer campanha.

Leia também: Democratas fazem prévias em Nevada, nos EUA 

Aqui no Brasil as coisas mudam bastante. Os candidatos são eleitos por voto popular, sem intermédio de qualquer outro “representante” (como os delegados). O próprio partido decide quem concorrerá à presidência, e existem centenas de partidos políticos. A única coisa que se assemelha aos Estados Unidos são os deputados. Aqui, o número de deputados federais varia de acordo com a população de cada estado. São Paulo, por exemplo, tem 70 deputados federais na Câmara, enquanto o Amapá tem apenas 8.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
publicidade

Internacional

Covid-19: Jacarés passeiam em ruas vazias nos EUA, veja o vídeo

Publicado


source

Ver essa foto no Instagram

Nature reclaiming Myrtle Beach…

Uma publicação compartilhada por Clifford Sosis (@whatisitliketobeaphilosopher) em 1 de Abr, 2020 às 1:04 PDT


Era para as ruas das cidades costeiras da Carolina do Sul (EUA) estarem lotadas, principalmente por quem desfruta das férias de primavera (período de férias escolares mais curtas que ocorre no final do inverno nos EUA). Mas, devido ao isolamento social causado pela pandemia de coronavírus, os resorts estão desertos: sem visitantes e com as pessoas dentro de casa.

No entanto, um grupo bem peculiar está se aproveitando da situação: 
os jacarés , ou alligators, como são conhecidos os jacarés americanos.

Um morador de Myrtle Beach, identificado como Clifford Sosis, postou um vídeo mostrando um jacaré passeando silenciosamente por uma área da cidade na semana passada.

jacaré arrow-options
Reprodução/Instagram

Jacaré passeia tranquilamente em rua esvaziada pelo isolamento social


“Parece que a natureza já está começando a recuperar aquele pedacinho de Myrtle Beach”, escreveu Clifford na postagem. “Este jacaré está andando por um shopping que deveria estar lotado”, acrescentou.

De acordo com o site do jornal local “The State”, répteis também foram vistos por moradores de outras partes de Myrtle Beach e de outras cidades do estado.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Com 700 mortos por dia, Espanha faz velório no estilo ‘drive-thru’

Publicado


source
Velório na Espanha arrow-options
Reprodução

Funcionários de crematório retiram caixão do carro fúnebre; Espanha tem média de 700 mortos por dia

Nos arredores do cemitério de La Almudena, em Madrid, há um crematório. A cada 15 minutos, um carro fúnebre passa na frente do local, e alguns parentes da vítima que morreu de Covid-19 têm apenas segundos para dizer adeus. Por determinação do governo, os grupos devem ter, no máximo, cinco integrantes. 

LEIA MAIS: Homem dispara contra vizinhos que faziam muito barulho na quarentena

Conforme o procedimento das autoridades da saúde, o motorista pode abrir o porta-malas para que os parentes vejam o caixão, mas em circunstância alguma ele deverá ser aberto. O padre poderá dar a última bênção com água benta, por cima da caixão, e então o corpo é encaminhado para o crematório sem qualquer cerimônia.

Esta é a dinâmica que alguns crematórios de Madrid, a cidade mais afetada pelo surto do novo coronavírus (Sars-CoV-2) no país, estão para adotar. A família se retira e outra aparece. Mais um carro fúnebre, mais uma bênção, mais uma despedida sem um “adeus” adequado. É uma cena curiosa, mesmo para um cemitério que guarda os restos mortais de combatentes da guerra civil, ou da própria gripe espanhola. 

A Espanha passou a Itália na quantidade de casos registrados de Covid-19. São 136 mil contra 132 mil, ainda que a Itália tenha registrado mais mortes (16 mil contra 13 mil). Apenas neste dia 6 de abril, 700 pessoas morreram no país, ainda que 40.437 pacientes já estejam totalmente recuperados do novo coronavírus. 

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana