Momento Economia

Confiança do Consumidor recua 1,2 ponto em janeiro

Publicado

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 1,2 ponto de dezembro de 2019 para janeiro deste ano e atingiu 90,4 pontos, em uma escala de zero a 200. A queda veio depois da alta de 2 pontos na passagem de novembro para dezembro.

O resultado de janeiro foi puxado principalmente pelo Índice de Expectativas, que mede a confiança do consumidor em relação aos próximos meses e que recuou 1,4 ponto. Com isso, o subíndice atingiu 98,9 pontos.

O Índice da Situação Atual, subíndice que mede a confiança dos consumidores no momento presente, caiu 0,9 ponto e chegou a 78,7.

Os componentes que mais influenciaram a queda do ICC foram a intenção de compras de bens duráveis nos próximos meses (menos 5,4 pontos) e a percepção dos consumidores sobre a situação financeira da família no momento (menos 3,2 pontos).

Edição: Graça Adjuto
Comentários Facebook
publicidade

Momento Economia

Após Brumadinho, Vale fecha 2019 com prejuízo de US$ 1,6 bi

Publicado


A Vale divulgou hoje (20) o relatório com seus resultados financeiros do quarto trimestre de 2019. Com esses dados, foram consolidados os resultados do ano passado, no qual a mineradora ficou marcada pela tragédia de Brumadinho (MG). O episódio contribuiu diretamente para que fosse registrado um prejuízo de US$ 1,68 bilhão, aproximadamente R$ 7,4 bilhões. Trata-se de uma queda de 124,5% na comparação com 2018, quando a mineradora teve lucro líquido de US$ 6,86 bilhões.

O desempenho do quarto trimestre reverteu o saldo positivo no ano. A mineradora havia amargado prejuízo no primeiro e no segundo trimestre, mas compensou as perdas no terceiro trimestre ao registrar um lucro de US$ 1,65 bilhão. No entanto, voltou a ter um prejuízo. No quarto trimestre, o resultado negativo foi de US$ 1,56 bilhão.

A Vale reconhece no relatório que o prejuízo de 2019 decorre das provisões e despesas relativas à ruptura da barragem em Brumadinho. Desde a tragédia, ocorrida em 25 de janeiro de 2019 com o vazamento de mais de 10 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração, 259 corpos foram resgatados e 11 pessoas ainda estão desparecidas. A maioria das vítimas eram trabalhadores da própria Vale ou de empresas terceirizadas contratadas por ela.

A mineradora aponta ainda dois fatores que contribuíram para o desempenho. Um deles é o “registro de impairment e contratos onerosos sem efeito caixa, principalmente relacionados aos segmentos de Metais Básicos e Carvão (US$ 4,202 bilhões)”. O outro são provisões associadas à Fundação Renova e à descaracterização da barragem de Germano (US$ 758 milhões).

Buscas em Brumadinho, onde uma barragem da mineradora Vale se rompeuBuscas em Brumadinho, onde uma barragem da mineradora Vale se rompeu
Bombeiros durante buscas por vítimas em Brumadinho, onde uma barragem da mineradora Vale se rompeu – Adriano Machado/Reuters/Direitos reservados

Fundação Renova

A Fundação Renova tem relação com outra tragédia, ocorrida em novembro de 2015, quando se rompeu Mariana (MG) uma barragem da mineradora Samarco, que tem a Vale como uma de suas controladoras, juntamente com a anglo-australiana BHP Billiton. No episódio, 19 pessoas morreram e dezenas de cidades foram impactadas na bacia do Rio Doce. Para reparar todos os danos, um acordo com o poder público definiu as bases para a criação da Fundação Renova, entidade que tem as três mineradoras como mantenedoras.

A última vez que a Vale fechou um ano com prejuízo foi em 2015. As perdas foram de R$ 44,2 bilhões. No entanto, no balanço referente a 2015, a Vale afirmou que o rompimento da barragem em novembro daquele ano não teve efeito no fluxo de caixa do exercício que se encerrou em 31 de dezembro. A mineradora posteriormente reconheceu impactos na produção de 2016. Ainda assim, no ano posterior à tragédia de Mariana, houve lucro de R$ 13,3 bilhões.

Outro dado que consta no relatório é o valor de Ebitda, lucro operacional subtraído dos juros, impostos, depreciação e amortização. A Vale informou que, em 2019, totalizou US$ 18 bilhões de Ebitda pró-forma, que exclui também as provisões e despesas correntes relacionadas à tragédia de Brumadinho. O valor é US$ 1,4 bilhão menor do que em 2018. Somente no quarto trimestre, o Ebitda pró-forma totalizou US$ 4,677 bilhões, ficando US$ 151 milhões abaixo do terceiro trimestre.

Acionistas

O relatório registra a decisão do Conselho de Administração de aprovar a distribuição aos acionistas de R$ 7,2 bilhões, a título de juros sob capital própria (JCP). A data do repasse, porém, não está definida. Após a tragédia de Brumadinho, foi suspensa Política de Remuneração ao Acionista. Dessa forma, somente quando o Conselho de Administração reverter essa decisão é que o valor, equivalente a R$ 1,41 por ação, poderá ser distribuído.

Ainda assim, o anúncio do repasse de JCP realizado em dezembro do ano passado, gerou reações entre os atingidos de Brumadinho. Eles realizaram manifestação e lembraram que o montante era superior ao que a Vale havia investido até então na reparação dos danos.

Em sua primeira página, o relatório financeiro do quarto trimestre de 2019 traz uma mensagem sobre a tragédia escrita pelo presidente da mineradora, Eduardo Bartolomeu. “A Vale permanece firme em seus propósitos: reparar integralmente Brumadinho e garantir a segurança de nossas pessoas e ativos. Temos feito progressos significativos, com um efetivo programa de reparação, com melhorias relevantes em nossa governança e operações, e com um plano de descaracterização para nossas barragens a montante sob implementação acelerada”. A descaracterização de barragens similares as de Mariana e Brumadinho foi determinada por lei após a tragédia de 2019.

O relatório financeiro lista ainda ações de compensação econômica que já foram realizadas. Segundo a Vale, foram indenizadas as famílias de 244 dos 250 trabalhadores mortos na tragédia. Foram 611 acordo, com 1.570 beneficiários, totalizando R$ 1,4 bilhão. Também foram firmados acordos de indenização individual com mais 4.451 vítimas no valor de R$ 679 milhões. Além disso, a mineradora afirma ter desembolsado R$ 1,2 bilhão com a assistência emergencial a 106 mil pessoas que residem em Brumadinho ou em municípios ao longo do Rio Paraopeba, para onde os rejeitos escoaram.

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Economia

Dólar ultrapassa R$ 4,39 e atinge novo recorde desde a criação do real

Publicado


source

Agência Brasil

Em alta pelo quarto dia seguido, o dólar voltou a fechar no maior valor nominal desde a criação do real . Nesta quinta -feira (20), o dólar comercial encerrou a sessão vendido a R$ 4,392, com alta de R$ 0,026 (+0,59%).

Greve não impacta preço dos combustíveis, diz presidente da Petrobras

A divisa operou em alta durante toda a sessão. Na máxima do dia, por volta das 13h30, a cotação chegou a atingir R$ 4,397. Desde o começo do ano, o dólar acumula valorização de 9,44%. O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 4,74, com alta de 0,44%.

Dólar arrow-options
Pixabay/Reprodução

Dólar


O Banco Central ( BC ) não tomou novas medidas para segurar a cotação. Hoje , a autoridade monetária leiloou US$ 650 milhões para renovar contratos de swap cambial – que equivalem à venda de dólares no mercado futuro – com vencimento em abril. O leilão faz parte da rolagem de US$ 13 bilhões de swap que venceriam daqui a dois meses.

No mercado de ações, o dia também caracterizou-se pela turbulência. O índice Ibovespa , da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo ), encerrou esta quinta -feira aos 114.586 pontos, com recuo de 1,66%. O indicador começou o dia perto da estabilidade, mas passou a cair ainda durante a manhã.

Avançam negociações para trazer a Tesla ao Brasil

Nas últimas semanas, o mercado financeiro em todo o mundo tem atravessado turbulências em meio ao receio do impacto do coronavírus sobre a economia global. A interrupção da produção em diversas indústrias da China está afetando as cadeias internacionais de produção. Indústrias de diversos países, inclusive do Brasil, sofrem com a falta de matéria-prima para fabricarem e montarem produtos.

A desaceleração da China também pode fazer o país asiático consumir menos insumos, minérios e produtos agropecuários brasileiros. Uma eventual redução das exportações para o principal parceiro comercial do Brasil reduz a entrada de dólares, pressionando a cotação.

Entre os fatores dom ésticos que têm provocado a valorização do dólar , está a decisão recente do Comitê de Política Monetária ( Copom ) do Banco Central de reduzir a taxa Selic – juros básicos – para 4,25% ao ano, o menor nível da história. Juros mais baixos desestimulam a entrada de capitais estrangeiros no Brasil , também puxando a cotação para cima.

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana