Momento Turismo

Coronavírus: onde buscar ajuda para voltar para casa se a fronteira fechar?

Publicado


source

Com o avanço do novo coronavírus pelo mundo, muitos países decidiram fechar suas fronteiras com exterior como medida de prevenção contra a doença, impedindo que pessoas infectadas desembarquem em seu país, resultando em uma proliferação maior do vírus.

Leia também: Férias que viraram pesadelo: brasileiros em Cabo Verde não podem voltar ao País

Pessoas no aeroporto usando máscaras arrow-options
Agência Brasil/Fernando Frazão

Órgãos competentes trabalham para retornar brasileiros que não conseguiram voltar ao Brasil devido fechamento de fronteiras no exterior.


Não só o Brasil, que decidiu fechar as suas fronteiras com outros países da América do Sul, assim como também impediu que estrangeiros vindo de países da Ásia, Europa e Oceania entrassem no país por vias aéreas, outros países também aderiram ao fechamento de suas fronteiras para desacelerar a propagação do novo coronavírus .

Saiba o que você pode fazer se estiver em viagem e encontrar dificuldades em voltar para casa:

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e o Itamaraty, que é o orgão responsável pelas relações exteriores do Brasil, criaram formulários para que os brasileiros que vivem no exterior possam voltar para o Brasil.

O formulário da ANAC , que conta com 13 perguntas, exige informações como número do passaporte, em qual país a pessoa se encontra, qual o destino de retorno e o código de reserva da passagem de volta.

O cadastro feito neste formulário servirá de base para que autoridades brasileiras possam realizar o retorno de viajantes brasileiros e estrangeiros autorizados que tiveram seus voos cancelados em países que fecharam suas fronteiras.

Funcionários de um aeroporto utilizando máscaras para se proteger contra o novo coronavírus arrow-options
Fernanda Frazão/Agência Brasil

A Agência Nacional de Aviação Civil e o Itamaraty criaram formulários que facilitarão o contato com brasileiros que estão presos no exterioro

Leia também: Anac lança formulário para ajudar brasileiros a voltar para o país

Já o Itamaraty, que é o orgão responsável pelas relações exteriores do Brasil, também criou um  formulário para tornar o retorno de brasileiros ao país mais fácil. Diferente do formulário feito pela ANAC, o formulário do Itamaraty questiona se o indivíduo ou o grupo de indivíduos possui alojamento, e se há a possibilidade de extender a estadia.

Além do formulário, o Itamaraty também disponibilizou diversos telefones nos quais brasileiros que necessitam de assitência no exterior possam entrar em contato.

  • América do Sul: +55 (61) 9826 00 767
  • América do Norte, Central e Caribe: + 55 (61) 9826 00 610
  • Europa: + 55 (61) 9826 00 787
  • África e Oriente Médio: + 55 (61) 9826 00 568
  • Ásia e Oceania: + 55 (61) 9826 00 613

Outro caminho é procurar consulados e embaixadas, que podem ser acionados em situações comprovadas de emergência e situações fora do horário comercial. Confira a lista  aqui .

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
publicidade

Momento Turismo

Família recria Disney em casa após viagem ao parque ser cancelada

Publicado


source

A tão sonhada viagem para o mágico parque da Disney pode ser um marco e tanto para a vida de muitas crianças e adultos, mas, o que fazer quando a viagem tão aguardada é cancelada?

Leia também: Cruzeiro cancelado? Veja para quando você pode remarcar a sua viagem

Sadie e Summer posando para uma foto em frente de ingredientes para a comida. arrow-options
Reprodução/Jessica and Brett Gubenko

As meninas não deixaram de se divertir, mesmo com o parque fechado.

Nos Estados Unidos, uma família que tinha a viagem marcada para a Disney teve que usar muita criatividade após saber que os parques seriam fechados para evitar a contaminação de seus turistas pelo novo coronavírus.

”Minhas filhas tinham arrumado suas malas duas semanas antes, então eu não tinha dúvida nenhuma que elas ficariam devastadas com a noticia que o parque tinha sido fechado”, diz Jessica Gubenko, mãe das crianças.

Jessica e Brett Gubenko, que tinham reservado a viagem meses antes, tiveram que pensar em alternativas para que as filhas Sadie, de oito anos, e Summer, de quatro anos de idade, pudessem aproveitar o mágico mundo da Disney sem sair de casa.

Leia também: Quarentena deixa Nova York e seus pontos turísticos desertos; veja vídeo

Sadia Gubenko e o cachorro da família descendo em um escorregador de brinquedo enquanto estão dentro de uma caixa de papelão, simulando uma montanha russa. arrow-options
Reprodução/Jessica and Brett Gubenko

Apesar da viagem, a família não deixou de se divertir em casa

”Elas são muito criativas, então sabiamos que não teriamos problemas em se divertir com os brinquedos feitos em casa”, disse o pai.

Alguns brinquedos famosos do parque, como o ” Magic Carpet ” e o ” Splash Mountain ”, foram recriados pelas meninas, que envolveram até o cachorro da família na brincadeira.

É claro que a experiência toda não seria completa sem algumas das opções culinárias mais famosas do parque, desde o café da manhã com o Chef Mickey , até o famoso sorvete ”Dole Whip”, que é vendido no local.

Fotografia do pai, junto com as duas filhas, enquanto as duas crianças comem. arrow-options
Reprodução/Jessica and Brett Gubenko

Os pais tornaram uma experiência triste em muita diversão para as meninas.


Para finalizar a experiência, os pais proporcionaram um belo jantar temático, onde a mãe até se fantasiou de uma das princesas mais famosas Disney.

”Elas ficaram bem felizes e se divertiram bastante”, disse a mãe ”Fico bem feliz por nós termos conseguido contornar a situação e tornar a experiência em algo positivo para nossas filhas”, completa.

Leia também: Cidades e países se unem para divulgar o turismo após a pandemia do coronavírus 

Mãe, fantasiada de princesa da disney, junto com as duas filhas, que também se fantasiaram. arrow-options
Reprodução/Jessica and Brett Gubenko

Além da mãe, as duas crianças também se fantasiaram para o tão esperado jantar.

Apesar da experiência de viver um pouco do parque dentro de casa, a família pretende remarcar a viagem para o parque assim que for reaberto.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Turismo

Por coronavírus, Ilha de Páscoa fecha e teme efeitos negativos no turismo

Publicado


source

A população da Ilha de Páscoa enfrenta com disciplina a pandemia do coronavírus . Com dois casos confirmados, a ilha se confinou e fechou o acesso a turistas, mas olha com preocupação a situação sem entrada de capital turístico.

Ilha de Páscoa teme aumento nos moradores de rua arrow-options
AFP/Miguel Carrasco

Ilha de Páscoa teme aumento nos moradores de rua


Segundo a AFP, a ilha de 7.750 habitantes registra dois casos de Covid-19 e três casos em análise. Mas o território contém apenas um único hospital com apenas três respiradores artificiais. 

Pelo menos 100 mil visitantes chegavam anualmente à Ilha de Páscoa , atraídos pelos Moai. O governo local fechou as entradas do território uma semana antes do decreto das autoridades chilenas, no dia 11 de março, quando o primeiro caso ocorreu. Hoje, o Chile supera 2,7 mil casos nesta quarta (1º).

Leia também: Há um jeito mais seguro de viajar durante o coronavírus?

Prefeitura teme aumento nos moradores de rua

Apesar dos cuidados, a  prefeitura teme desempregos e aumento nos moradores de rua por causa do coronavírus nos próximos meses. O prefeito da ilha, Pedro Edmunds, afirma que os habitantes podem sobreviver tranquilamente apenas um mês. 

A ilha se fechou completamente e agora teme desempregos e perda de turistas na ilha arrow-options
Pixabay

A ilha se fechou completamente e agora teme desempregos e perda de turistas na ilha


Ele alerta que no final de abril, 3 mil pessoas estarão “nas ruas implorando comida a alguma autoridade local ou nacional, porque não terão como sobreviver”. Sem subsídios estatais, muitos podem não aguentar a falta de dinheiro.

Leia também: Brasileiras relatam caos para voltar ao país em meio a pandemia

Edmunds espera que a Ilha de Páscoa se recupere em agosto, devido à possível reentrada de turistas no local. Mas a atividade turística após o coronavírus deve ter retomada lenta. Sabrina Tuki, dedicada ao turismo da ilha há 20 anos, afirma que o desafio é de melhorar a infraestrutura e “voltar a encantar as pessoas para que possam voltar”.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana