Nacional

Crianças morrem eletrocutadas soltando pipa no Rio de Janeiro

Publicado

source
casa e imagem borrada arrow-options
Reprodução

Vídeos que circulam na rede mostram momento do acidente

Dois meninos morreram eletrocutados, no fim da tarde desta segunda-feira (14), em São Gonçalo , na Região Metropolitana do estado. Eles, que não tiveram a identificação revelada, seriam irmãos e estariam soltando pipa na comunidade da Cerâmica , no bairro Porto do Rosa , quando a linha com cerol cortou um fio de alta tensão, que caiu em cima deles.

Leia também: Mulher da à luz dentro do carro com ajuda de policiais no Rio; assista ao vídeo

O quartel de São Gonçalo do Corpo de Bombeiros foi acionado e esteve no local, por volta das 17h30. Os agentes levaram os menores para o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, mas eles não resistiram aos ferimentos.

Em um vídeo que circula na Internet é possível ver o fio de alta tensão sobre o corpo das crianças no momento do choque elétrico. A mãe deles grita ao fundo diante da cena.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Coronavírus: Brasil tem 18.176 infectados e 958 mortes

Publicado


source

As secretarias estaduais de Saúde atualizaram o número de infectados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil para 18.176 nesta sexta-feira (10), com 958 mortes. Na tarde de quinta-feira (09) o balanço trazia 17.857 casos confirmados em tdo o país, além de 941 mortes.

Leia também: Coronavírus: Brasil é o país que menos testa entre mais atingidos pela Covid-19

brasil arrow-options
Divulgação

Brasil tem 958 mortes por Covid-19


São Paulo segue com a maioria dos casos confirmados e de mortes. São 7.480 infectados e 496 óbitos. Na sequência vem o Rio de Janeiro, que totaliza 2.216 casoos e 122 mortes.

Leia também: Espanha tem 600 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

Além de São Paulo e Rio, a situação do Ceará também é crítica. São 1.445 infectados pelo coronavírus e 57 mortes.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Boato de incêndio causou maior tragédia infantil de São Paulo há 82 anos

Publicado


source
página de jornal antigo arrow-options
Hemeroteca Nacional

Notícia da tragédia no jornal Correio Paulistano

Eram quase seis horas da tarde quando um grito de “fogo” iniciou um tumulto dentro do Cine Oberdan.

O dia 10 de abril de 1938, pouco mais de nove anos após a inauguração do espaço, ficou marcado como data de uma das maiores tragédias envolvendo crianças na história de São Paulo. O resultado do boato de incêndio , que até hoje não teve origem confirmada, foi a morte de 32 pessoas, 31 delas menores de idade.

O Cine Oberdan, localizado no bairro do Brás, tinha capacidade para cerca de 700 pessoas e exibia uma sessão matinê de “Criminosos do Ar”, um filme norte-americano de ação, no momento em que o tumulto foi iniciado.

As narrativas do gerente do local e do operador da película, que foram replicadas em diversos jornais da época , desenhavam uma cena de pânico e desespero por um incêndio que não estava ocorrendo.

Leia também: Julgamento de 1º réu da Boate Kiss é suspenso

Segundo investigações policiais, parte do público correu em direção a uma porta de ferro que estava fechada. As crianças morreram pisoteadas e sufocadas contra o espaço.

“De súbito se originou entre a criançada verdadeiro pânico. Que todos ao mesmo tempo o procuravam ganhar a porta principal , formando-se, então, violento tumulto entre os espectadores”, disse a ocorrência policial exposta no jornal Folha da Noite três dias após o ocorrido.

Apenas uma das vítimas , identificada como Maria Pereira, era maior de idade. Ela tinha 45 anos e morreu tentando salvar a filha, Joana, com menos de um ano de idade. A bebê sobreviveu.

As vítimas mais novas foram identificadas como Armando Vavá e Pedro Pricoli, ambos tinham oito anos . Pedro morreu junto ao irmão, Walter, de 12 anos. Os dois tinham ido ao cinema com o irmão mais velho, José, de 16 anos, que sobreviveu.

Leia também: São Paulo tem 33 ruas que homenageiam personagens e datas da ditadura

A morte de Pedro e a reação do irmão José foi detalhadamente narrada pelo Correio Paulistano, que chegou a entrevistar o pai do menino no velório dos filhos.

“Escoadas, completamente, as galerias, e não vendo os seus irmãos entre os presentes, José dirigiu-se às escadas e, passando sobre mortos e feridos, num dos degraus encontrou Pedro já sem vida. Carregou-o para a rua e, vendo a primeira ambulância chegar àquelle instante, nella entrou, conduzindo o corpo do pequeno”, afirmou a publicação.

Luto

No ano da tragédia, São Paulo já era a maior cidade do Brasil, com 1,03 milhão de habitantes. O luto foi vivido de forma intensa na cidade, com registro de multidões nos velórios das vítimas realizados no Cemitério do Brás, onde foram sepultadas 20 das vítimas; Cemitério da Penha, com 6 sepultamentos; Cemitério do Araçá, com três enterros e Cemitério de Itaquera, com dois velórios.

Leia também: Marco Zero de São Paulo reúne histórias curiosas que nem paulistanos conhecem

A notícia gerou comoção mundial, com recebimento de telegramas com a solidariedade de países como Itália, Cuba e Peru. Três dias de luto oficial foram decretados pela força pública de segurança da cidade.

Na ocasião, até mesmo os operários , força motriz da economia na cidade, foram convidados a enviar comissões para os velórios das vítimas.

Medidas após a tragédia

Após a tragédia, o governo brasileiro determinou que escolas de todo país realizassem treinamentos de incêndio e trabalhassem com alunos dicas sobre como reagir a momentos de pânico como os registrados no cinema.

O motivo dos treinamentos, de acordo com o Diário Oficial da época, era ajudar as crianças a ver um “modo de se encarar um perigo dessa natureza”.

anúncio de jornal avisando sobre funcionamento arrow-options
Hemeroteca Nacional

Cinema voltou a funcionar pouco mais de um mês após tragédia

Em Pernambuco, a exibição de filmes de aventura ou drama foram proibidos em matinês por falta de espaços adequados.

Apesar das denúncias de falta de iluminação e de comando dos responsáveis pelo cinema na hora do tumulto, o local reabriu um mês e uma semana após a tragédia, anunciando três filmes em sequência nos jornais da época.

Investigações do crime

O culpado direto do caso nunca foi preso. Por muito tempo, a polícia trabalhou com as hipóteses de que o grito tenha sido dado por brincadeira de uma das crianças presentes. A reportagem do Correio Paulistano, narrou que um jornal parcialmente queimado foi encontrado em uma das cabines de banheiro do cinema.

Leia também: História em obras: o desinteresse que destrói monumentos na cidade de São Paulo

“Junto a elle [o jornal queimado] estava uma calça de menino, e a suposição creada é a de que esse pequeno tivesse estado ali, firmando, e tivesse queimado o jornal proposital ou accidentalmente. Teria sido essa a fumaça que toldou a tela, justamente quando na fita o avião se incendiou”, afirmou a publicação.

Local da tragédia ainda existe

Após ser reaberto, o Cine Oberdan funcionou até o fim da década de 1960 transmitindo filmes para o público. Ele foi fechado, vendido e tornou-se uma loja de confecção de roupas que funciona como comércio até hoje no Brás.

Apesar da mudança extrema na Rua Firmino Whitake, popular ponto de comércio no bairro, o antigo Cine Oberdan mantém a estrutura física. Confira, abaixo, comparação entre foto da época de funcionamento do cinema e do ano de 2019:

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana