Internacional

Discussão sobre paridade de gênero é adiada no Chile

Publicado

A Câmara dos Deputados do Chile adiou para a próxima quinta-feira a votação do projeto que visa garantir a paridade de gênero no processo constituinte. Essa semana a matéria retornou à Câmara após não ter consenso no Senado.

O Chile passará por um plebiscito no próximo dia 26 de abril, para definir se a população quer ou não uma nova Constituição. A discussão no Congresso é para definir os mecanismos que garantirão a igualdade, em números, entre homens e mulheres, entre os candidatos a integrar o órgão constituinte que será composto para discutir e elaborar a nova Constituição.

O presidente da Câmara, Iván Flores, explicou que o adiamento da discussão se deu porque “a Comissão das Mulheres e Equidade de Gênero está trabalhando na busca de melhores acordos”.

Após despacho da Câmara, previsto para a semana que vem, o projeto deve ser encaminhado para uma Comissão Mista, composta por 5 deputados e 5 senadores, que têm a tarefa de propor a ambas as Casas uma solução para assuntos controversos.

Na última quarta-feira (22), os senadores não aprovaram nenhuma das duas propostas que estão em discussão. Uma, feita pela oposição, defende que as listas de candidatos (às vagas para integrar o órgão constituinte que será criado) sejam compostas por 50% de mulheres, além de um sistema de correção posterior para que as vagas em cada município sejam distribuídas de maneira que nenhum sexo se imponha sobre o outro.

A segunda proposta, também rejeitada, foi elaborada por apoiadores do presidente do Chile, Sebastián Piñera ao propor que as eleições dos constituintes fossem feitas através de listas fechadas por município, com indicações de nomes de homens e mulheres, alternados – sendo as listas encabeçadas por mulheres.

Com o plebiscito marcado para o próximo dia 26 de abril, existe a preocupação de que os parlamentares não cheguem a um acordo sobre os mecanismos de paridade a tempo das eleições para os membros do processo constituinte.

Iván Flores acredita que o Congresso aprovará o projeto a tempo. “Estamos dentro do prazo para que isso possa ser considerado no processo constituinte. Eu acho que fevereiro será um bom momento para procurar os melhores acordos no caso de paridade de gênero. Acho que, de tempos em tempos, é bom um momento de reflexão, um momento de desacelerar a velocidade que estamos trazendo nos debates. Este é um projeto muito delicado, muito importante para as mulheres do Chile, que vale alguns dias (de reflexão)”.

Edição: Valéria Aguiar
Comentários Facebook
publicidade

Internacional

Parlamento de Portugal aprova lei que tira pena de eutanásia

Publicado


source
Sala de sessões do Parlamento de Portugal arrow-options
Divulgação

Sala de sessões do Parlamento de Portugal

O Parlamento de Portugal aprovou nesta quinta-feira (20) cinco projetos de lei que despenalizam a prática da eutanásia (o suicídio assistido). Os textos seguem para sanção do Poder Executivo. Todos os projetos aprovados permitem a eutanásia ativa: quando um funcionário do setor de saúde ministra medicamentos e substâncias para reduzir o tempo de vida de um paciente em fase terminal.

Os projetos de lei estabelecem a prerrogativa da morte assistida aos portugueses e estrangeiros residentes no país, maiores de idade com doenças incuráveis e em fase de sofrimento duradouro e insuportável.

Leia também: Brasileira é detida por suspeita de ter matado namorado a facadas em Portugal

Agora, os textos seguem para a sanção do presidente Marcelo Rebelo de Sousa. No entanto, mesmo que sejam barrados pelo mandatário, o Parlamento ainda pode derrubar o veto e implementar as novas leis. A despenalização da eutanásia vem apenas dois anos após o Parlamento rejeitar várias propostas sobre o tema.

A aprovação só foi possível neste momento porque, nas eleições de outubro de 2019, o Partido Socialista (PS) conquistou mais espaço no cenário político. Os projetos de lei aprovados foram duramente criticados pela Igreja Católica portuguesa e por legendas conservadoras, que pediam que o tema fosse levado para referendo.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Veículo militar dos EUA empurra furgão russo para fora de estrada; assista

Publicado


source
eua rússia arrow-options
Reprodução/Twitter

Veículo da esquerda é dos EUA e o da direita da Rússia

Veículos militares dos Estados Unidos ( EUA ) e da Rússia tiveram um conflito em uma estrada de Qamishli, cidade próxima à fronteira da Síria com a Turquia, nesta quarta-feira (19). O automóvel que carregava tropas americanas chegou a empurrar para fora da pista o furgão russo.

Leia também: Estados Unidos limita poder de Trump para ações militares contra Irã

EUA e Rússia apresentam uma relação tensa desde o fim da segunda guerra mundial, quando iniciou uma guerra fria (sem conflito armado direto) entre os dois países. Um jovem, que se chama Mohammad e é pesquisador e consultor de serviços humanitários na Síria segundo as informações em seu Twitter, presenciou a disputa entre os veículos e gravou e divulgou nas redes sociais um vídeo do ocorrido.

O vídeo mostra que o veículo russo tentava ultrapassar os americanos pela esquerda, quando o veículo desses entrou em sua frente, obrigando-o a desviar pela direita, próximo à extremidade da pista. O furgão dos EUA continuou pressionando os russos para a direita, até que o veículo da Rússia saiu da pista. 

O vídeo parou de ser gravado neste momento, já que o veículo, onde estava Mohammad, ultrapassou os automóveis russo e americano . Ambos os automóveis, utilizados para transporte de tropas, estavam armados com metralhadoras de calibre 7.62 mm. Mohammad não informou se o conflito continuou.

Leia também: Trump confirma que bombardeio dos EUA matou líder da Al-Qaeda

Assista ao confronto entre os veículos dos EUA e da Rússia.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana