Artigos

Enfim, uma linguagem amazônica

Publicado

            Há décadas a Amazônia brasileira não era tão discutida. Começou com as denúncias de queimadas neste ano. Depois vieram as denúncias de desmatamento. Por fim vieram as denúncias contra o Brasil. E, junto, os receios de retaliações comerciais contra tudo isso. O governo brasileiro interpretou tudo isso por um ângulo só: o da soberania física no território. Errado!

            Hoje, passados dois meses e com a fervura mais baixa dá pra se discutir melhor o assunto. Com lucidez! A questão vai muito além da soberania territorial. O que teria então, por detrás? perguntaria o leitor. Além dos naturais problemas geopolíticos e econômicos da União Europeia, estão alguns fatores novos que nunca estiveram antes no tabuleiro dos interesses internacionais sobre a Amazônia.

            A Europa teve sucessivas guerras no século passado. No final do mesmo século teve a união de todos os países debaixo de uma única federação. Eram países com forte identidade que tiveram que se submeter a um governo genérico. Isso não se dá em clima de plena paz social ou psicossocial. Tampouco política ou econômica.

Leia mais:  Mundo novo, novo mundo

            Mas esse clima conflituoso iniciado lá na primeira guerra mundial, em 1914, depois na segunda, em 1939 a 1945, deixou traumas que acabaram por abrir espaços psicossociais pra comportamentos novos construídos ao longo desses 74 anos do pós-guerra. Hoje gerações convivem com um traumatismo subconsciente de tantas tragédias humanas e culturais.

            São essas gerações que estão por detrás de novos comportamentos diversos,  mas tão convergentes. Estão preocupadas com o bem estar dos animais, com a água, com a floresta, com a Amazônia e com a alimentação. Navegam num profundo e misterioso mar de contradições. Mas sabem que caminham numa direção mal-compreendida pelas gerações mais veteranas.

            Não importam se na Amazônia não vivem elefantes e girafas. Lá vivem animais, reconhecem. Esses merecem a preservação, assim como qualquer árvore. Esse sentimento está também em seus países. É uma onda geracional de comportamento novo.

            É aqui que o Brasil deverá agir, se quiser sair desse abismo de queimador de florestas! Garantir a soberania da biosustentabilidade. Parece confuso. Mas não tem outro caminho. Soldados descendo de paraquedas não pra defender a linha demarcatória do território. Mas pra garantir a integridade da biodiversidade.

Leia mais:  O futuro da Amazônia

            Esta é a linguagem final que nos resta compreender. As gerações futuras não se importam com a posse do território. Querem que ele seja mantido íntegro como bioma e fonte de vida. Só isso!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]   wwwonofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
publicidade

Artigos

Nós contra nós mesmos

Publicado

Em 1950 0 Brasil perdeu o jogo final da Copa do Mundo para o Uruguai, por 1 a zero. E desabou! O jornalista Nelson Rodrigues, profundo conhecedor da alma brasileira escreveu: “O Brasil tem complexo de vira-latas”. Isso nunca mais mudou.

Hoje, o complexo está nas mínimas coisas e acabou com a nossa capacidade de enxergar as coisas boas de qualquer natureza. Nada é bom. Nada está bom. Nada será bom! A passagem da esquerda pelo governo desde 1995, acentuada recentemente, potencializou ao limite o complexo de vira-latas. Vai demorar muitos anos até que as gerações novas compreendam que a vida segue em ciclos e que os novos ciclos não são necessariamente iguais aos anteriores.

Essa introdução tem a ver com essa ressaca brasileira diante do futuro. A esquerda fez o seu papel. Quebrou a auto-estima. Agora, qualquer tentativa de crença, gera imediatamente um rancor que resume medo e falta de fé. Ou, pior, resulta em intolerância que é outra forma de manifestação do medo como sentimento coletivo.

Leia mais:  O futuro da Amazônia

Por que estou dizendo isso? Na semana passada assisti a uma série de quatro grandes palestras sobre economias setoriais e uma do professor Paulo Braga, da Fundação Dom Cabral, ex-consultor do Banco Mundial e professor da Universidade John Hoppkins, dos EUA, sobre macroeconomia global. A primeira, da professora Mariana Crespolini, diretora de Produção Sustentável e Irrigação, do Ministério da Agricultura. Umas leitura profunda do presente e do futuro, considerando todas as variáveis possíveis.  Seguiu-se Francisco Camacho, confinador de gado de MT comemorando 500 mil cabeças em  8 anos. Nas comemorações do 15º. aniversário do Shopping Pantanal, debates e discussões sobre o futuro do negócio shopping centers e sobre o varejo.

Em nenhuma das palestras a menor incerteza conjuntural. Todos certos de que o futuro será promissor no curto prazo. Mas na população o sentimento é de rancor, de medo e de intolerância. A leitura econômica do Brasil em relação ao mundo, é fantástica. Claro que há uma estrada a percorrer. Mas não tem muitas encruzilhadas e as pontes já foram construídas. Camacho e Mariana mostraram cenários realísticos e promissores na medida em que o país avança em reformas, etc. O mundo nos olha atento!

Leia mais:  Qual o efeito da blindagem?

A leitura do professor Paulo Braga foi uma cirurgia na visão do mundo atual e a dos próximos anos. O Brasil será protagonista. Queira ou não queira. Seu problema são os problemas internos. Falta de fé. Intolerância. Rancor. Ineficiência do Estado. Ineficiência dos poderes Legislativo, Judiciário e Executivo. Gastadores irresponsáveis. Castas demoníacas! Nos cenários do professor Braga, o mundo caminha pra se basear em três colunas: EUA, China e Brasil. De novo ressalvo: é um caminho a ser construído em tempos de profundas transformações.

Encerro com a frase que ouvi do executivo do Grupo Novo Mundo, empresa de varejo, no evento do Shopping Pantanal: “não vivemos uma época de transformações. Estamos vivendo a transformação de uma época!”.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]   www.onofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Perfil do prefeito de 2020

Publicado

Vou tentar relacionar uma série de fatos e aproximá-los da eleição de algumas prefeituras em Mato Grosso: Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Sorriso, Sinop, Primavera do leste, Agua Boa, Campo Verde. Mas existem outras igualmente se enquadrando no perfil tratado neste artigo.

A crise dos desmatamentos e dos incêndios na Amazônia trouxe o Brasil pra o cenário internacional mais do que estava. As respostas ambientais abrirão enorme credibilidade no mundo e o interesse por comprar produtos brasileiros. Aumentará mercados. O credenciamento de 7 frigoríficos bovinos estaduais à exportação pra China já reflete fortemente no preço da carne e nos mercados de gado bovino. A importação de grandes quantidades de soja pela China força o mercado interno brasileiro. A escala compensa os apertos de custos e lucros dos produtores. Tem mais: a produção de etanol de milho na região do Médio Norte tende a abrir imensos mercados. Exemplo: a China quer limpar a sua matriz energética suja de hoje causada pelo carvão que ela usa pra gerar energia elétrica. Será um enorme comprador no curtíssimo prazo.

Entra ainda a estabilização da economia brasileira, a queda nos juros, a entrada de capital externo no financiamento da produção agropecuária e os investimentos externos em consequência de tudo isso. Se passarem as reformas tributária a de modernização do Estado, mais o pacote anti-crime do ministro Sergio Moro, o Brasil vai receber grandes partidas de investimentos internacionais.

Leia mais:  Fim de muitas eras

Dito isso, vamos ao drama dos prefeitos dos municípios citados. Todos relacionados de algum modo com os cenários. Imaginemos Cuiabá e Várzea Grande. Sobre a capital pesará a carga de suporte de serviços em todas as áreas. Logo, o planejamento, hoje inexistente, passará a ser prioridade. Segundo, A gestão precisa sair da visão exclusivamente doméstica pra uma visão futurista e abrangente. Vejo candidaturas despontando e o discurso é o mesmo de sempre: pobre e vazio!

Em Várzea Grande o cenário é ainda mais pobre. Nos demais municípios, por estarem diretamente envolvidos nas transformações a sua tradição de eleger bons prefeitos é melhor do que na capital e nos municípios tradicionais.

Olhando pra qualquer direção, vê-se que Mato Grosso estará no radar de qualquer visão positiva de futuro no curtíssimo prazo. Logo, não cabem mais políticos paroquiais com o olho cravado no próprio umbigo. Ser prefeito de Cuiabá na próxima gestão é muito maior do que parece. É ser capaz de compreender o futuro próximo! E de dar respostas muito diferentes das que imaginam os possíveis candidatos.

Leia mais:  Qual o efeito da blindagem?

Onofre Ribeiro é jornalista em mato Grosso

[email protected]   www.onofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana