Momento Destaque

“Fui estuprada, drogada e sequestrada”, diz cantora sobre afastamento da mídia

Publicado


source

Famosa por interpretar a música Mercy , a cantora Duffy, de 35 anos, atualizou sua conta do Instagram, na última terça-feira (25), com um texto esclarecendo o motivo de ter ficado afastada da mídia por tantos anos. 

Leia também: Simony abandona cobertura de Carnaval ao vivo

Duffy arrow-options
Reprodução Instagram

Duffy

“Fui estuprada, drogada e mantida em cativeiro por vários dias”, contou a cantora em publicação na rede social. Sem apontar um responsável pelos crimes, Duffy declarou que é “emocionante e libertador” poder compartilhar o ocorrido, já que não há “forma tranquila” de lidar com o assunto.

Leia também: Pausa em show de Preta Gil preocupa fãs na Bahia; cantora esclarece estar bem

“Nos milhares de dias da última década eu me comprometi a voltar a desejar a luz em meu coração novamente. O sol agora brilha”, escreveu ela no Instagram .

“Por que não decidi usar minha voz para expressar minha dor? Não queria mostrar ao mundo a dor em meus olhos. Eu me perguntei: como posso cantar do fundo do coração se ele está partido?”, questionou.

A artista finalizou tranquilizando seus seguidores, dizendo que está segura, bem e que responderá mais perguntas em entrevistas marcadas para os próximos dias. “Peço que entendam que esta é uma decisão para mim mesma, e não quero que invadam a privacidade da minha família. Por favor, preciso de apoio para fazer disto uma experiência positiva”.

Leia também: Cantora exagera na bebida e sai carregada de camarote no Rio Janeiro

A cantora atingiu seu auge em 2008 com a música Mercy . O sucesso foi tão grande que seu álbum “Rockferry” ganhou o Grammy de 2009 como Melhor Álbum. 

Ver essa foto no Instagram

You can only imagine the amount of times I thought about writing this. The way I would write it, how I would feel thereafter. Well, not entirely sure why now is the right time, and what it is that feels exciting and liberating for me to talk. I cannot explain it. Many of you wonder what happened to me, where did I disappear to and why. A journalist contacted me, he found a way to reach me and I told him everything this past summer. He was kind and it felt so amazing to finally speak. The truth is, and please trust me I am ok and safe now, I was raped and drugged and held captive over some days. Of course I survived. The recovery took time. There’s no light way to say it. But I can tell you in the last decade, the thousands and thousands of days I committed to wanting to feel the sunshine in my heart again, the sun does now shine. You wonder why I did not choose to use my voice to express my pain? I did not want to show the world the sadness in my eyes. I asked myself, how can I sing from the heart if it is broken? And slowly it unbroke. In the following weeks I will be posting a spoken interview. If you have any questions I would like to answer them, in the spoken interview, if I can. I have a sacred love and sincere appreciation for your kindness over the years. You have been friends. I want to thank you for that x Duffy Please respect this is a gentle move for me to make, for myself, and I do not want any intrusion to my family. Please support me to make this a positive experience.

Uma publicação compartilhada por @ duffy em 25 de Fev, 2020 às 10:12 PST



Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
publicidade

Momento Destaque

Angústia: Cerca de 10 mil professores interinos terão seus contratos suspensos pelo Governo do Estado de Mato Grosso

Publicado

Cerca de 10 mil professores interinos terão os contratos suspensos pelo governo do Estado devido à pandemia do coronavírus. Nesta quarta-feira (1), deputados estaduais criticaram e cobraram da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para que os profissionais não fiquem sem renda.

“Não é justo, não concordo. O governo deve rever isso. Eu vou levar essa reivindicação para o governador Mauro Mendes”, cobrou o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM). Ele afirmou que vai levar a questão para o conhecimento do governador Mauro Mendes, do mesmo partido.

O deputado Lúdio Cabral (PT) criticou e pediu para o governo rever a suspensão dos contratos durante a sessão, onde outros deputados também abordaram o assunto.  Mais tarde em post no Instagram, o petista disse que são pelo menos 10 mil professores interinos que terão os contratos suspensos.

“É um contrassenso neste momento. Neste período, funcionários das empresas estão todos em casa e ninguém falou nada de não pagar salários. É um momento diferente e acho que o governo tem que rever isso, não é ir dizendo vai embora, quando puder a gente chama você, que história é essa?”, questionou Botelho.

“Quantas empresas que estão todos em casa. Então quer dizer que o governo pode fazer isso com os contratados, os efetivos estão em casa, recebendo normal. Eles porque são contratados são tratados dessa forma, não, tá errado. Tem que ter o mesmo tratamento”, disse o presidente do Parlamento.

“Quero dizer que fiz compromisso com o deputado (Valdir)Barranco de lutar em defesa de vocês. Eu fui professor contratado também, fui efetivo depois, mas o contratado, ele sofre muito. Ele recebe por último, quando tem qualquer dificuldade ele que é colocado nas ruas. É uma dificuldade atrás da outra. Eu acho um mau exemplo que o governo está fazendo de suspender o contrato dessas pessoas agora. Esse momento não é o momento disso. O governo, a Secretaria de Educação está no caminho errado. Vou estar com vocês nessa luta, nessa defesa”, disse Botelho.

“A cada ano, eles (professores) têm os contratos renovados. Por conta da greve do ano passado, que durou 75 dias, o ano letivo de 2020 tem dois calendários. Um que iniciou em fevereiro e outro que iria iniciar no dia 23 de março. Exatamente no dia em que se iniciou o isolamento social e a suspensão das aulas, daí os profissionais agora recebem está notícia”, reforçou o petista.

Segundo Lúdio Cabral, “os interinos dessas escolas atribuíram suas aulas na semana anterior e havia o compromisso da Seduc de assinar os contratos e colocar esses profissionais na folha de pagamento, mas de forma surpreendente a Seduc não assinou esses contratos e disse mais, que esses profissionais só terão seus contratos assinados depois que a pandemia acabar. Quer dizer, mais da metade dos interinos, seis mil trabalhadores que estão desde o mês de janeiro sem contrato, aguardando, foram pegos de surpresa com essa medida”.

Conforme Lúdio Cabral, não tem sentido essa medida. O pronunciamento do parlamentar foi reforçado por outros parlamentares.  Lúdio fez questão de destacar que essas aulas serão repostas depois do isolamento social. “Não tem sentido, o governo, com essa visão estreita, insensível, desumana, desamparar milhares de trabalhadores que são os contratados temporariamente”, disse.

 

Otavio V entureli(com Assessoria)

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Destaque

Polícia de Cuiabá prende “mosquito” tarado acusado de praticar crimes sexuais contra menores de idade, inclusive, em Lucas do Rio Verde MT

Publicado

E.H.L., 37, procurado pela Justiça por praticar uma série de crimes sexuais contra menores de idade, foi preso na última semana, durante passagem em Cuiabá. Somente em Várzea Grande, ele teria feito ao menos 12 vítimas.

De acordo com a delegada Mariel Antonini Dias, o homem reconhece ter abusado de 5 vítimas em Várze Grande. No entanto, as estimativas são maiores, e ele chegou a contatar menores de idade até mesmo no interior do estado, como Lucas do Rio Verde. Após ser solto, ele conseguiu furtar um celular.

Os crimes ocorriam pelo telefone. Ele fazia chamadas de vídeo com as vítimas e sob grave ameaça, elas eram obrigadas a praticar os atos para satisfazer a lascívia do maníaco. “Ele ligava, falava que era ‘curandeiro’ e que ia fazer ‘macumba’ contra elas. Se não atendessem o telefone, o cabelo ia cair, ou ficar paraplégica, porque ele conhecia gente que fazia feitiços”, comenta Mariel.

Além de aliciar as vítimas, ele as obrigava a fazer sexo com terceiros, o que configura como estupro de vulnerável por contemplação. “Algumas das vítimas, quando constrangidas por ele, faziam atos sexuais com terceiros, para que ele assistisse pelo outro lado. Ainda que não tenha contato, ele se satisfez com o crime”, explica a delegada.

Natural de Rio Branco (AC), E.H.L. tem um histórico de crimes por todo o país. Após ser solto, em apenas 30 dias de monitoramento, 12 vítimas foram identificadas.

Conhecido como “Maníaco do telefone” ou “Mosquito”, o homem já foi preso três vezes anteriores e está com mandado de prisão preventiva decretada pela Justiça, desde março de 2018.

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana