Momento Economia

Governo autoriza ocupação de produtores em polo de irrigação na Bahia

Publicado

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) autorizou a ocupação e a operação de produtores rurais nas etapas 1 e 2 do Projeto Público de Irrigação Baixio do Irecê, em Xique-Xique, na Bahia. O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, participou hoje (22) da solenidade de autorização no município baiano.

O empreendimento foi executado pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e é um dos projetos que integram o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo federal.

O perímetro de irrigação está instalado na região norte da Bahia, entre os municípios de Xique-Xique e Itaguaçu. As principais produções locais são algodão, cana-de-açúcar, frutas e legumes. As etapas 1 e 2 abrangem 16,5 mil hectares irrigáveis, divididos em 375 lotes individuais e empresariais.

Quando essas partes estiverem concluídas, o Baixio do Irecê tem previsão de produzir 16 mil toneladas de frutas e 83 mil toneladas de grãos. A expectativa é que o empreendimento tenha um valor bruto de produção anual de R$ 140 milhões e gere 20 mil empregos diretos e indiretos.

Leia mais:  São Paulo tem mais de 11,7 mil vagas de emprego abertas; encontre a sua

De acordo com o MDR, até agora o governo federal já investiu R$ 968,5 milhões para a aquisição de 93,5 mil hectares de área irrigável e de reserva legal e execução e manutenção das duas primeiras etapas do projeto.

A implantação da infraestrutura foi planejada para ocorrer em nove etapas. Quando concluído, o Baixio do Irecê terá incorporado 48 mil hectares irrigáveis ao processo produtivo agrícola na região do Médio São Francisco. Todo o empreendimento deverá beneficiar 250 mil pessoas e gerar 60 mil empregos diretos e 119 mil empregos indiretos.

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
publicidade

Momento Economia

Mega-Sena acumula e prêmio vai R$ 25 milhões; veja os números

Publicado

source
Mega-sena arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Prêmio acumulou e foi para R$ 25 milhões

O sorteio da Mega-Sena deste sábado (7) acumulou no concurso 2214. As dezenas sorteadas foram 04-10-18-30-34-47. Como nenhum jogador levou o prêmio desta vez, o valor pago para quem acertar todos os números vai passar de R$ 3 milhões para R$ 25 milhões .

No sorteio de hoje, 44 apostas foram premiadas na faixa da quina, que rendeu R$ 41.300,51 a cada uma delas. Já a quadra teve 3.223 apostas vencedoras, pagando R$ 805,47 por bilhete.

O próximo concurso da Mega-Sena é o de número e 2215 está marcado para quarta-feira (11). O concurso é realizado pela Caixa EconômicaFederal e pode pagar milhões ao sortudo que acertar as seis dezenas. Os sorteios ocorrem ao menos duas vezes por semana – normalmente, às quartas-feiras e aos sábados.

Leia também: Já imaginou ganhar a Mega-Sena? Veja como prêmios são pagos com segurança

O apostador também pode ganhar prêmios com valor mais baixo caso acerte quatro ou cinco números, as chamadas Quadra e Quina, respectivamente.

Na hora de jogar, o apostador pode escolher os números ou tentar a sorte com a Surpresinha – nesse modelo, o sistema escolhe automaticamente as dezenas que serão jogadas. Outra opção é manter a mesma aposta por dois, quatro ou até oito sorteios consecutivos, a chamada Teimosinha .

Leia mais:  Rodrigo Maia fala em votar reforma tributária em março de 2020

No último sorteio, realizado na última quarta-feira (4), o grande prêmio saiu depois de ficar acumulado por sete sorteios.  Uma aposta de São Gonçalo (RJ) acertou as seis dezenas e recebeu cerca de R$ 51 milhões.

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Economia

Sem ação ambiental, Usina de Itaipu teria menor vida útil, diz estudo

Publicado

Estudo apresentado hoje (7) pela Itaipu na Conferência Mundial do Clima (COP25), em Madri, mostrou que sem os mais de 100 mil hectares de áreas protegidas em torno da usina binacional, o reservatório localizado na fronteira entre Brasil e Paraguai receberia, a cada ano, sedimentos em um volume que encurtaria a vida útil da unidade. Os países deixariam de faturar bilhões de dólares com a venda de energia.

O estudo foi apresentado em evento promovido conjuntamente com o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Organização das Nações Unidas (Undesa).

“Para que Itaipu siga produzindo energia para ambos os países no longo prazo, é necessário que a empresa atue na gestão territorial para assegurar a qualidade e a quantidade de água. Cuidar do meio ambiente faz parte do nosso negócio”, disse o general Luiz Felipe Carbonell, diretor de Coordenação da Margem Brasileira da usina. 

Carbonell abriu o encontro com o diretor de Coordenação executivo da usina, o paraguaio Miguel Gómez Acosta, que destacou a importância de que a gestão ocorra de forma binacional, em ambas as margens do reservatório. “Graças a essa atuação da Itaipu, as áreas protegidas são hoje reconhecidas pela Unesco como Reserva da Biosfera e desempenham um papel na região que vai muito além de beneficiar a geração de energia.” 

Leia mais:  Superávit do Governo Central cai em outubro e chega a R$ 8,7 bilhões

A chefe de Mudança Climática e Biodiversidade, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Valerie Kapos, disse que exemplos como o de Itaipu demonstram como os serviços baseados na natureza podem contribuir para a longevidade e a minimização de riscos para os negócios. Acrescentou que o Pnuma vem trabalhando no desenvolvimento de orientações para a formulação de políticas públicas nessa área e que o caso de Itaipu deve contribuir para essa linha de atuação. 

O painel Soluções em água e energia e suas interconexões com serviços ecossistêmicos foi moderado pelo ministro da Transição Ecológica da Espanha, Manuel Menéndez, e aberto pelo secretário de Relações Internacionais do Ministério do Meio Ambiente do Brasil, Roberto Castelo Branco.

Estudos de caso

A discussão sobre serviços ecossistêmicos foi precedida de outro painel da Itaipu, que apresentou 17 estudos de casos mostrando como a empresa atua na promoção dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que compõem a Agenda 2030. 

O diretor do Instituto de Mudança Climática da Guatemala, Alex Guerra, que participou do painel, afirmou se tratar de uma grande oportunidade de mostrar boas práticas no contexto dos ODS, que contribuem tanto para o manejo da água e a geração de energia limpa, quanto para a conservação de ecossistemas, o sequestro de carbono e a qualidade de vida das comunidades, de forma interconectada.

Leia mais:  Já imaginou ganhar a Mega-Sena? Veja como prêmios são pagos com segurança

*Com informações de Itaipu

 

Edição: Graça Adjuto

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana