Internacional

Após suspensão de testes de Oxford, Rússia diz que Sputnik V é segura

Publicados

em


source
vacina da Rússia
Ministério da Saúde da Rússia

vacina da Rússia

Na última terça-feira (08), o Reino Unido anunciou a suspensão dos testes da vacina da Universidade de Oxford . Nesta quarta-feira (09), a Rússia defendeu a segurança de seu imunizante, a Sputnik V , ante os concorrentes e anunciou um acordo para fornecer 32 milhões de doses da vacina ao México . Isso equivale a 25% da população do país latino.

Kirill Dmitriev , responsável pelo fundo soberano de investimento na vacina russa , declarou que não comentaria a paralisação dos testes em Oxford . Todavia, pouco tempo depois, ele republicou uma crítica que fez a laboratórios que utilizam “tecnologias não comprovadas” para estimular uma resposta imune.

O imunizante britânico faz uso de adenovírus de macacos para levar código genético do Sars-CoV-2 ao paciente e estimular uma resposta. Já o produto russo, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, utiliza dois adenovírus humanos – prática mais aceita -, o Ad5 e o Ad26, em doses distintas.

Leia Também:  OMS: mortes por covid-19 podem dobrar para 2 milhões antes de vacina

Segundo a The Lancet , os russos acreditam que essa escolha lhes deram vantagem na corrida pela imunização mundial.

Vacinas da Rússia no México

A previsão é de que as entregas comecem a ser feitas em novembro de 2020, caso as autoridades locais aprovem a vacina . A distribuição vai ser feita com a farmacêutica mexicana Landsteiner Scientific.

Os russos dizem que 40 países já os consultaram sobre a vacina. No Brasil, há um acordo para testagem a ser realizada no Paraná com o governo do estado, e a Bahia também está fechando arranjo semelhante.

Fonte: IG Mundo

Propaganda

Internacional

Governo espanhol quer isolamento parcial de Madri

Publicados

em


.

O governo da Espanha recomendou a retomada de um isolamento parcial em toda a cidade de Madri para conter a disseminação do novo coronavírus, depois que autoridades municipais impuseram restrições somente em algumas áreas da região, disse o ministro da Saúde, Salvador Illa. 

“Essas são as medidas mínimas que temos que tomar para controlar a disseminação do vírus na cidade”, afirmou Illa em entrevista.

Um dos países europeus mais atingidos pela pandemia, a Espanha adotou um isolamento draconiano entre março e maio, impedindo as pessoas de saírem de casa. As restrições começaram a ser suspensas em estágios e por região, e foram totalmente descartadas no dia 21 de junho, mas a pandemia ressurgiu nas últimas semanas.

As autoridades da região de Madri determinaram um isolamento em 45 áreas, principalmente as mais pobres, onde o índice de contágio está acima de mil casos para cada 100 mil pessoas.

Em uma desavença aparente entre o governo nacional e as autoridades regionais, Illa anunciou suas recomendações em entrevista coletiva, ao mesmo tempo em que Madri anunciava medidas mais brandas que só cobrem algumas áreas da região.

Leia Também:  Governo espanhol quer isolamento parcial de Madri

O ministro disse que somente as autoridades regionais de Madri têm poder para tomar essa decisão.

As recomendações de um novo isolamento parcial impediriam as pessoas de deixar a cidade, mas elas poderiam sair de casa para ir ao trabalho e à escola. Os bares continuarão abertos, mas com certas limitações.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA