Internacional

Caso Breonna Taylor: decisão da Justiça gera protestos nos EUA

Publicados

em


source
A enfermeira Breonna Taylor, de 26 anos, foi morta durante abordagem policial.
Reprodução/Facebook

A enfermeira Breonna Taylor, de 26 anos, foi morta durante abordagem policial.

Na noite da última quarta-feira (23), ruas de diferentes estados americanos foram ocupadas por manifestantes que protestavam contra a decisão da Justiça sobre o caso da afro-americana Breonna Taylor .

A enfermeira Breonna Taylor, de 26 anos, foi morta em uma abordagem policial no dia 13 de março. Os agentes foram até a casa dela em um mandado de busca e apreensão de drogas, que era destinado ao ex-namorado da mulher. Nenhum entorpecente foi encontrado.

Taylor e o namorado, Kenneth Walker, estavam dormindo quando ouviram um barulho na porta. Walker reagiu com um disparo e os policiais invadiram a residência atirando cerca de 16 vezes. Durante o tiroteio , Breonna foi atingida e morreu .

Nenhum dos três policiais envolvidos foi acusado diretamente pela morte da enfermeira.

Leia Também:  EUA convidam Brasil para integrar o programa espacial Artemis

O júri de Kentucky concluiu que os policiais agiram em legítima defesa. Apenas um deles foi indiciado por ação temerária, pois teria colocado a vizinhança de Breonna Taylor em perigo.

Em Louisville , no estado de Kentucky, dois policiais foram baleados e ficaram feridos durante as manifestações. Também foram presas 127 pessoas.

O presidente Donald Trump declarou que está rezando pelos dois agentes atingidos e ofereceu ajuda do governo federal ao estado. 

Os protestos se estenderam a outras cidades, como Washington, Nova York, Atlanta, Portland e Seattle. Os manifestantes pedem justiça por Breonna Taylor e que os policiais sejam presos.

Fonte: IG Mundo

Propaganda

Internacional

Eleitores democratas recebem e-mails com ameaças para votar em Donald Trump

Publicados

em


source
Donald Trump é do Partido Republicano.
Alex Brandon/Divulgação

Donald Trump é do Partido Republicano.

Autoridades do estado da Flórida, nos Estados Unidos , estão investigando e-mails que exigem que os destinatários votem no republicano Donald Trump para presidente. As mensagens seriam supostamente enviadas pelo grupo supremacista branco “Proud Boys”. As informações foram dadas pela Veja .

“Temos todas as suas informações. Você está registrado como democrata (…) Vai votar em Trump no dia das eleições ou vamos atrás de você”, dizem os e-mails, que identificam o destinatário com nome e endereço.

“Saberemos em qual candidato você votou. Eu, no seu lugar, levaria isto muito a sério”, ameaça a mensagem.

O caso está sendo investigado pela polícia do condado de Alachua, pela autoridade eleitoral da Flórida e pelo FBI.

Leia Também:  EUA convidam Brasil para integrar o programa espacial Artemis

“Este e-mail parece ser uma fraude e vamos iniciar uma investigação sobre sua origem com a assistência de nossos parceiros em nível federal”, declarou a polícia através do Facebook.

De acordo com um jornal local, alunos da Universidade da Flórida receberam os e-mails com um remetente que utilizava o nome dos “Proud Boys”, grupo supremacista branco que recentemente foi mencionado em debate presidencial. Na ocasião, Trump se recusou a condenar a entidade.

Nesta quarta-feira (21), Enrique Tarrio, líder dos ” Proud Boys “, disse que o grupo não é responsável pelo envio das mensagens.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA