Internacional

Com 41 anos, pinguim bate recorde de idade e entra para o Guinness

Publicados

em


source
Pinguim 41 anos
Reprodução/Guinness World Records

Expectativa de vida dos pinguins na natureza é de 15 a 20 anos. Em cativeiro, o número sobe para 30.

Um pinguim fêmea chamado Olde, que significa “bisavó” em dinamarquês, bateu o recorde de longevidade e entrou para o Guinness World Records como o pinguim criado em cativeiro mais velho do mundo, com 41 anos e 141 dias completados no dia 4 de outubro. Ele vive no zoológico de Odense, na Dinamarca .

Olde é uma fêmea da espécie pinguim-gentoo, que é nativa da Península Antártica e das ilhas subantárticas. Na natureza, eles costumam viver entre 15 e 20 anos. Quando criados em cativeiro, podem chegar até os 30 anos de idade. O último pinguim que chegou aos 40 anos de idade era uma fêmea-africana chamada Tess, que morreu em 2015 nos Estados Unidos.

Leia Também:  Covid-19 pressiona Reino Unido a seguir lockdowns de França e Alemanha

Ela nasceu em 1979 no Zoológico de Edimburgo, na Escócia. Depois disso, foi transferida para Montreal, no Canadá, onde ficou por 23 anos. Desde 2003, vive no zoológico dinamarquês. Ao longo de seus 41 anos, Olde contribuiu para a reprodução da espécie, se tornando tataravó em 2020.

Fonte: IG Mundo

Propaganda

Internacional

Glenn Greenwald anuncia saída do “The Intercept” e acusa site de censura

Publicados

em


source
Glenn Greenwald
Agência Pública

Glenn Greenwald

Glenn Greenwald , jornalista americano, anunciou sua saída do The Intercept , site que ajudou a fundar em 2013, na tarde desta quinta (29) por meio de uma nota oficial.

Segundo Glenn, o motivo de sua saída ocorreu por conta de censura de editores do site, que recusaram a postagem de uma coluna em que o jornalista criticava o democrata Joe Biden, candidato à presidência dos Estados Unidos.

Confira a nota publicada por Glenn Greenwald:

Leia Também:  Alemanha decreta lockdown parcial para conter avanço da Covid-19


 “A causa final (da saída) foi que os editores do The Intercept, violando meu direito contratual de liberdade editorial, censuraram um artigo que escrevi nesta semana, se recusando a publicar a não ser que eu removesse todas as partes em que o candidato democrata Joe Biden era criticado, já que todos os editores novaiórquinos do Intercept envolvidos nesa supressão apoiam veementemente o candidato”, afirmou na nota.

Glenn afirma que nesta coluna seriam revelados emails e depoimentos de testemunhas que levantariam dúvidas acerda da conduta de Biden:

“O artigo censurado, com base em e-mails revelados recentemente e depoimentos de testemunhas, levantou questões críticas sobre a conduta de Biden. Não contentes em simplesmente impedir a publicação deste artigo no meio de comunicação que eu co-fundei, esses editores da Intercept também exigiram que eu me abstivesse de exercer um direito contratual separado de publicar este artigo com qualquer outra publicação”, completa Greenwald.

O jornalista ganhou notoriedade no Brasil após a versão brasileira do Intercept publicar diversas conversas do ex-ministro Sérgio Moro e do ex- procurador da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol , as matérias foram intituladas de ” Vaza Jato” .

Leia Também:  Faltando uma semana para a eleição, vantagem de Biden é a maior em 24 anos


Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA