Internacional

Estudo diz que vacina usada no Japão imuniza contra variantes

Publicados

em


Estudo realizado no Japão indica que cerca de 90% de mais de uma centena de pessoas nas quais foram aplicadas duas doses de vacina para o novo coronavírus apresentaram anticorpos considerados eficazes na imunização contra variantes.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Municipal de Yokohama examinou amostras de sangue de 105 profissionais de saúde no Japão que receberam duas doses da vacina Pfizer–BioNTech entre março e abril.

Constatou-se que 89% dos indivíduos apresentaram quantidade suficiente de anticorpos tidos como eficazes contra sete variantes do novo coronavírus propagadas no Reino Unido, na África do Sul, no Brasil e em outros países.

Epidemiologistas dizem que vacinas disponíveis atualmente podem ter sobre algumas variantes um efeito menor do que sobre a cepa original.

A equipe japonesa afirma que 94% dos indivíduos incluídos no estudo tiveram uma quantidade suficiente de anticorpos considerados eficazes contra a variante britânica; 90% contra a cepa da África do Sul; 94% contra a do Brasil; e 97% contra a da Índia. Acrescenta que 99% apresentaram em quantidade suficiente anticorpos tidos como eficazes contra a cepa original.

Leia Também:  Agente de segurança é condenado por matar gatos em série na Inglaterra

O professor Yamanaka Takeharu, um dos integrantes da equipe, interpreta os resultados como uma mostra de que, com o recebimento das duas doses, as pessoas possam obter anticorpos neutralizantes contra variantes conhecidas atualmente. Ele adverte, porém, que nem todos os vacinados apresentaram uma contagem suficiente de anticorpos neutralizantes.

Yamanaka informou, ainda, que a equipe incluirá no estudo um número maior de pessoas para a coleta de mais dados.

Propaganda

Internacional

Homem centenário que atuou em campo de concentração vai a julgamento na Alemanha

Publicados

em


source
Campo de concentração em Sachsenhausen, na Alemanha
Reprodução

Campo de concentração em Sachsenhausen, na Alemanha

Um homem de 100 anos que atuou como guarda no campo de concentração nazista Sachsenhausen, próximo de Berlim, na Alemanha , será julgado como cúmplice pela morte de 3.518 pessoas. A informação foi divulgada no domingo pelo jornal alemão Welt. A publicação confirmou que o processo deve começar em outubro deste ano.

A identidade do réu não pode ser revelada por questões legais. Apesar da idade avançada, ele deve comparecer às sessões na corte distrital da cidade Neuruppin, no estado de Brandenburg. O presidente do tribunal, Frank Stark, estima que o acusado deve permanecer no local por até duas horas e meia a cada dia de julgamento.

Para o advogado Thomas Walther,  que atua em demandas conjuntas de processos contra nazistas e também está envolvido no julgamento de Neuruppin, a ação realizada 76 anos após o fim da Segunda Guerra é “necessária”.

A acusação foi apresentada em fevereiro. De acordo com a emissora pública de televisão NDR, a denúncia ressalta que o ex-guarda contribuiu “material e intencionalmente” para os assassinatos durante os anos de 1942 e 1945, quando trabalhou no local.


Construído em 1936, Sachsenhausen se tornou conhecido por ter sido palco dos primeiros experimentos para o assassinato em massa de prisioneiros em câmaras de gás. Estima-se que até 200 mil prisioneiros tenham sido enviados à força para o campo até 1945.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA