Internacional

Ex-primeiro ministro da Itália, Berlusconi é internado com sintomas de Covid-19

Publicados

em


source
Silvio Berlusconi
AP

Berlusconi foi internado nesta sexta-feira por Covid-19


O ex-primeiro-ministro da  Itália Silvio Berlusconi, 83 anos, foi internado no Hospital San Raffaele, um dos mais renomados de Milão, após o surgimento de sintomas da Covid-19 , doença provocada pelo novo coronavírus.


Segundo comunicado da equipe do ex-premiê, a internação é uma medida de “precaução”, e seu quadro clínico não causa preocupações. Berlusconi chegou ao hospital por volta de meia-noite desta sexta-feira (4) e caminhando normalmente.

Os exames constataram a existência de uma pneumonia bilateral (ou seja, que afeta os dois pulmões), mas ainda em estado precoce. Berlusconi estava em isolamento em sua mansão em Arcore desde a última quarta-feira (2), quando foi diagnosticado com o novo coronavírus.

Na tarde de quinta (3), participou por telefone de um evento de seu partido, o conservador Força Itália (FI), e disse que se sentia “muito bem” e que teria presença ativa na campanha para as eleições regionais de 20 e 21 de setembro. Sua namorada, a deputada Marta Fascina, e seus filhos Barbara e Luigi também testaram positivo.

Leia Também:  Madri adotará isolamentos específicos contra covid-19 na sexta-feira

“Berlusconi passou bem a noite, foi necessária uma pequena internação por precaução, justamente para monitorar melhor o andamento da Covid”, disse a senadora do FI Licia Ronzulli em entrevista à emissora pública Rai.

Há pouco mais de quatro anos, Berlusconi foi internado no mesmo Hospital San Raffaele para uma delicada cirurgia de substituição de uma válvula aórtica.

Histórico

Empresário bem sucedido no ramo imobiliário, Berlusconi entrou para a política no início da década de 1990, quando a Itália enfrentava um clima de descrença geral devido à investigação “Mãos Limpas”, que desbaratou um esquema de corrupção endêmica nos principais partidos do país.

Com um discurso liberal, Berlusconi cativou o eleitorado e conseguiu se eleger primeiro-ministro, mas nunca com maioria suficiente para governar sozinho. Por isso, seus mandatos (1994-1995, 2001-2006 e 2008-2011) sempre foram marcados pela instabilidade e pela ausência de reformas.

Nos anos 2000, começaram a surgir nas páginas dos jornais notícias sobre as festanças com prostitutas que Berlusconi promovia em suas mansões, apelidadas de “bunga-bunga”. A presença de menores de idade nesses “jantares” atraiu a atenção do Ministério Público e deu início a uma série de inquéritos contra Berlusconi.

Leia Também:  Policiais alemães são acusados de compartilhar material nazista

Contudo, no fim das contas, o ex-premiê acabou condenado em definitivo apenas por fraude fiscal, após um esquema de sonegação de impostos envolvendo seu conglomerado de mídia. Emitida em 2013, a sentença levou à cassação do seu mandato de senador no fim do mesmo ano, tornando-o inelegível até 2019.

Berlusconi trabalhou por um ano em um asilo para descontar a pena e hoje, de volta à vida pública, exerce o cargo de deputado do Parlamento Europeu. No entanto, o ex-primeiro-ministro ainda responde a diversos processos por corrupção de testemunhas, acusado de ter subornado garotas de programa para mentir nos tribunais em seu favor.

Fonte: IG Mundo

Propaganda

Internacional

Prisioneiro fugitivo tentou se entregar sete vezes, diz tribunal do Reino Unido

Publicados

em


source
polícia
Loop Images Ltd/Alamy

Um porta-voz da polícia disse que uma análise inicial não encontrou nenhum registro de Uddin ter comparecido à delegacia de polícia de Lewisham nas datas fornecidas


A polícia metropolitana do Reino Unido recebeu ordem para abrir um inquérito depois de um tribunal ouvir que um prisioneiro fugitivo , preso por crimes com armas de fogo, passou um mês tentando se entregar , mas suas tentativas foram, repetidamente, recusadas.


Akram Uddin admitiu ter descumprido o regime semi-aberto  para ver sua mãe, do dia 17 de junho. Segundo sua defesa, durante a audiência de condenação nesta sexta-feira (18), ele pediu sete vezes à polícia que o detivessem por isso. Mas, nas sete vezes, eles se recusaram.

“Este caso, mais do que qualquer outro que ouvi ou estive envolvido em minhas últimas duas décadas de prática, talvez ilustre a extensão da decadência administrada do sistema de justiça criminal”, disse o advogado de Uddin, Liam Walker.

Leia Também:  Ex-modelo acusa Donald Trump de abuso sexual; entenda

O defensor detalhou várias tentativas que tanto ele quanto seu cliente fizeram para que a prisão acontecesse em uma delegacia de polícia no sudeste de Londres. O rapaz entrou pela primeira vez no local em 13 de julho, mas foi ignorado.

A última tentativa de Uddin foi em 13 de agosto, mas ele foi informado que teria que voltar à delegacia apenas seis dias depois. Um dia antes disso, porém, ele acabou sendo preso .

“É absolutamente surpreendente que, quando Uddin pediu para ser levado de volta à custódia, ele foi ignorado. Há pouco mais que um prisioneiro fugitivo pode fazer do que instruir seu advogado de que ele está indo para uma delegacia de polícia específica, comparecer a essa delegacia com uma bolsa, dizer que  fugiu da prisão, dar todos os detalhes, pedir para ser preso e levado de volta”, afirmou o advogado do rapaz.

“Parafraseando mal Oscar Wilde: ‘Deixar de lado a oportunidade de prender um prisioneiro fugitivo uma vez pode ser considerado uma desgraça, deixar de lado essa oportunidade sete vezes é um desastre total.”

Leia Também:  Policiais alemães são acusados de compartilhar material nazista

O juiz, Charles Gratwicke, exigiu que a polícia local conduzisse uma investigação e apresentasse suas conclusões ao tribunal em 28 dias. Ele disse a Uddin que não tinha motivos para duvidar de que fazia esforços para se entregar, embora não fizesse nenhuma observação em relação à cronologia que seus advogados delinearam. 

“Estamos cientes das alegações feitas em mitigação durante a condenação de Akram Uddin no tribunal na sexta-feira, 18 de setembro”, disse um porta-voz da polícia. “Depois de tomar conhecimento dos comentários feitos no tribunal, estamos conduzindo uma investigação  para apurar os fatos dessas ações.”

“Se um indivíduo comparecesse a uma delegacia de polícia na área da polícia metropolitana para confirmar que era procurado por um crime, seu nome seria colocado no sistema nacional da polícia para confirmar isso. Após uma revisão inicial em nossos sistemas, não há registro de que um Akram Uddin tenha comparecido à delegacia de polícia de Lewisham em datas entre 13 de julho e 13 de agosto”, acrescentou. 

Uddin foi condenado a quatro meses por fugir da prisão.






Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA