Internacional

FMI: retomada econômica mais ágil pode somar US$ 9 tri à renda global

Publicados

em


Acelerar a recuperação da recessão causada pelo coronavírus pode adicionar US$ 9 trilhões de dólares à renda global até 2025, disse nesta quinta-feira (15) a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva. De acordo com ela, isso depende de uma forte cooperação internacional, incluindo vacinas.

Em entrevista coletiva após uma reunião do comitê diretor do FMI, Kristalina Georgieva pediu a Estados Unidos e China que mantenham um forte estímulo econômico que possa ajudar a impulsionar a recuperação global.

“Se conseguirmos progredir rapidamente em todos os lugares, poderemos acelerar a recuperação. E podemos adicionar quase US$ 9 trilhões à renda global até 2025, o que, por sua vez, poderia ajudar a diminuir a diferença de renda entre as nações mais ricas e mais pobres”, disse a diretora do FMI.

“Precisamos de forte cooperação internacional, e isso é mais urgente hoje para o desenvolvimento e distribuição de vacinas”, acrescentou.

O acesso equitativo e econômico a tratamentos e vacinas para a covid-19 em todo o mundo será a chave para evitar uma recuperação econômica que deixe “cicatrizes duradouras”, diz comunicado do Comitê de Aconselhamento.

Leia Também:  Total de mortos por terremoto na Turquia pode passar de seis

Mais participantes

Segundo o comitê, a participação dos credores privados e dos credores bilaterais oficiais no alívio da dívida dos países pobres é essencial. Para Kristalina Georgieva, a participação do setor privado ainda é necessária e continua sendo uma questão pendente.

O G20 (grupo formado pelas principais economias do mundo) aprovou na quarta-feira (14) uma prorrogação de seis meses, até meados de 2021, da Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI, na sigla em inglês), que congela os pagamentos da dívida bilateral oficial, e disse que consideraria uma nova extensão de seis meses em abril. No entanto, credores privados e os de fora do Clube de Paris não estão participando totalmente.

“Estamos decepcionados com a ausência de progresso na participação dos credores privados no DSSI e os encorajamos fortemente a participar em termos comparáveis ​​quando solicitados pelos países elegíveis”, disse o comitê, ao mesmo tempo que estimulou “a plena participação dos credores bilaterais oficiais”.

Propaganda

Internacional

Filhos com deficiência mental viviam há dois anos com o cadáver da mãe em casa

Publicados

em


source
laronda
Reprodução/ News 4 Nashville

Laronda Jolly, de 56 anos, estava morta há dois anos no apartamento em que os filhos moravam


Os policiais da cidade de Nashville, no Tennesse (EUA), encontraram o corpo de uma mãe de família em decomposição há mais de dois anos dentro do apartamento em que ela vivia com os quatros filhos. Os irmãos, que são adultos com deficiência intelectual, viviam desde 2017 com o corpo da mãe apodrecendo no quarto.


As autoridades encontraram o corpo de Laronda Jolly, de 56 anos, coberto por uma pilha de roupas. Depois de dois anos em decoposição, restou apenas o tecido ósseo . As informações reveladas pelo canal WTVF indicam que o cadáver só foi encontrado por que o proprietário da casa expediu uma ordem de despejo contra os filhos, que não pagavam o aluguel, aproximadamente, desde a morte da mãe.

Leia Também:  Covid-19 pressiona Reino Unido a seguir lockdowns de França e Alemanha

Outros familiares relataram às televisões locais que a família era incomunicável e todas as vezes que ligavam para o apartamento os filhos diziam que a mãe “estava dormindo”.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA