Internacional

Mapa interativo mostra como era o lugar onde você mora há milhões de anos; veja

Publicados

em


source
mapa
Reprodução

Onde a cidade de Nova York estava na Terra há 750 milhões de anos, de acordo com o mapa da Terra Antiga


Um paleontólogo da Califórnia, nos EUA, criou um mapa interativo que permite que as pessoas vejam o quanto suas cidades natais se moveram ao longo de 750 milhões de anos de deriva continental.


O mapa online , desenhado por Ian Webster, apresenta uma série de ferramentas que também tornam mais fácil descobrir mais sobre a Terra , como onde viveram os primeiros répteis ou quando a primeira flor floresceu.

“Isso mostra que nosso ambiente é dinâmico e pode mudar”, disse Webster, 30. “A história da Terra é mais longa do que podemos conceber. E o arranjo atual de placas tectônicas e continentes é um acidente do tempo. Será muito diferente no futuro, e a Terra pode sobreviver a todos nó s.”

Leia Também:  Primeiro paciente curado de HIV morre após reincidência de câncer

Webster construiu o mapa como um aplicativo da web que fica em cima de outro mapa que visualiza modelos geológicos criados pelo geólogo e paleogeógrafo Christopher Scotese. Os modelos de Scotese descrevem o desenvolvimento das placas tectônicas desde 750 milhões de anos atrás, não muito depois que as algas verdes surgiram nos oceanos da Terra.

Centenas de milhões de anos

O site também utiliza GPlates, um software usado por geólogos para visualizar reconstruções de placas tectônicas e dados associados ao longo do tempo geológico.

A visualização do mapa permite que os usuários insiram sua localização e, em seguida, conecta essa informação em modelos de placas tectônicas. O resultado é que os usuários podem ver onde as cidades estavam localizadas há centenas de milhões de anos . Por exemplo, você pode ver onde a cidade de Nova York estava localizada no supercontinente Pangea.

“Meu software ‘geocodifica’ a localização do usuário e, em seguida, usa os modelos (de Scotese) para executar sua localização retroativamente no tempo “, explicou Webster. “Eu mesmo construí a visualização do globo interativo e a integração de geocodificação e GPates para que as pessoas pudessem se conectar em seus próprios locais.”

Leia Também:  Tanque de vinho explode e derrama 50 mil litros da bebida; veja o vídeo

Dinossauros

Ao pesquisar um local no mapa, o globo 3D giratório do site indicará onde essa área estava localizada na Terra milhões de anos atrás. O mapa vai até mostrar aos usuários o que os dinossauros viviam nas proximidades da área que pesquisam.

O mapa ilustra dados científicos complexos e interessantes de uma forma interativa e fácil de usar para que professores, professores e qualquer pessoa interessada na história e nas ciências da Terra possam aprender, disse Webster.
“O objetivo é despertar o fascínio e, com sorte, o respeito pelos cientistas que trabalham todos os dias para entender melhor nosso mundo e seu passado”, disse ele.

“Ele também contém surpresas divertidas, por exemplo, como os EUA costumavam ser divididos por um mar raso, e como a Flórida costumava ser submersa.”

Fonte: IG Mundo

Propaganda

Internacional

Genes neandertais aumentam o risco de Covid-19, afirma novo estudo

Publicados

em


source
1
Nikola/Divulgação

Imagem retrata neandertais em exposição em museu da Croácia


Cientistas afirmam que um  traço de DNA , passado dos neandertais para os humanos modernos, pode triplicar o risco de se desenvolver a forma mais grave da Covid-19 . Cerca de 16% dos europeus e metade dos sul-asiáticos são portadores desse legado genético de mais de 50 mil anos. O estudo foi publicado na revista científica Nature.


As origens dos genes de risco vieram à tona quando pesquisadores na Suécia e na Alemanha compararam o DNA de pacientes infectados com o de neandertais. O trecho de DNA que torna os pacientes mais propensos a adoecer gravemente é muito semelhante ao coletado de um neandertal na Croácia.

“Quase caí da cadeira, porque o segmento de DNA era exatamente o mesmo do genoma do neandertal”, diz Hugo Zeberg, professor assistente do Instituto Karolinska em Estocolmo.

Leia Também:  Ex-policial indiciado pela morte de Breonna Taylor diz ser inocente

Zeberg e seu parceiro, Svante Pääbo, diretor do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, suspeitam que os genes neandertais persistiram nos humanos modernos porque já foram benéficos, talvez ajudando a combater outras infecções. Só agora – quando confrontado com uma nova infecção – é que seu lado negativo foi exposto .

Não está claro como os genes podem piorar a Covid-19, mas um gene desempenha um papel na resposta imunológica, impedindo que vírus invadam as células humanas. “Estamos tentando identificar qual é o gene-chave, ou se existem vários genes-chave, mas a resposta é que não sabemos quais são os críticos na Covid-19 “, declara Zeberg.

Além dos genes de risco da Covid-19, os neandertais legaram outros aos humanos modernos. Alguns aumentam a sensibilidade à dor, enquanto outros reduzem o risco de aborto espontâneo. “Alguns são benéficos e outros prejudiciais”, afirma Zeberg. “São como uma faca de dois gumes.”

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA