Internacional

OMS fará testes para avaliar outros possíveis tratamentos da covid-19

Publicados

em


A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta sexta-feira (16) que avaliará anticorpos monoclonais e outros medicamentos antivirais em seu teste de tratamentos com potencial para enfrentar a covid-19, depois que seu estudo revelou que o remdesivir, da Gilead, não teve impacto nas taxas de sobrevivência.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse em entrevista coletiva que o teste chamado Solidariedade continuará, depois de ser lançado em março em 500 hospitais em 30 países para avaliar a eficácia do remdesivir e vários outros medicamentos em pacientes com covid-19.

“O teste Solidariedade ainda está recrutando cerca de 2 mil pacientes todos os meses e vai avaliar outros tratamentos, incluindo anticorpos monoclonais e novos antivirais”, disse Tedros em entrevista coletiva.

O teste Solidariedade estava no foco de uma discussão desta sexta-feira entre a OMS e a Gilead, empresa norte-americana que desenvolveu o remédio remdesivir, que disse que as conclusões do teste da OMS pareciam inconsistentes com as evidências de outros estudos.

Leia Também:  Imagens de cemitérios feitas por satélite mostram efeitos da Covid-19 no Iêmen
Propaganda

Internacional

Trump cancela festa “eleitoral” que aconteceria em Washington

Publicados

em


source
Trump em uma das poucas vezes que foi visto utilizando máscara
EPA/BBC

Trump em uma das poucas vezes que foi visto utilizando máscara

O presidente Donald Trump deveria comparecer ao Trump International Hotel na noite da eleição, mas cancelou os planos e provavelmente estará na Casa Branca, informou o New York Times nesta sexta-feira (30).

Conselheiros disseram ao Times que Trump iria aparecer no hotel em Washington para uma festa na noite da eleição – sua campanha tinha até distribuído várias solicitações de arrecadação de fundos para seus apoiadores. Pelo menos uma das solicitações incluía uma imagem do presidente Trump e da primeira-dama Melania Trump, e as palavras: “Junte-se a nós na noite das eleições”.

“O dia 3 de novembro ficará para a história como a noite em que ganhamos mais quatro anos. Será absolutamente fantástico, e a única coisa que poderia torná-lo melhor é ter você lá”, dizia.

Leia Também:  EUA votam plebiscitos sobre aborto e escravidão, além de escolher o presidente

Trump já havia elogiado seus comícios bem frequentados, onde poucos usam máscaras e que, às vezes, precederam novos surtos de infecções por Covid-19.

No mês passado, o presidente realizou uma cerimônia para a então indicada à Suprema Corte, a juíza Amy Coney Barrett, que os especialistas em saúde pública chamaram de “evento superspreader” depois que vários participantes, incluindo o presidente, relataram ter contraído a doença dias após a cerimônia.

A mudança nos planos para a noite da eleição ocorrem porque alguns democratas levantaram questões sobre a “junção” dos negócios de Trump com seu cargo como presidente – e a mudança para sediar um evento em seu hotel em Washington provavelmente reforçaria essas preocupações, aponta o Times.

As preocupações não são infundadas – em 2018, Trump chamou seu clube privado Mar-a-Lago de “a Casa Branca do Sul”, de acordo com o Washington Post .

O encontro também poderia levantar questionamentos acerca da violação das restrições de Washington contra a disseminação do novo coronavírus; por lá, estão permitidas reuniões com, no máximo, 50 pessoas. Além disso, a festa teria que ser paga pela campanha, que vem enfrentando uma crise financeira nas últimas semanas. Procurado, um porta-voz de Trump não quis comentar a decisão.

Leia Também:  Total de mortos por terremoto na Turquia pode passar de seis
Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA