Internacional

Polícia dos EUA mata homem suspeito de ter assassinado apoiador de Trump

Publicados

em


source
homem de capuz
Reprodução de vídeo do YouTube

Michael foi morto pela polícia

A polícia norte-americana matou na noite desta quinta-feira (4) um homem identificado como Michael Forest Reinoehl, 48 anos,  principal suspeito de ter atirado e matado um representante do grupo de extrema-direita Patriot Prayer no último sábado (29) em Portland.

Segundo diversos veículos da mídia norte-americana, Reinoehl foi morto durante um confronto com os policiais em Lacey, cidade próxima a Seattle. Ele tinha um mandado de prisão em aberto e teria resistido à prisão.

O extremista Aaron J. Danielson foi morto com um tiro no peito nas ruas de Portland. A cidade vem registrando protestos diários antirracismo, mas nas últimas semanas, grupos ultraconservadores também fazem manifestações na cidade defendendo os policiais e o governo do presidente Donald Trump – e sempre aparecem fortemente armados. O que provocou a morte, de fato, ainda está sendo investigado.

Leia Também:  Trump ou Biden: qual cenário é melhor para o Brasil?

Mas, o mais provável é que tenha ocorrido uma briga entre membros dos dois grupos. A morte de Danielson fez Trump usar massivamente o Twitter para atacar o governo da cidade, que é democrata, por mais de 90 vezes.

Nesta quarta-feira (02), Trump ordenou que o governo identifique o que ele chama de “jurisdições anárquicas” e determinou o corte do repasse de fundos para os governos municipais – Portland seria uma das cidades afetadas.

Os protestos na cidade do Oregon começaram no fim de maio, assim como ocorreu em todo o país, após a brutal morte do homem negro George Floyd pelo policial branco Derek Chauvin. Eles voltaram a ganhar força há cerca de duas semanas, após outra abordagem policial violenta contra Jacob Blake – acertado por sete tiros à queima-roupa ao entrar em seu carro após separar uma briga entre duas mulheres na calçada de um bairro de Kenosha.

A cidade de Wisconsin vem sendo usada como palco político também, em vista das eleições presidenciais de novembro. Nesta quinta, o candidato democrata Joe Biden visitou o local e conversou com familiares de Blake e da comunidade. Dois dias antes, Trump foi a Kenosha e anunciou uma verba milionária para a polícia e para retomar e reconstruir a economia em vista dos estabelecimentos destruídos durante protestos.

Leia Também:  Protestos contra monarquia ganham força na Tailândia

Fonte: IG Mundo

Propaganda

Internacional

Mulher é presa por suspeita de enviar carta com veneno à Casa Branca

Publicados

em


source
casa
Pixabay / Creative Commons

Envelope com ricina foi enviado para a Casa Branca

Uma mulher não identificada foi presa neste domingo (20) na fronteira do Canadá com os Estados Unidos por suspeita de enviar um envelope com ricina, um poderoso veneno, para a Casa Branca .

Segundo o canal britânico BBC, a mulher estava em área de fronteira em Buffalo, Nova York, tentando entrar no país norte-americano pelo Canadá. Ela estaria armada e teria enviado os envelopes do país vizinho.

Ela era investigada pelo FBI, que detectou a presença da ricina nos envelopes antes que eles chegassem aos destinos. Além de enviar a correspondência à Casa Branca, ela também teria enviado o veneno para uma prisão e para o escritório de um xerife no Texas.

Leia Também:  TikTok move processo para tentar reverter banimento nos EUA

A mulher está sob custódia da polícia e deve passar por julgamento.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA