Internacional

UE: líderes se reúnem para dar status de candidata à Ucrânia ao bloco

Publicados

em

source
Os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, durante encontro em Kiev, em 8 de abril
Ansa

Os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, durante encontro em Kiev, em 8 de abril

Os líderes dos 27 países da União Europeia se reúnem entre esta quinta (23) e sexta-feira (24), em Bruxelas, para dar o status de candidata à Ucrânia, que pediu sua entrada ao bloco após a invasão promovida pela Rússia.

A Comissão Europeia, poder Executivo da UE, já recomendou o início formal do processo de adesão, mas a decisão final cabe ao Conselho Europeu.

“É um momento decisivo para a União Europeia, estou confiante que hoje daremos o status de candidata à Ucrânia e à Moldávia e expressaremos uma forte perspectiva europeia para a Geórgia”, disse o presidente do órgão, Charles Michel, antes do início da reunião dos líderes.

A concessão do status de candidato precisa da aprovação unânime dos 27 Estados-membros, mas, ao menos publicamente, nenhum país expressou contrariedade. Essa etapa, no entanto, é mais simbólica do que prática, e representantes da UE já deixaram claro que a Ucrânia não terá atalhos para entrar no bloco.

O processo de adesão é longo e complexo e exige do candidato a implantação de uma série de reformas políticas e econômicas e a adequação às legislações europeias em todos os âmbitos, incluindo regras sanitárias, regime fiscal, licitações públicas, liberdade de imprensa e independência do poder Judiciário.

Leia Também:  EUA: escola palco de ataque que deixou 21 mortos será demolida

Prova disso são os outros cinco países que já têm o status de candidato, mas hoje não estão nem perto de ingressar na União Europeia: Albânia, Macedônia do Norte, Montenegro, Sérvia e Turquia.

Áustria, Finlândia e Suécia detêm hoje o recorde de velocidade no processo de adesão à UE: 1.431 dias, ou seja, quase quatro anos. Já o membro mais recente da UE, a Croácia, apresentou sua candidatura em 2003 e só entrou no bloco em 2013.

Bálcãs

A ampliação da União Europeia nos Bálcãs também é tema da reunião de líderes nesta quinta-feira, e a Grécia propôs que o Conselho Europeu estabeleça como prazo para a adesão dos países da região o ano de 2033, o que dá a medida da complexidade desse processo.

A própria Grécia bloqueou durante anos qualquer avanço nas negociações com a Macedônia do Norte por conta da disputa sobre o nome do país balcânico, que só foi resolvida em 2019. Ainda assim, Skopje enfrenta a oposição da Bulgária por causa de uma disputa identitária.

Como a Albânia tem seu processo de adesão ligado ao da Macedônia do Norte, suas negociações com a UE também estão travadas.

Leia Também:  Suprema Corte dos Estados Unidos derruba direito legal ao aborto

“É uma vergonha que um país da Otan, a Bulgária, mantenha como reféns outros dois países da Otan, a Macedônia do Norte e a Albânia, em plena guerra no quintal de casa e que outros 26 países fiquem parados e impotentes”, reclamou nesta quinta o premiê albanês, Edi Rama, ao chegar em Bruxelas para uma reunião sobre a expansão do bloco nos Bálcãs Ocidentais.

Já o alto representante da UE para Política Externa, Josep Borrell, criticou o princípio de unanimidade que norteia as decisões do Conselho Europeu.

“Hoje deveríamos lançar as negociações com Albânia e Macedônia do Norte, então não posso esconder meu desprazer. Ainda há esperança, mas as coisas não parecem caminhar bem. Precisamos tentar resolver a situação, e isso mostra que a unanimidade é um problema, não dá para seguir em frente com um país que bloqueia tudo”, disse.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Propaganda

Internacional

Norte da Ucrânia é alvo de bombardeio intenso a partir de Belarus

Publicados

em

source
Norte da Ucrânia é alvo de bombardeio intenso a partir de Belarus
Reprodução/Ministério da Defesa da Federação Russa

Norte da Ucrânia é alvo de bombardeio intenso a partir de Belarus

A região fronteiriça norte da Ucrânia de Chernihiv foi alvo de “bombardeamentos intensos” disparados a partir do território da Bielorrússia, aliada da Rússia, disse o exército ucraniano num comunicado neste sábado.

“Por volta das 5.00 da manhã (2.00 GMT), a região de Chernigiv sofreu um bombardeamento intenso por mísseis. Vinte foguetes, disparados do território da Bielorrússia e do ar, atingiram a aldeia de Desna”, escreveu o comando militar do norte da Ucrânia no Facebook, acrescentando que até o momento não houve relatos de vítimas.

Ucrânia perde controle da penúltima cidade de Luhansk

Após semanas de duros combates, as forças de Kiev que lutavam em Severodonetsk vão se retirar da cidade no Leste ucraniano, anunciou o governador Serhiy Gaidai nesta sexta-feira. A área era o epicentro mais recente do conflito com os russos, e o recuo abre caminho para que o Kremlin amplie seu domínio em Donbass, região que compreende os territórios de Donetsk e Luhansk, em uma das vitórias mais cruciais para o presidente Vladimir Putin desde que a invasão começou, há exatos quatro meses.

Leia Também:  EUA: escola palco de ataque que deixou 21 mortos será demolida

“As Forças Armadas ucranianas terão que se retirar de Severodonetsk. Receberam ordens para isto. Permanecer em posições que foram bombardeadas incessantemente durante meses não faz mais sentido”, escreveu Gaidai, o governador de Luhansk, em seu canal oficial no Telegram, afirmando que a cidade foi “quase transformada em escombros” pelos bombardeios contínuos.

“Todas as infraestruturas críticas foram destruídas: 90% da cidade foi danificada e 80% das casas terão que ser demolidas.”

A conquista de Severodonetsk, na margem leste do rio Donetsk, permitirá aos russos concentrarem seus esforços na tomada da cidade vizinha, Lysychansk, que fica do outro lado do rio e é a última sob controle ucraniano em Luhansk. Inicialmente fora da lista de prioridades russas após a invasão iniciada no dia 24 de fevereiro, as cidades voltaram a serem lembradas após a mudança nos planos de Moscou, no final de março.

*Com informações da AFP

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI