Nacional

Jornal Nacional usa dados de estados para driblar atraso dos números do  Saúde

Publicado


source
funcionários colocam corpo em saco
Yan Boechat

Segundo Bonner, o JN passará a divulgar informações levantadas junto às secretarias


Com atraso dos dados oficiais sobre a Covid-19 no Brasil, o Jornal Nacional divulgou hoje, 4, levantamento realizado junto às Secretarias de Saúde dos Estados sobre o avanço do novo coronavírus. Segundo o telejornal, país tem 33.884 óbitos e 612.862 casos da doença confirmados.

“Desde o início da pandemia, o Jornal Nacional tem registrado os dados oficiais do Ministério da Saúde, você talvez ainda lembre. No começo, os dados eram atualizados às 17h, imediatamente da entrevista diária do então ministro Henrique Mandetta. Com a saída de Mandetta, as entrevistas deixaram de ser diárias e a divulgação dos dados foi sendo retardada”, afirmou no telejornal o apresentador William Bonner.

“A partir de hoje, o Jornal Nacional vai apresentar os dados das secretarias estaduais de saúde, totalizados pelo G1. E também os números totalizados do Ministério da Saúde quando forem divulgados à tempo”, informou.

O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, com divulgação prevista às 19h, foi divulgado na noite de ontem às 22h.

Ainda segundo o levantamento realizado pelo Portal G1, 274.997 pacientes estão recuperados e 986.365 testes foram realizados em todos os estados.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Jovem fica em coma após ser picado por cobra naja de estimação

Publicado


source
naja
WIKICOMMONs/REPRODUÇÃO

O réptil foi localizado na noite desta quarta-feira (08)


O estudante de veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, 22 anos, entrou em coma induzido após ser picado por uma cobra naja que seria de estimação. O incidente aconteceu na última terça-feira (08), em Brasília.


O rapaz sendo tratado com soro vindo do Instituto Butantan, de São Paulo, especializado nesse tipo de caso. Em estado considerado grave , Pedro está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Maria Auxiliadora.

Segundo o Batalhão de Polícia Militar Ambiental do Distrito Federal (BPMA), é possível que o animal tenha criado ilegalmente na casa do rapaz. 

De acordo com o UOL, a família não quis entregar a cobra aos policiais. Mas a serpente foi encontrada às 19h desta quarta, dentro de uma caixa colocada ao lado de um shopping da cidade. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

PM do Rio ocupa comunidades da zona oeste para combater guerra de traficantes

Publicado


source

Agência Brasil

pm
Wikimedia Commons

Operação é feita pela polícia militar do Rio

Tropas de elite da Polícia Militar (PM) ocupam, desde a noite de terça-feira (7) e madrugada de hoje (8), várias comunidades na região da Praça Seca e o bairro do Tanque, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, devido a uma guerra entre traficantes e milicianos pelo controle do território, que abrange várias comunidades, e do comércio de drogas e na região. Três suspeitos de envolvimento na disputa morreram em confronto com as forças de segurança.

Tudo começou quando criminosos do Comando Vermelho, a maior facção do Rio, saíram das comunidades do Lins de Vasconcelos, na zona norte, durante a noite e atravessaram a mata fechada até a Praça Seca, onde fica o Morro São José Operário, no final da Rua Barão, que é dominada pela milícia. Grupos de traficantes armados invadiram e tomaram o morro, depois de intenso tiroteio, com uso de armas pesadas e de granadas. Em menor número e em desvantagem no armamento, os milicianos se retiraram.

Os moradores das favelas Bateau Mouche, Barão, Covanca e Caixa d’Água pediram pelas redes sociais a atuação da PM para acabar com o confronto entre traficantes e milicianos, por causa do intenso tiroteio. A ação polical estende-se até a área de mata fechada, onde os traficantes se refugiam.

Suspensão das operações

No dia 5 de junho deste ano, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu uma liminar proibindo a realização de operações policiais em favelas do Rio de Janeiro durante a pandemia de covid-19, sob pena de responsabilização civil e criminal das autoridades competente. Pela decisão de, as operações só podem ser ralizadasr “em hipóteses absolutamente excepcionais”.

Em tais casos, as ações devem ser “devidamente justificadas por escrito” pela autoridade competente com a comunicação imediata ao Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ), responsável pelo controle externo da atividade policial. A ação de hoje encaixa-se nessa hipótese, porque os moradores da região estavam em meio ao fogo cruzado, com as famílias em risco, devido à força das quadrilhas.

Autorização

Em nota, o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais do MPRJ informou ter recebido, nesta quarta -feira, comunicado da Polícia Militar sobre as operações realizadas nas comunidades do Campinho e Saçu (área de policiamento do 9º Batalhão da PM)) e do Barão e Bateau Mouche (área de policiamento do Batalhão de Jacarepaguá).

O Centro de Apoio Operacional Criminal (CAO) do Ministério Público esclareceu que a decisão de Fachin não retira das polícias a avaliação exclusiva dos casos em que deva agir, cabendo informar à procuradoria posteriormente a notícia de atividades realizadas neste período excepcional. Para tanto, acordo entre as instituições estabelece prazo de até 24 horas após o início da operação para tais informações.

Por fim, o CAO Criminal informa que eventuais irregularidades cometidas deverão ser analisadas pelas promotorias de Justiça com atribuição para cada um dos casos.

Participam da operação equipes dos batalhões de Operações Especiais (Bope), de Ações com Cães, das Rondas Especiais e Controle de Multidões, e além do Grupamento Aeromóvel, que monitora as comunidades pelo ar, usando o helicóptero blindado da corporação.

A ação não tem hora para terminar. Com apoio de cães adestrados, as tropas de elite do Bope estão fazendo uma varredura nas comunidades à procura de criminosos, armas e drogas.

Em nota, a PM informou que, até o momento, foram apreendidos um fuzil, duas pistolas, duas granadas, roupas camufladas idênticas às das Forças Armadas e cadernos de anotações da contabilidade do tráfico de drogas, referentes à venda de entorpecentes.

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana