Momento Agro

MACRO/CEPEA: Cepea passa a divulgar análises dos efeitos inflacionários dos preços agropecuários

Publicado

 
 
Cepea, 16/01/2020 – O Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, passa a divulgar análises sistemáticas e consistentes com foco nos efeitos inflacionários dos preços agropecuários. 
 
Pesquisadores do Cepea apontam que, muitas vezes, analistas, formuladores de política e também a sociedade em geral, no intuito de tentar explicar os movimentos da inflação brasileira, buscam entre os alimentos um ou mais vilões da vez. No entanto, o que acarreta esses aumentos de preços não é o produtor – que não tem poder para isso – mas, sim, o clima, as pragas e doenças, o desemprego e o crescimento econômico ou os movimentos do dólar e das commodities no mercado internacional, ou seja, fatores que estão todos fora do controle do produtor. 
 
De acordo com os pesquisadores da área de macroeconomia, responsáveis pelos estudos, as mudanças na inflação podem ser de duas naturezas, esperadas ou não esperadas. As mudanças não esperadas decorrem de surpresas ou “inovações” nela própria e nos seus determinantes. Como a inflação esperada já terá sido utilizada no processo de decisão dos agentes econômicos, a relevância sobre os movimentos da inflação recai sobre a categoria dos imprevistos – foco desta análise.
 
Neste primeiro estudo, pesquisadores do Cepea buscaram responder as seguintes questões: 
• O que surpreendeu, ou que inovação ocorreu, no comportamento do IPCA a partir do que se sabia no último trimestre de 2017?  
• Como agronegócio contribuiu para que a inflação ficasse acima ou abaixo do esperado? 
 
Em 2018, as taxas do IPCA observadas foram menores do que as que eram esperadas no quarto trimestre de 2017. No acumulado do ano todo (de janeiro a dezembro de 2018), o IPCA aumentou 3,002%, ao passo que, no cenário do encerramento de 2017, esperava-se elevação de 4,208%.
 
Sem a participação do agronegócio, o IPCA observado entre o primeiro e o quarto trimestre teria sido 1,839%. Logo, o agronegócio fez aumentar a taxa de inflação em 1,163 p.p. em 2018, por meio de IPPA-Grãos/Cepea, IPPA-Pecuária/Cepea e IPPA-Hortifrutícolas/Cepea. 
 
Segundo pesquisadores do Cepea, 2018 foi um ano de oferta relativamente apertada para o setor. O PIB-Volume da agropecuária (dentro da porteira) cresceu apenas 0,43%, depois de avançar 14% em 2017. Para o agronegócio como um todo, as taxas do PIB-Volume foram 1,42% em 2018 e 6,42% em 2017.
 
Em 2019, por sua vez, as taxas acumuladas do IPCA até o terceiro trimestre vieram pouco menores que as correspondentes de 2018, seja em termos antecipados, seja em termos observados. As quedas não antecipadas nos preços de grãos (IPPA-Grãos/Cepea) e hortaliças (IPPA-Hortifrutícolas/Cepea), assim como do diesel, favoreceram os resultados de 2019 em termos de inflação menor. Já os preços da pecuária atuaram em sentido contrário. No terceiro trimestre de 2019, em especial, o agronegócio – em razão da forte alta dos produtos da pecuária – contribuiu para aumento de 0,26 p.p. na inflação observada.
 
MATERIAIS E MÉTODOS – Pesquisadores do Cepea destacam que a base teórica para as análises são os modelos keynesianos novos para a Curva de Phillips, relacionando inflação com seus determinantes. Para avaliar os fatores que geraram variações não antecipadas no IPCA utiliza-se o Modelo de Autorregressão Vetorial Estrutural (VAR-E). Especificamente, para mostrar como o choque em cada variável impactou as demais em termos do que se esperava sobre seu comportamento a partir de certo momento, foi utilizado o método de Decomposição Histórica. No caso, foca-se em como os diferentes choques contribuíram para que o IPCA observado em 2018 e até o terceiro trimestre de 2019 diferisse do esperado a partir das informações disponíveis até o quarto trimestre de 2017. São utilizadas diversas informações, obtidas no Cepea, no IBGE, no Banco Central e na ANP. 
 
PRÓXIMAS ANÁLISES – O Cepea apresentará, a partir de agora, análises e medidas mais adequadas sobre os impactos do agronegócio sobre a inflação, disponibilizando, ao lado das variações observadas do IPCA, quais eram as mudanças já esperadas e quais aquelas não esperadas, e dando ênfase ao papel do agronegócio na inflação não antecipada.
 
ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o IPPA/Cepea aqui e por meio da Comunicação Cepea, com o prof. Geraldo Barros e a pesquisadora Nicole Rennó (19) 3429-8836 / 8837 e [email protected]
Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Leia mais:  Produtor Rural: Confira a previsão do tempo para esta quarta-feira(12)
publicidade

Momento Agro

IPPA/CEPEA: Pecuária e grãos impulsionam IPPA/Cepea no quarto trimestre de 2019

Publicado

Clique aqui e baixe o release completo em word.
 
Clique aqui e acesse o estudo completo.

 

Cepea, 17/01/2020 – O IPPA/Cepea (Índice de Preços ao Produtor de Grupos de Produtos Agropecuários) teve alta de quase 9% entre o terceiro e quarto trimestres de 2019, de acordo com pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Esse comportamento ficou acima do limite superior do intervalo esperado para o período.

 

Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso veio dos intensos avanços observados no IPPA-Pecuária/Cepea, de 11,29%, e no IPPA-Grãos/Cepea, de 8,17%, tendo em vista que o IPPA-Hortifrutícolas/Cepea registrou modesta alta no período analisado, de 0,39%.

 

IPPA-Pecuária/Cepea – No caso do IPPA-Pecuária/Cepea, o forte aumento no último trimestre foi acima do esperado, mesmo considerando-se o ciclo de alta de preços de carnes decorrente da Peste Suína Africana (PSA). Para os suínos, o preço seguiu o comportamento de alta esperado e, no caso do frango, ficou até mesmo aquém do esperado. Desse modo, o choque não antecipado observado no IPPA-Pecuária/Cepea em novembro e dezembro refletiu o comportamento de forte valorização da arroba bovina.

Leia mais:  Pavilhão Brasil é inaugurado na Fruit Attraction 2019 na Espanha

 

Segundo pesquisadores do Cepea, a alta observada nos preços da arroba bovina, bastante acima da esperada, esteve atrelada à limitação da oferta de animais para abate, ao aquecimento típico da demanda interna nos finais de ano e ao pico mais pontual nas exportações da carne bovina para a China. No caso do frango, além de o ciclo mais curto de produção permitir um rápido ajuste da oferta ao aumento da demanda em decorrência da PSA, as exportações no segundo semestre ficaram aquém das esperadas mesmo com a elevação dos envios para a China, devido a problemas específicos em outros países destino da carne brasileira (como Arábia Saudita, Emirados Árabes e Japão).

 

IPPA-Grãos/Cepea – O aumento não esperado do IPPA-Grãos/Cepea refletiu o movimento verificado para o milho. Embora fosse esperada uma elevação sazonal no último trimestre, a alta observada para o milho superou a sazonalidade típica. Segundo a equipe Milho/Cepea, as exportações recordes e a demanda interna aquecida em 2019 impulsionaram os preços do cereal, mesmo em um cenário de produção brasileira recorde.

Leia mais:  SUÍNOS/CEPEA: Preços atingem recordes nominais

 

IPPA-Hortifrutícolas/Cepea – O choque positivo não antecipado no Índice, observado em dezembro, veio do preço da banana. Segundo a equipe Hortifruti/Cepea, esse crescimento esteve atrelado à redução de disponibilidade, que, por sua vez, foi reflexo do aumento das exportações para o Mercosul, o que não era comum para o período. A equipe aponta que esse aumento nos embarques refletiu os conflitos político-sociais na Bolívia e no Chile (bloqueios de caminhões teriam prejudicado o transporte e a comercialização da banana da Bolívia e do Equador para o Mercosul).

 

2019 X 2018 – Quando analisadas as médias do IPPA/Cepea do ano passado contra 2018, verifica-se estabilidade (-0,04%). Segundo pesquisadores do Cepea, neste caso, enquanto o IPPA-Grãos/Cepea caiu, em termos reais, 7,19% de 2018 para 2019, o IPPA-Pecuária/Cepea e o IPPA-Hortifrutícolas/Cepea aumentaram 8,26% e 10,98%, respectivamente, sustentando o Índice geral.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o IPPA/Cepea aqui e por meio da Comunicação Cepea, com o prof. Geraldo Barros e a pesquisadora Nicole Rennó (19) 3429-8836 / 8837 e [email protected]

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Agro

Novos adidos agrícolas assumem missão no exterior

Publicado

Os novos adidos agrícolas começaram a tomar posse nas representações diplomáticas brasileiras no exterior. Antes de iniciarem a missão, os nove adidos foram recebidos pela ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) quando  foram orientados. 

“A orientação da ministra é que eles mergulhem de cabeça nessa experiência e que possam engrandecer a missão de levar nosso agronegócio para o mundo e diversificar a pauta exportadora”, relata o secretário-adjunto de Comércio e Relações Internacionais (SCRI) do Mapa, Flávio Bettarello, sobre o encontro da ministra com os adidos no último dia 8 deste mês.

Um dos papeis do adido é identificar as oportunidades, os desafios e as possibilidades de comércio, investimentos e cooperação para o agronegócio brasileiro. “Com base nessa vivência em campo, na qual eles estão naturalmente engajados com as autoridades locais, com o setor privado local, no acompanhamento da imprensa, da Academia, eles poderão auxiliar a identificar uma estratégia que seja coerente no curto, médio e longo prazo para cada país, para cada mercado específico”.

Bettarello destaca que há mercados em que o esforço maior consiste na superação de barreiras sanitárias e fitossanitárias; em outros, há maior necessidade de iniciativas de promoção de comércio e investimentos, tais como participação em feiras internacionais e organização de road shows. Por fim,  em alguns países, o desafio é trabalhar a imagem da agricultura brasileira junto com a sustentabilidade ambiental. O adido agrícola deve contribuir para o diagnóstico adequado dos problemas e para a busca de soluções.

O secretário-adjunto destaca que o Ministério trabalha para harmonizar a política agrícola doméstica com a internacional. “Nós olhamos para fora, mas com os pés fincados no campo. Não adianta abrir um mercado que a gente não tenha condições de atender ou um mercado onde serão necessárias muitas adequações.”

Leia mais:  Grupo de cafeicultoras busca igualdade de participação em cooperativa com mobilização e solidariedade

No caso da China, por exemplo, buscaram-se oportunidades para o melão, que é uma fruta economicamente importante para a Região Nordeste. No Peru, pela proximidade geográfica com o Acre, o interesse é incrementar as vendas de carne suína.

Outro exemplo é a Tailândia, onde a pauta exportadora brasileira está concentrada na soja. “Nosso esforço agora é diversificar essa pauta, inserindo nela outros produtos. Já fizemos algo importante que foi a reciclagem animal; subprodutos sendo usados como insumos para a indústria deles. Estamos em processo de negociação sobre a carne bovina.” Para o êxito das tratativas, busca-se conciliar interesses dos dois países envolvidos. “A Tailândia gostaria de investir mais em agricultura familiar e nós temos expertise nessa matéria.”

Novos adidos

Em janeiro e fevereiro deste ano, os novos adidos agrícolas se apresentarão nos seguintes países: China, Reino Unido, Singapura, Itália (sede da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – FAO), Rússia, Estados Unidos, Japão, Bélgica (sede da Comissão Europeia) e Peru.

Os decretos de designação foram assinados pelo presidente Jair Bolsonaro e publicados no Diário Oficial da União do dia 26 de dezembro de 2019.

Na mesma edição do DOU, também foram publicados os decretos de recondução, por mais dois anos, dos adidos agrícolas nas representações diplomáticas brasileiras na Arábia Saudita, África do Sul, Argentina, China, Índia, Coreia do Sul, no México, na Tailândia e no Vietnã.

Leia mais:  BANANA/CEPEA: Oferta da nanica aumenta no Norte de SC e preços recuam

Em 2021, outros seis adidos poderão ser reconduzidos – que exercem missão nas representações no Canadá, na Colômbia, no Egito, na Indonésia, no Marrocos e na Bélgica.

Relação dos Adidos Agrícolas – 2020

Posto

País

Adido

Pretória África do Sul Jesulindo Nery de Souza Junior
Riade Arábia Saudita Marcel Moreira Pinto
Buenos Aires Argentina Priscila Rech Moser Pinto
Bruxelas Bélgica – União Europeia Guilherme Costa
Bernardo Todeschini
Ottawa Canadá  Luciana Pimenta Ambrozecivius
Pequim China Jean Carlo Cury Manfredini 
 Fábio Coelho
Bogotá Colômbia Marcus Vinicius Segurado Coelho
Seul Coreia do Sul Gutemberg Barone de Araújo Nojosa
Cairo Egito  César Simas Teles
Washington Estados Unidos Filipe Guerra Lopes Sathler
Nova Delhi Índia Dalci de Jesus Bagolin
Jarcarta Indonésia Gustavo Bracale
Tóquio Japão Ricardo Ossamu Maehara
Rabat Marrocos Nilson César Castanheira Guimarães
Cidade do México México Bivanilda Almeida Tápias
Moscou Rússia Rafael Guimarães Requião
Banguecoque Tailândia Maria Eduarda de Serra Machado
Hanói Vietnã Tiago Charão de Oliveira
Roma Itália – FAO Leonardo Werlang Isolan
Lima Peru Ângela Pimenta Peres
Londres Reino Unido Luis Augusto Billi
Singapura Singapura Leandro dos Santos Antunes

Informações à imprensa
Inez de Podestà
[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana