Momento Economia

Maia afirma que fim do isolamento é pressão da Bolsa

Publicado


source

O presidente da Câmara , Rodrigo Maia ( DEM-RJ ), declarou em reunião com governadores , nesta quarta-feira (25), que é preciso “equilibrar vidas e empregos”.

Mega-Sena suspensa? Nada disso! Caixa define programação de loterias

Além disso, Maia orientou aos gestores sairem do debate sobre a necessidade de isolamento social, como sugerido por Jair Bolsonaro . De acordo com o presidente da Câmara , o debate interessa apenas aos investidores da Bolsa de Valores .

Rodrigo Maia arrow-options
Luis Macedo/Câmara dos Deputados – 10.7.19

Rodrigo Maia


” Temos que sair desse enfrentamento, sobre sair ou não do isolamento. Isso nada mais é do que a pressão de milhares de pessoas que aplicaram seu recursos na Bolsa , acreditaram no sonho da prosperidade da Bolsa a 150 mil pontos, ela está a 70 mil por vários problemas”, afirmou Maia .

“Eles são assim, eles vivem de estatísticas, todos nós que fazemos política vivemos das vidas. E é isso que temos que saber equilibrar. As vidas e os empregos. Estamos aqui para ajudar”, completou o presidente da Câmara .

Maia também afirmou que o secretário do Tesouro , Mansueto Almeida , se comprometeu em enviar, na quinta (26), sugestões ao texto que tramita na Câmara , que permitirá aos estados realizarem cortes de despesas com pessoal.

“Eu disse a eles que se o governo não mandasse, o Congresso iria legislar para ter uma solução para esse assunto”, afirmou Maia .

Coronavírus: ruralistas querem tributos para garantir abastecimento

“Fica parecendo que eles estão esticando a corda exatamente para obrigar a sociedade ir pra rua e ficar em estado de maior pânico em relação aos próximos passos”, completou.

Por último, Maia afirmou que o Congresso irá tentar elevar a renda mínima dos informais , prometida pelo governo nesta quarta (25), de R$ 300.

Comentários Facebook
publicidade

Momento Economia

Pandemia afeta vendas do comércio paulistano na 2ª quinzena de março

Publicado


.

As vendas do comércio na capital paulista registraram queda média de 53,4% na segunda quinzena de março na comparação com o mesmo período de 2019, de acordo com Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), divulgado hoje (2).

Na primeira quinzena houve alta de 5,3% nas vendas, ainda refletindo os efeitos da última semana de fevereiro. O cenário muda a partir do momento em que o comércio considerado não essencial passa a ficar fechado.

O movimento de vendas a prazo, que incluem bens duráveis como eletrodomésticos, registrou queda de 61,7%.  As vendas à vista, ou de bens não-duráveis, como vestuários e calçados, desaceleraram 45%. Na comparação mensal, ou seja, com março de 2019, a queda média foi de 27%, sendo que 30,4% referem-se à diminuição nas vendas a prazo, e 23,6% foi o recuo nas vendas à vista.

“Começamos o mês com uma conjuntura, mas encerramos com outra. Porém, vale lembrar que esses são dados preliminares do comércio físico, que não incluem o setor supermercadista nem as vendas pela internet, já que muitos que não conseguiram comprar em lojas físicas, acabaram comprando on-line”, disse o presidente da ACSP, Alfredo Cotait, presidente da ACSP.

Segundo Cotait, o resultado é reflexo da pandemia de coronavírus e das medidas de isolamento social que se intensificando no país desde o último dia 15. Ele reforçou que a queda no movimento geral reflete tanto as medidas adotadas para controlar a epidemia como a própria cautela do consumidor, que tem preferido comprar o essencial. “A expectativa agora é que (a pandemia) possa ser mitigada o quanto antes, e que dure o menor tempo possível.”

Edição: Maria Claudia

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Economia

Arrecadação de impostos tem queda de 2,7% em fevereiro

Publicado


.

A arrecadação das receitas federais, que chegou a registrar recorde em janeiro, apresentou queda em fevereiro, totalizando R$ 116,430 bilhões, com queda real (descontada a inflação) de 2,71%, na comparação com o mesmo mês de 2019. Esse foi o menor resultado para o mês desde 2018, quando chegou a R$ 113,586 bilhões, em valores corrigidos pela inflação.

As receitas administradas pela Receita Federal, como impostos e contribuições federais, chegaram a R$ 112,141 bilhões, resultando em queda real de 4,55%.

Já as receitas administradas por outros órgãos, principalmente royalties do petróleo, totalizaram R$ 4,289 bilhões, com expansão de 95,95%.

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana