Artigos

Mão de obra já era!

Publicado

 

            Li recentemente e estou refletindo a respeito. As novas tecnologias substituirão cada vez mais a mão humana na maioria das atividades em que tradicionalmente foi usada nesses 40 mil anos do homo sapiens. Li também que se uma atividade for repetida três vezes pela mão, pode então ser substituída pela inteligência artificial. Li, também, que a educação já deveria estar voltada para o espírito, em vez de ser dirigida pras mãos.

            Essa parte do espírito me interessou muito. Na atualidade, na maioria dos casos, a criança sai de casa pra escola levando um smartfone e as suas próprias opções e escolhas. Rede sociais ou vídeos. Os pais pouco ensinam e esperam que a escola os substitua. O professor lá da escola vive os mesmos problemas de não educar os próprios filhos em casa.  Logo, a criança chega na escola e aprende uma série de atividades que não compreende e não vê como elas caibam dentro do seu universo do smartfone. O que a escola deveria ensina, então, se no futuro dessa criança não terá muita utilidade ter mãos pra fazer a maioria das coisas.

            A escola deveria ter foco muito forte nas coisas do espírito. Aquelas que passando o tempo que passar, continuarão existindo. O raciocínio. O livre arbítrio. A fala. Os sentimentos. As emoções. Aqui caberiam como disciplinas prioritárias da educação, a música, as artes, o respeito às emoções e o cultivo dos sentimentos. A essência do ser humano. Mas não. A educação continua ensinando coisas que morrem um pouco a cada dia.

            O espírito humano é o passaporte entre a vida e as vidas individuais e coletivas. Vai e vem e dita o viver de cada um de nós. Ele precisa ser descoberto. Cultivado. Aprimorado. O futuro será, obviamente, das máquinas digitais, biocelulares, nanoceulares, quânticas. Coisa muito complicada. Como os nossos jovens de amanhã enfrentarão tudo isso sem conhecerem o mínimo domínio das suas mentes através da música, da contemplação das artes? O leitor deve estar pensando que enlouqueci.

            Mas recordo que no passado, em todas as grandes transições da evolução humana, revoluções da arte precederam as mudanças. Agora muito mais, porque nunca se transformou tanto em tão curto tempo.

            Estou aqui muito angustiado com o que vejo: jovens apegados às coisas racionais que daqui a pouco não terão mais utilidade. E o espírito, onde reside a sua essência está morto pras sensibilidades que geraram essas mesmas transformações.

            Até ousaria deixar um recado aos pais e aos professores comprometidos. O espírito é permanente. Música, artes, sentimentos construtivos são essenciais. Os smartfones serão apenas peças de trabalho e de relacionamentos.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]     www.onofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
publicidade

Artigos

Não sei o que dizer

Publicado

por

            Entrei pela primeira vez numa redação em 3 de fevereiro de 1973, no Jornal de Brasília, em Brasília. De lá pra cá já se passaram mais de 47 anos diariamente ali na velha máquina de escrever ou no computador. Milhares e milhares de páginas. Comecei a escrever artigos diariamente em 29 de junho de 1990, no jornal A Gazeta. Lá se vão 30 anos, completos ontem. Durante 26 anos escrevi diariamente. Hoje, uma vez por semana. Mas escrevo também pra uma série de sites da capital e do interior.

            Conto isso, porque quero fazer um desabafo. Nunca tive dificuldades pra escrever. Sempre li muito. Isso ajuda a dar norte aos temas. Mais um banco de viagens muito grande. Muitas entrevistas conceituais ao longo desses anos. Só em Mato Grosso são 44 anos. Dirigi muitos veículos de comunicação. Etc.etc.

            Porém, neste momento, não sei o que escrever!

            Por mais que uma série de assuntos pareça nos atropelar, pouco enxergo de útil neles. Ah. O vírus. Difícil porque está politizado e mergulhado no campo das incompetências públicas e privadas. Ah. A política. Nunca esteve em nível tão baixo. Ah. O futuro. Nunca esteve tão escuro como agora. Ah. Falar das pessoas. Nunca estiveram tão perdidas como agora. Ah. A juventude. Nunca esteve tão perdida como agora. Com a imensa responsabilidade de construir o seu futuro e o da humanidade, mas temos tão pouco a lhe ensinar.

            Puxa vida! Escrever o que, então? Juro que não sei. Em tempos de guerras formais, surgem líderes que conduzem o povo até as coisas se arrumarem. Hoje não se vê no mundo esse tipo de líder. Mesmo vivendo uma guerra. Mas é uma guerra estranha. De nós contra nós mesmos. Pra isso não tem líder que seja capaz de liderar.

            Encerro. Não virá mais de fora o sentido que deverá nos guiar. Virá de dentro de nós. Mas é preciso que se encerre essa fase política pra que tenhamos a consciência de que nada de fora nos ajudará. Cada um será o mestre de si mesmo. Sem cartilhas, sem manuais e sem líderes.  Ditado chinês diz: “quando o discípulo está pronto, o mestre aparece”. Só nós mesmos!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]     www.onofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Trabalho, responsabilidade e transparência no combate à COVID-19

Publicado

por

Meus irmãos e minhas irmãs luverdenses.

Uma pandemia provocada pelo novo Coronavírus chegou com tudo em Mato Grosso. É um momento muito delicado de nossa história e um momento que exige calma, comprometimento de todos, muito trabalho e ação, para que nosso município consiga enfrentar essa dificuldade.

Desde o mês de março fomos obrigados a tomar decisões duras, fomos obrigados a trabalhar mais, a perder o sono e quase abrir mão de nossas vidas pessoais para voltar a nossa atenção exclusiva às necessidades da população.

Cancele o Show Safra e fomos um dos primeiros municípios do Estado a definir restrições com o objetivo de impedir o avanço do COVID 19. Desde o início, antes de obter EPIs, álcool gel, medicamentos, respiradores, porque sabíamos que esses insumos estavam perdidos no mercado. Criamos também um plano de contingência que conforme a necessidade, estamos usando na prática.

Ainda em março é criado o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, composto por profissionais da saúde, representantes dos verificadores, Ministério Público, Defensoria Pública e representante do Hospital São Lucas. Também cria um Comitê Econômico, com o objetivo de reduzir a perda de empregos e postos de trabalho em Lucas do Rio Verde.

Então fomos ouvindo os clamores das empresas, da ACILVE, da CDL, dos vereadores e as medidas foram sendo flexibilizadas. Nós entendemos o apelo porque não se tratava mais de macroeconomia, como no Show Safra, mas de empregos e salários que impactam nos menores, no autônomo, nos pequenos chefes de família que precisam garantir o alimento na mesa.

Mas os casos aumentaram e as medidas que tomamos nos últimos 15 também foram duras, mas entendemos que foram acertadas, tanto é que os outros municípios da região e até a capital seguiram a liderança de nosso município e também instituíram toque de recolher depois de nós.

O problema dessas medidas é que quanto mais resultado elas apresentam, mais dão a sensação de que são desnecessárias ou de que foram feitas cedo demais.

10 novas UTIs – Único município da região que abriu leitos por conta própria

O plano de contingência envolvia a criação de 10 leitos de UTI em Lucas do Rio Verde, que seriam abertas caso a rede estadual estivesse sendo toda ocupada. O serviço de UTI é de alta complexidade e é regulado pelo governo do Estado. Isso porque a maioria dos municípios não tem nem os profissionais necessários para atender em UTI, existem poucos médicos intensivistas em Mato Grosso.

Conforme a pandemia avançou no estado, abrimos esses novos 10 leitos no hospital, que só foram possíveis graças aos 5 respiradores custeados pelo município e outros 4 custeados pela sociedade, que se uniram em uma campanha organizada pela CDL.

Além das UTIs, Lucas conta com 22 leitos de enfermaria para COVID-19 e respiradores de emergência no PAM. Implantamos o Teleatendimento que está realizando cerca de 150 atendimentos por dia.

Estabelecemos desde 20 de maio o protocolo de fornecimento de medicamentos em estágio inicial dos sintomas (Kit COVID), antes mesmo da confirmação do exame. Hoje Lucas conta com estoque de medicamentos suficientes, isso porque fomos atrás de adquirir os remédios ainda no início do problema.

Fomos buscar profissionais da saúde que estão em falta em todo o Mato Grosso e conseguimos trazer médicos para a abertura de novas unidades sentinela. Hoje contamos com 3 unidades atendendo pacientes com sintomas gripais.

Realizamos o aporte de mais de R$ 2 milhões no Hospital São Lucas exclusivamente para COVID, além dos repasses tradicionais do contrato de gestão e complemento da tabela SUS.

Estamos realizando uma parceria com o Instituto Federal de Lucas do Rio Verde para que nosso município possa realizar os exames RT – PCR aqui mesmo, sem necessidade de enviar para o Laboratório Central do Estado e com isso ganhar celeridade nos resultados.

Conseguimos viabilizar dois mil testes rápidos e estamos testando constantemente profissionais da saúde e da segurança.

Distribuímos cestas básicas para as pessoas em situação de vulnerabilidade, Kits merenda e também demos assistência aos moradores em situação de rua, fornecendo dormitórios, refeições e recolocação no mercado de trabalho.

Nossas equipes também se reinventaram e os nossos professores inovaram com aulas online e deram um show. Nossos professores da cultura também conseguiram dar aulas à distância e nossos bravos guerreiros do esporte gravaram vídeo aulas e ajudam até mesmo na fiscalização. Até um campeonato de E-sports desenvolvemos no município.

O problema não é de falta de investimento ou recursos, mas de falta de profissionais e insumos indisponíveis no mercado, o sedativo que é utilizado para entubar um paciente está em falta em todo o país.

Mas estamos trabalhando muito, nossos profissionais da saúde são incansáveis, seja da secretaria, seja das unidades de saúde ou do HSL. Nossa valente Guarda Municipal está se desdobrando para conseguir fiscalizar e infelizmente estamos encontrando muitas aglomerações, principalmente em casas e eventos particulares, se não nos cuidarmos vai faltar leitos, vai faltar vagas e o sistema de saúde não vai dar conta de absorver a demanda.

Acompanho diariamente a situação, juntamente com o Secretário de Saúde e com os comitês, para a elaboração dos decretos e para avaliação das medidas necessárias.

Temos plena convicção de que nosso município é um dos que mais bem se preparou para o enfrentamento desse desafio e nossa porcentagem de óbitos em relação aos contaminados é menor do que a do Estado e a do País. Nenhum desses óbitos ocorreu por falta de atendimento ou falta de medicamento. Nenhum desses óbitos aconteceu por falta de leitos ou falta de UTI.

Mas cada um desses óbitos tem um rosto, um nome e uma saudade que dói no coração de seus familiares e amigos. Em respeito a essas pessoas e a todos os profissionais da linha de frente, seja da saúde, da limpeza ou da segurança, peço a todos que se cuidem. Cuidem das pessoas a sua volta e entendam que esse vírus mata.

Rogo a toda a sociedade civil, que sempre será um problema quando houver um problema resolvido, que poderá fazer isso novamente. Que pode colocar a mão na consciência e pensar no próximo. O momento é de união! União em defesa da vida, união a favor de Lucas do Rio Verde.

Um forte abraço a todos

Luiz Binotti

Prefeito Municipal de Lucas do Rio Verde

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana