Artigos

Mão de obra já era!

Publicado

 

            Li recentemente e estou refletindo a respeito. As novas tecnologias substituirão cada vez mais a mão humana na maioria das atividades em que tradicionalmente foi usada nesses 40 mil anos do homo sapiens. Li também que se uma atividade for repetida três vezes pela mão, pode então ser substituída pela inteligência artificial. Li, também, que a educação já deveria estar voltada para o espírito, em vez de ser dirigida pras mãos.

            Essa parte do espírito me interessou muito. Na atualidade, na maioria dos casos, a criança sai de casa pra escola levando um smartfone e as suas próprias opções e escolhas. Rede sociais ou vídeos. Os pais pouco ensinam e esperam que a escola os substitua. O professor lá da escola vive os mesmos problemas de não educar os próprios filhos em casa.  Logo, a criança chega na escola e aprende uma série de atividades que não compreende e não vê como elas caibam dentro do seu universo do smartfone. O que a escola deveria ensina, então, se no futuro dessa criança não terá muita utilidade ter mãos pra fazer a maioria das coisas.

            A escola deveria ter foco muito forte nas coisas do espírito. Aquelas que passando o tempo que passar, continuarão existindo. O raciocínio. O livre arbítrio. A fala. Os sentimentos. As emoções. Aqui caberiam como disciplinas prioritárias da educação, a música, as artes, o respeito às emoções e o cultivo dos sentimentos. A essência do ser humano. Mas não. A educação continua ensinando coisas que morrem um pouco a cada dia.

Leia mais:  Perfil do prefeito de 2020

            O espírito humano é o passaporte entre a vida e as vidas individuais e coletivas. Vai e vem e dita o viver de cada um de nós. Ele precisa ser descoberto. Cultivado. Aprimorado. O futuro será, obviamente, das máquinas digitais, biocelulares, nanoceulares, quânticas. Coisa muito complicada. Como os nossos jovens de amanhã enfrentarão tudo isso sem conhecerem o mínimo domínio das suas mentes através da música, da contemplação das artes? O leitor deve estar pensando que enlouqueci.

            Mas recordo que no passado, em todas as grandes transições da evolução humana, revoluções da arte precederam as mudanças. Agora muito mais, porque nunca se transformou tanto em tão curto tempo.

            Estou aqui muito angustiado com o que vejo: jovens apegados às coisas racionais que daqui a pouco não terão mais utilidade. E o espírito, onde reside a sua essência está morto pras sensibilidades que geraram essas mesmas transformações.

            Até ousaria deixar um recado aos pais e aos professores comprometidos. O espírito é permanente. Música, artes, sentimentos construtivos são essenciais. Os smartfones serão apenas peças de trabalho e de relacionamentos.

Leia mais:  Nós contra nós mesmos

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]     www.onofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
publicidade

Artigos

1 milhão de anos

Publicado

            Meu pai morreu aos 90 anos em 2010. Sempre tivemos longas e boas conversas. A sua simplicidade técnica não o impedia de enxergar o mundo numa visão claríssima e, acreditem, frequentemente profética. Nossas discordâncias eram poucas. Pelo fato de morar em Cuiabá e ele em Brasília, quando nos víamos alongávamos as nossas conversas. Gostava de ouvi-lo teorizar sobre temas complexos, na sua visão simplista mas certeira. Hoje chamaria aquela visão de sabedoria.

            Numa dessas suas teorizações ele disse-me: entre 1920 em que nasceu e 2010 o mundo andou um milhão de anos. O que havia em 1920 era muito simples. Metalurgia básica na forma de ferramentas como enxada, foice, machado, serrote, etc. Já em 2010 ele se entusiasmava com o controle remoto da televisão que tomava a maior parte do seu tempo diário. Achava o computador e o celular absolutamente fantásticos. Em 15 de agosto de 2010 ele partiu levado por um câncer traiçoeiro. Pensava que os dois eram invenções dos extraterrestres que nos deram como presente, ou em troca de minérios raros.  Deixou um grande vazio com as suas teorizações proféticas.

            Lá se vão quase dez anos. E o mundo gira cada vez mais rápido nas suas transformações. O pior é que muita gente que deveria se importar ainda se comporta como meu pai em 1920. Os sistemas tecnológicos, vindos ou não dos ETs em que ele acreditava. Desde que ele se foi apareceram a inteligência artificial, o big data, a indústria 4G, o whatsapp e o facebook. Os ETs já não são mais tabu como eram em 2010. Espera-se, como ele previa, o contato a qualquer momento. As gerações novas que ele tanto admirava estão realmente avançando confusas nesse mundo em transformações aceleradas.

Leia mais:  O futuro da Amazônia

            O choque do conceito é muito duro: não estamos numa época de mudanças. Estamos numa mudança de época. Parece só um jogo de palavras, mas estamos falando da virada de um mundo pra outro. Na esteira dessas transformações perdem-se as religiões, os dogmas, as  teorias científicas na sua maioria, a política, os conceitos de política, de economia, de Estado e de sociedade.

            Imagine-se a educação nova frente à internet 5G, uma rede em tempo mais do que real. Celulares e eletrônicos diversos capazes de navegar na impossibilidade das mentes mais desavisadas de hoje.

            O leitor deve estar perguntando o porquê deste artigo. Responderia que é o seu objetivo é mera provocação pra alertar que todas as mudanças de época ao longo da História varreram ideias velhas e gente agarrada a elas. Fórmula pra adaptações: nenhuma! É a construção do dia a dia. Cada nova ideia joga-se outra fora. Se entre 1920 e 2010 correram 1 milhão de anos, imagine-se nos próximos 10 anos?

Leia mais:  1 milhão de anos

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]    www.onofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

Artigos

Nós contra nós mesmos

Publicado

Em 1950 0 Brasil perdeu o jogo final da Copa do Mundo para o Uruguai, por 1 a zero. E desabou! O jornalista Nelson Rodrigues, profundo conhecedor da alma brasileira escreveu: “O Brasil tem complexo de vira-latas”. Isso nunca mais mudou.

Hoje, o complexo está nas mínimas coisas e acabou com a nossa capacidade de enxergar as coisas boas de qualquer natureza. Nada é bom. Nada está bom. Nada será bom! A passagem da esquerda pelo governo desde 1995, acentuada recentemente, potencializou ao limite o complexo de vira-latas. Vai demorar muitos anos até que as gerações novas compreendam que a vida segue em ciclos e que os novos ciclos não são necessariamente iguais aos anteriores.

Essa introdução tem a ver com essa ressaca brasileira diante do futuro. A esquerda fez o seu papel. Quebrou a auto-estima. Agora, qualquer tentativa de crença, gera imediatamente um rancor que resume medo e falta de fé. Ou, pior, resulta em intolerância que é outra forma de manifestação do medo como sentimento coletivo.

Leia mais:  Nós contra nós mesmos

Por que estou dizendo isso? Na semana passada assisti a uma série de quatro grandes palestras sobre economias setoriais e uma do professor Paulo Braga, da Fundação Dom Cabral, ex-consultor do Banco Mundial e professor da Universidade John Hoppkins, dos EUA, sobre macroeconomia global. A primeira, da professora Mariana Crespolini, diretora de Produção Sustentável e Irrigação, do Ministério da Agricultura. Umas leitura profunda do presente e do futuro, considerando todas as variáveis possíveis.  Seguiu-se Francisco Camacho, confinador de gado de MT comemorando 500 mil cabeças em  8 anos. Nas comemorações do 15º. aniversário do Shopping Pantanal, debates e discussões sobre o futuro do negócio shopping centers e sobre o varejo.

Em nenhuma das palestras a menor incerteza conjuntural. Todos certos de que o futuro será promissor no curto prazo. Mas na população o sentimento é de rancor, de medo e de intolerância. A leitura econômica do Brasil em relação ao mundo, é fantástica. Claro que há uma estrada a percorrer. Mas não tem muitas encruzilhadas e as pontes já foram construídas. Camacho e Mariana mostraram cenários realísticos e promissores na medida em que o país avança em reformas, etc. O mundo nos olha atento!

Leia mais:  Tempo e não-tempo

A leitura do professor Paulo Braga foi uma cirurgia na visão do mundo atual e a dos próximos anos. O Brasil será protagonista. Queira ou não queira. Seu problema são os problemas internos. Falta de fé. Intolerância. Rancor. Ineficiência do Estado. Ineficiência dos poderes Legislativo, Judiciário e Executivo. Gastadores irresponsáveis. Castas demoníacas! Nos cenários do professor Braga, o mundo caminha pra se basear em três colunas: EUA, China e Brasil. De novo ressalvo: é um caminho a ser construído em tempos de profundas transformações.

Encerro com a frase que ouvi do executivo do Grupo Novo Mundo, empresa de varejo, no evento do Shopping Pantanal: “não vivemos uma época de transformações. Estamos vivendo a transformação de uma época!”.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]   www.onofreribeiro.com.br

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana