Momento Agro

CITROS/CEPEA: Preços da laranja seguem firmes

Publicados

em


.

Cepea, 28/08/2020 – De acordo com pesquisas do Cepea, apesar da demanda um pouco desaquecida (devido ao clima frio e ao período de fim de mês), as cotações da laranja seguem firmes, sustentadas pela menor disponibilidade de frutas de qualidade no mercado in natura. Na parcial da semana (de segunda a quinta-feira), a pera tem média de R$ 30,91/cx de 40,8 kg, na árvore, elevação de 1,6% em relação à do período anterior. A valência, por sua vez, apresenta melhor qualidade e, diante da oferta controlada de frutas, também segue com valores elevados. A média desta semana é de R$ 27,09/cx de 40,8 kg, na árvore, alta de 2,9% frente à da semana anterior. Para a lima ácida tahiti, mesmo com a oferta ainda restrita, o mercado não conseguiu absorver os elevados preços da fruta, o que resultou em menor demanda e em queda nos valores. Na parcial da semana, a tahiti tem média de R$ 70,03/cx de 27 kg, colhida, recuo de 22,9% em relação à do período anterior. Vale destacar, contudo, que produtores consultados pelo Cepea acreditam em recuperação dos preços da tahiti, fundamentados no fato de as frutas nas árvores ainda não terem atingido o estágio de maturação e tamanho ideais para colheita – os pomares precisam de mais chuvas para que o desenvolvimento seja favorecido. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Leia Também:  EXPORT/CEPEA: Volume e faturamento com exportações do agro em 2020 são recordes
Fonte: CEPEA

Propaganda

Momento Agro

TRIGO/CEPEA: Baixa oferta interna mantém preço em alta

Publicados

em


Cepea, 26/01/2021 – Os preços do trigo seguem em alta no mercado brasileiro. Segundo pesquisadores do Cepea, a sustentação vem da baixa disponibilidade doméstica e do maior interesse – ainda que pontual – de compradores. Além disso, a valorização do dólar também influencia as cotações do cereal, à medida que encarece as importações. Quanto às negociações, estão lentas. No mercado de balcão, colaboradores do Cepea relataram que a sustentação vem da maior intenção de compra por parte das cooperativas, que têm como intuito estimular produtores a comercializar e, assim, liberar espaço em armazéns para a safra de soja. Já no mercado de lotes, o vendedor segue retraído, dificultando a aquisição de matéria-prima por parte dos moinhos que necessitam repor estoques.  Fonte: www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: CEPEA

Leia Também:  MILHO/CEPEA: Indicador se aproxima de novo recorde real
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA