Momento Agro

HF BRASIL/CEPEA: Bons resultados neste ano dão fôlego ao bataticultor

Publicados

em


Clique aqui e baixe o release completo em word.

 

Cepea, 14/10/2020 – Após amargarem prejuízos em 2017 e 2018, produtores de batata recuperam o fôlego e vêm somando bons resultados desde o ano passado, segundo mostra o Especial Batata 2020 da revista Hortifruti Brasil, publicação do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP.

 

A Equipe de batata do Cepea ressalta que, apesar de em 2019 a cultura ter apresentado retorno positivo, aquele período foi importante para o produtor sair do prejuízo e pagar dívidas dos dois anos anteriores. Em 2020, a pandemia de covid-19 poderia ter voltado a prejudicar a rentabilidade, mas as menores área e produtividade (que mantiveram a oferta controlada e sem excedentes) favoreceram os resultados. E o cenário pode continuar positivo na temporada das águas 2020/21, que está em fase de plantio. Quantos aos custos de produção, estes aumentaram em 2020, diante da forte valorização do dólar, que encareceu insumos, máquinas e implementos – os maiores efeitos da moeda norte-americana foram observados sobre a safra das águas 2020/21.

Leia Também:  BOI/CEPEA: Valorização do bezerro reduz poder de compra do terminador

 

E os resultados apresentados neste Especial Batata 2020 reforçam a diferença entre a “segurança” em comercializar a produção com a indústria (em que há menor risco de rentabilidade, já que os preços são pré-acordados entre as partes) e a negociação da batata no mercado in natura (em que, em alguns momentos, proporciona rentabilidade bastante alta, mas, em outros, pode resultar em prejuízo). Para 2021, é importante que o produtor tenha muita cautela, tendo em vista que possíveis fortes aumentos na oferta podem pressionar as cotações e desfavorecer a rentabilidade.

 

Você também encontra nesta edição:

 

ALFACE – Setembro se inicia com baixa oferta e boa demanda, mas cenário se inverte no fim do mês

BANANA – Preços da nanica e da prata disparam em setembro

BATATA – Calor acelera colheita e preço cai pelo quarto mês seguido

CEBOLA – Menor oferta nacional eleva cotações em setembro

CENOURA – Área diminui e cultura segue com boa rentabilidade

CITROS – Clima reduz oferta e preço sobe pelo 5º mês consecutivo

Leia Também:  Plantio da soja em MT alcança 8,19% da área semeada em outubro

MAÇÃ – Com graúdas valorizadas, venda de miúdas aumenta em setembro

MAMÃO – Clima quente eleva oferta e preços do havaí despencam

MANGA – Apesar de queda, preço ainda é superior ao de 2019

MELANCIA – Preço recua, mas continua superior ao de set/19

MELÃO – Exportações a todo vapor enxugam oferta interna

TOMATE – Mesmo com calor, cotações sobem em setembro

UVA – Restrição na oferta nacional segue elevando cotações

 

Clique aqui para acessar a revista completa!

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o mercado de hortifrúti aqui e por meio da Comunicação do Cepea, com a pesquisadora Margarete Boteon: [email protected].

Fonte: CEPEA

Propaganda

Momento Agro

BATATA/CEPEA: Com normalização da colheita, preços registram forte alta em outubro

Publicados

em


Cepea, 21/10/2020 – Os preços da batata vêm registrando acentuadas altas neste mês frente a setembro. Na primeira quinzena de outubro (1° a 16), o valor médio do tubérculo tipo especial lavado foi de R$ 96,27/sc, 76% acima do registrado em setembro. Segundo colaboradores do Hortifrúti/Cepea, o volume colhido em setembro era maior, devido ao pico da safra de inverno. Além disso, as atividades foram aceleradas pelas altas temperaturas e falta de chuvas. Já em outubro, a disponibilidade diminuiu – a desaceleração da safra de inverno é comum nesta época, principalmente em Vargem Grande do Sul (SP), que sempre encerra as atividades em outubro. As temperaturas também diminuíram um pouco, normalizando o ritmo da colheita, já que não há receio de perdas em termos de volume e qualidade. Para novembro, a perspectiva é de que a oferta se mantenha controlada, devido ao “adiantamento da oferta” em setembro. Além disso, o La Niña pode reduzir os volumes de chuva no Sul do País e afetar o plantio/desenvolvimento das lavouras da safra das águas de 2020/21. Segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), o fenômeno se iniciou em agosto deste ano, e, de acordo com a agência australiana Bureau de Meteorologia (BOM), pode se estender até fevereiro de 2021. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Leia Também:  TRIGO/CEPEA: Retração vendedora sustenta cotações
Fonte: CEPEA

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA