Momento Agro

Presidente da Acrimat participa de evento e fortalece relacionamento com a EMBRAPA

Publicados

em

Oswaldo Pereira Ribeiro Júnior, o diretor-presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (ACRIMAT), se fez presente na abertura do evento Famato Embrapa Show que ocorreu na noite desta quarta-feira (22.06) em prol de fortalecer as parcerias que foram feitas em junção com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) para a realização de pesquisas voltadas à produção de carnes.

Realizado no Cenarium Rural, em Cuiabá, o evento reúne cerca de 60 profissionais, entre pesquisadores e técnicos de transferência de tecnologia, que apresentam mais de 60 soluções, aplicações, equipamentos, produtos, cultivares e contratos de produção desenvolvidos pela Embrapa. Há também produtores rurais, presidentes de sindicatos rurais, estruturas de cadeias agrícolas, políticos e governantes.

Na abertura do evento, Oswaldo Pereira Ribeiro Júnior destacou a importância de eventos como a Famato Embrapa Show para a integração de entidades independentes e filiadas, como a Acrimat, na promoção e divulgação de pesquisas alinhadas às necessidades do mercado.

Ademais, Oswaldo ressalta a importância do trabalho da Embrapa para apoiar a cadeia produtiva da carne e gerar maior eficiência e sustentabilidade no setor. A Embrapa é uma das maiores empresas de pesquisa agropecuária do país.

Leia Também:  CAFÉ/CEPEA: Colheita avança, mas volume disponível e liquidez seguem baixos

“A Acrimat parabeniza a iniciativa da Famato em mostrar o que as várias unidades da Embrapa estão fazendo em termos de pesquisa e inovação. Fazer uma vitrine tecnológica dos principais trabalhos da Embrapa significa aproximar a ciência da sociedade e, principalmente, dos produtores rurais”, afirmou Oswaldo Pereira, que possui assento como membro do Comitê Assessor Externo da Embrapa unidade Gado de Corte, em Mato Grosso do Sul (MS), disse Oswaldo Pereira, que possui assento como membro do Comitê Assessor Externo da Embrapa unidade Gado de Corte, em Mato Grosso do Sul (MS).

Além de participar da Embrapa Gado de Corte, a Acrimat mantém um acordo de cooperação com a Embrapa unidade Agrossilvipastoril, em Sinop (MT), para pesquisar programas de pecuária nos sistemas integrados. O foco está nas emissões de gases de efeito estufa e no sequestro de carbono em pastagens e árvores.

Um novo estudo com foco na produção sustentável, que agora é uma agenda global e uma abordagem que deve ser adotada por todos os produtores rurais, deve ser feita de uma nova forma.

Leia Também:  AÇÚCAR/CEPEA: Apesar do maior volume negociado, média semanal do Indicador recua

“Acreditamos que a pesquisa deva ser direcionada para as necessidades do produtor e do mercado, trazendo inovação e competitividade ao Brasil e ao agronegócio. Devemos muito à Embrapa pelo desenvolvimento do Cerrado brasileiro. E a Acrimat se orgulha de ser parceira de algumas unidades da Embrapa em vários projetos de pesquisa relacionados a pecuária, meio ambiente e sustentabilidade”, concluiu Oswaldo Pereira.

Famato Embrapa Show

A programação de técnica do Famato Embrapa conta com painéis de debate compostos por palestras e perguntas e respostas.

Alguns temas foram destacados nos planos por conta de seu futuro status estratégico agro-mato-grossense. São eles: solo sustentável, potencial agrícola, sistemas integrados de produção e controle integrado de pragas.

O evento se encerra na sexta-feira (24.06) e a programação completa está disponível aqui.

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

Propaganda

Momento Agro

LEITE/CEPEA: Preço ao produtor acumula alta real de 20,6% no ano

Publicados

em

Clique aqui e baixe o release completo em word.

Cepea, 30/06/2022 – O preço do leite captado em maio/22 e pago aos produtores em junho/22 registrou aumento de 5,3% frente ao mês anterior, chegando a R$ 2,6801/litro na “Média Brasil” líquida do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Esta é a quinta alta mensal consecutiva, de modo que, desde janeiro, o leite no campo acumula valorização real de 20,6% (valores deflacionados pelo IPCA de maio/22).

Os preços do leite no campo seguem em alta, devido à menor produção. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o volume de leite cru industrializado pelos laticínios brasileiros diminuiu 10,3% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2021. Com isso, as indústrias de laticínios seguem em disputa pela compra do leite cru, matéria-prima para a produção de lácteos, para tentar evitar capacidade ociosa de suas plantas.

A restrição de oferta do leite – e, consequentemente, dos lácteos – é explicada pela entressafra da produção. Com o inverno e clima mais seco, a qualidade e disponibilidade das pastagens cai e, por isso, a alimentação do rebanho é afetada, levando à queda na produção. E é preciso destacar que, neste ano, o fenômeno climático La Ninã também intensificou os efeitos sazonais de diminuição da oferta.

Leia Também:  ARROZ/CEPEA: Preço se recupera neste ano, mas ainda está abaixo do patamar do 1º sem de 2021

Ainda que o componente climático seja importante para explicar esse cenário, não seria exagero dizer que o principal fator que explica essa alta substancial dos preços é, de fato, o aumento dos custos de produção. Segundo pesquisas do Cepea, o Custo Operacional Efetivo (COE) da atividade esteve em alta nos últimos três anos – de janeiro de 2019 a maio de 2022, o avanço no COE foi de expressivos 56%.

Observa-se, assim, que toda estrutura de produção foi se encarecendo nos últimos anos, espremendo as margens dos produtores. Diante desse cenário, muitos pecuaristas enxugaram investimentos ou saíram da atividade. Para assegurar alguma rentabilidade, produtores também recorreram ao abate de animais, atraídos pelos elevados preços da arroba. De acordo com dados do IBGE, o número de vacas e novilhas abatidos no primeiro trimestre de 2022 aumentou 11,4% e 17,2%, respectivamente, em relação ao mesmo período do ano passado.

Levando-se em conta que a produção de leite é uma atividade de ciclo operacional longo, pode-se dizer, portanto, que esse cenário observado atualmente é resultado de um longo período de aumentos consistentes nas cotações dos insumos agropecuários, que corroeu margens de produtores e de laticínios por muitos meses. Agentes do setor consultados pelo Cepea relatam que essas altas nos preços dos lácteos vinham sendo represadas, já que a demanda brasileira está bastante fragilizada. Contudo, a redução drástica da oferta levou a uma situação generalizada de queda nos estoques de derivados lácteos, o que tem sustentado o avanço dos preços ao consumidor.

Leia Também:  ALFACE/CEPEA: Procura é baixa, mas oferta reduzida sustenta cotações

PERSPECTIVA – A expectativa do setor é de que os preços no campo sigam firmes, à medida que a oferta continuou baixa em junho. O levantamento do Cepea mostra que, em Minas Gerais, o preço médio mensal do leite spot subiu fortes 26,2% de maio para junho, em termos reais, chegando a R$ 3,80/litro na média mensal. Grade parte desse aumento ocorreu da primeira para a segunda quinzena do mês, quando o preço médio subiu 20,8% e atingiu R$ 4,16/litro. Com a matéria-prima mais cara e estoques enxutos, os derivados lácteos seguiram fortemente valorizados em junho. De acordo com a pesquisa do Cepea/OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), na negociação entre laticínios e canais de distribuição do estado de São Paulo, os preços médios mensais do leite UHT e da muçarela avançaram quase de 18% de maio para junho.

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre o mercado lácteo aqui, por meio da Comunicação do Cepea e com a pesquisadora Natália Grigol: [email protected]

Fonte: CEPEA

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI