Momento Cidades

Audiência de conciliação define critérios para elaboração de novos decretos municipais

Publicados

em


Municípios de todo o estado poderão adotar critérios semelhantes aos de Cuiabá na elaboração de decretos com medidas de controle contra a covid-19, desde que observadas algumas alterações. A definição foi um dos resultados da audiência de conciliação realizada nesta quarta-feira (7), a pedido da Associação Mato-grossense dos Municípios – AMM. A reunião virtual foi coordenada pelo Tribunal de Justiça e contou com a participação do presidente da AMM, Neurilan Fraga, de prefeitos, do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, entre outras autoridades. A audiência foi conduzida pelo desembargador Mário Roberto Kono de Oliveira.

Conforme o acordo firmado no TJ com os gestores,  ficou definido que o decreto de Cuiabá será seguido com alterações, como a adoção do escalonamento de horários de funcionamento por segmento, rodízio de empregados, aumento da frota do transporte coletivo, expansão dos locais de vacinação e intensificação da fiscalização das medidas sanitárias com o auxílio da Polícia Militar, no que couber.

Ficou definido, ainda, que as atividades consideradas essenciais serão baseadas no decreto federal 10.282/2020. Ficará sob a responsabilidade do Governo do Estado atualizar o estudo técnico científico sobre os horários adequados para o funcionamento do comércio e a segurança da população, com a extensão do horário do toque de recolher e exclusão de barreiras  sanitárias.  Ficou estabelecida a data de 14 de abril para a resposta do estudo do Governo.

O presidente da AMM, Neurilan Fraga, disse que o pedido  da reunião foi motivado pelo acordo efetivado no dia 1º de abril envolvendo a prefeitura de Cuiabá e o Estado. “Defendemos que as medidas de restrição de combate à pandemia, contidas no referido acordo, sejam também estendidas aos demais municípios de Mato Grosso”, frisou. Entre as medidas que foram definidas com a prefeitura de Cuiabá, está a flexibilização do funcionamento das atividades comerciais que não fazem parte das consideradas essenciais. 

Antes da audiência de conciliação, um grupo de prefeitos se reuniu para deliberar sobre os itens que seriam incluídos na proposta de decreto a ser estabelecido nos municípios, com critérios semelhantes aos adotados em Cuiabá. Uma das propostas da AMM e dos prefeitos é a  alteração do toque de recolher para as 22 horas, e o fechamento de várias atividades comerciais às 21 horas. Ele frisou que a pressão é muito grande do setor empresarial. “Queremos estender o horário de atendimento no comércio também para evitar maiores aglomerações”, afirmou.

Representando o governador, o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, disse que o maior interesse do governo é voltar a normalidade e que todas as medidas discutidas para o acordo serão avaliadas. O governo, ao editar o decreto no início de março, se baseou no percentual de ocupação dos leitos de UTIS, que atingiu 98%.  A flexibilização de horário depende da queda deste percentual até 85%. “Já estamos tendo uma melhoria, mas ainda não é o suficiente. As pessoas que necessitam vão ocupar os leitos de municípios que apresentam baixa, ou seja, que  esteja em classificação baixa de contaminados e de óbitos”, disse.

O desembargador Mario Kono, que intermediou o acordo, ressaltou que o MP defende um fechamento geral de todas as atividades, mas ele entende que é uma decisão muito difícil para o setor econômico. “Se adotar lockdown, vai parar no Supremo. Havendo a judicialização será pior”, afirmou. Ele ressaltou o trabalho da AMM na conscientização dos prefeitos, pois havendo a diminuição de casos de internação de UTI, haverá mais possibilidade de flexibilizar as medidas.  

Fonte: AMM

Leia Também:  Presidente da AMM demonstra indignação com a CPI do Senado para investigar prefeitos
Propaganda

Momento Cidades

Live vai reunir profissionais da Educação para discutir os impactos sociais do programa ‘A União Faz a Vida’

Publicados

em


Jorge Pinho

Clique para ampliar

Profissionais de seis unidades educacionais da rede pública municipal de Cuiabá estarão participando nesta quarta-feira (14), às 9 horas, da live nacional do Programa União Faz a Vida. A live que será transmitida no canal do Youtube, do programa, vai apresentar os resultados de um estudo, sobre os impactos sociais do programa. A União Faz a Vida, criado em 1995, é o principal programa de Educação da Cooperativa Sicredi e, é desenvolvido pela Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Educação (SME), através de um convenio.

A coordenadora técnica de Ensino da Secretaria Municipal de Educação, Zileide Lucinda dos Santos contou que o programa  é executado na rede pública municipal de Educação há oito anos, por meio da adesão das unidades educacionais. A escola piloto do programa em Cuiabá foi a EMEB Ten. Octacílio Sebastião da Cruz, localizada no CPA III.

Atualmente seis Escolas Municipais de Educação Básica participam do programa. Ao todo estão envolvidos cerca de 134 professores, 9 Técnicas de Educação Infantil (TDI) e 2.300 crianças/estudantes, da Educação Infantil até o 6º Ano. Além da formação dos profissionais, o programa possui material estruturado para os estudantes e orientação aos pais.

Leia Também:  Stopa avalia primeiro trimestre à frente da Secretaria de Obras Públicas: "Desafiador e extremamente positivo"

“O programa é desenvolvido dentro dos princípios da cooperação e da cidadania a partir de uma metodologia de ensino que privilegia o empreendedorismo e oportuniza novos projetos e descobertas. Em Cuiabá, o programa vem transformando a vida de milhares de crianças e adolescentes, educadores e famílias”, disse a secretária adjunta de Educação, Débora Marques Vilar.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA