Outra ação que trará reflexos diretos à segurança em Sorriso é o convênio na ordem de R$ 1,8 milhão que tem como foco a substituição de semáforos em vias de intenso movimento em Sorriso.

Este convênio, explica Moura, foi selado na tarde de quinta-feira (1.º de julho), após o evento que reuniu representantes de Sorriso e de toda a região.

Leia Também:  Instituto Osvaldo Cruz revela que MT apresenta alto risco para surtos de zoonoses doenças provinientes de animais

Para o prefeito, os investimentos são necessários para dar fôlego ao desenvolvimento sustentável de Sorriso.

“Nosso Município cresce na casa dos 20% ao ano, e o trânsito acaba mostrando um reflexo direto desse crescimento acelerado, por isso, é indispensável seguirmos com ações de modernização de nossa infraestrutura”, contextualizou Ari, acrescentando que um novo quartel para os bombeiros é igualmente indispensável.

“A estrutura que a corporação ocupa hoje já está inadequada aos nossos bombeiros e um novo quartel, dentro de todas as necessidades e particularidades que a corporação demanda, é indispensável para o Município”, reforçou o gestor.

Na oportunidade, também foi solicitado ao Estado o reforço de efetivo de todas as forças de segurança e uma nova sede para a Politec, por meio da edificação de um novo prédio próximo à nova sede da Delegacia de Polícia Judiciária Civil (PJC), que está sendo construída na Avenida Los Angeles.

Ainda na capital do Estado, o grupo sorrisense buscou, junto à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), informações acerca da Estrada Sodema, que passará por um processo de estadualização, visto que a vicinal está na divisa com os municípios de Vera e Nova Ubirarã e, inclusive, está no lote de análise para ser pavimentada via programa Agroestrada, prevê obras em rodovia com plataforma de, no mínimo, 10 metros de largura e com cinco metros de pavimento (pista de rolamento).

Leia Também:  Athletico paranaense dá show de futebol no Allianz Parque e vence o poderoso Palmeiras pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro

Pelo programa, o Estado irá repassar 50% dos recursos necessários para a execução dessas obras e em contrapartida as Prefeituras devem arcar com os 50% do total da obra, podendo essa contrapartida ser financeira ou não financeira, como na prestação de serviços de execução.