Momento Destaque

Barbárie: Grupo de milicianos assassinos conhecido por “Trem-Bala” promove banho de sangue em chacina mata cinco e deixa 12 feridos

Publicados

em

Cinco pessoas foram mortas e outras doze ficaram feridas em uma chacina ocorrida no município de Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife. Na foto, um dos ingrantes do grupo, preso.

O crime aconteceu por volta das 23h30 deste domingo (9), e as mortes ocorreram em dois locais diferentes na cidade.

Entre os mortos na chacina, estão três homens e duas mulheres. Os primeiros assassinatos ocorreram na Praça Rurópolis, em um local que vende espetinhos e pastéis.

De acordo com a Polícia Civil, homens armados chegaram em dois carros e começaram a disparar tiros.

“Foram dois carros, segundo populares, um branco e um cinza. Desceram e disseram logo assim na praça onde havia um pessoal comendo pastel e espetinho: ‘Ninguém corre’. Só que o pessoal correu e foram diversos tiros. Nesse local, foram atingidas 12 pessoas e mais três morreram. Dois morreram no local e uma senhora foi socorrida para a UPA [Unidade de Pronto-Atendimento] municipal e veio a óbito na UPA”, disse o delegado Joaquim Braga.

Em seguida, mais dois homens foram assassinados em outro local de Ipojuca, homicídios cometidos pelo mesmo grupo criminoso, segundo o delegado que registrou o caso.

Leia Também:  Cumprindo mandado de prisão da Justiça do Estado do Pará Polícia de MT prende homem acusado de matar mulher a tiros em Itaituba PA

“Não satisfeitos, os bandidos foram descendo pela rodovia PE-60 e, quando chegaram na lombada eletrônica na entrada de Ipojuca, subiram em um imóvel com primeiro andar e executaram outras duas pessoas. Alguém deve ter passado um informe para eles, que foram lá e executaram”, afirmou.

Os feridos foram levados para quatro unidades de saúde: Dom Helder Câmara, no Cabo de Santo Agostinho, também no Grande Recife; Unidade Mista Santo Cristo Ipojuca; Hospital da Restauração, na área central da capital pernambucana; e a UPA de Ipojuca.

Uma das vítimas, de idade não divulgada, ficou gravemente ferida, segundo o delegado. Identificado pela polícia como Gilson Lima, ele foi levado para o Hospital Dom Helder Câmara. Após passar por cirurgia, tem quadro clínico estável, sem previsão de alta, segundo a assessoria de comunicação da unidade de saúde.

A motivação da chacina não foi informada pela Polícia Civil, mas uma linha de investigação em curso é a disputa pelo comando do tráfico de drogas na região, de acordo com Joaquim Braga.

“O pessoal fala muito desse grupo [criminoso] Trem-Bala. Eu tenho, para mim, que talvez eles estejam querendo nos desafiar. Aterrorizam tanto o Cabo [de Santo Agostinho] quanto Ipojuca. A polícia tem trabalhado, empreendido um trabalho grande no sentido de prender esse pessoal. Tudo roda no tráfico de drogas”, explicou o delegado.

Leia Também:  Multidão que aplaudiu o Presidente Jair Bolsonaro em visita a Sinop vaiou o Governador de MT Mauro Mendes que demonstrou constrangimento

A Polícia Civil apura quantos criminosos participaram da chacina. “Pela quantidade de tiros, não acho que tinham menos de quatro pessoas em cada carro. Tinha um cartucho de [espingarda] 12 e 9 milímetros e de pistola 380. Tiro no rosto da pessoa, na nuca, dilacerando. Realmente, foi uma barbaridade. Vamos trabalhar para ver se a gente coloca esses elementos na cadeia para que as pessoas possam ter paz”, contou.

Os criminosos conseguiram fugir, e ninguém foi preso até a última atualização desta reportagem.

“Houve uma perseguição por parte dos policiais militares na PE-42, estrada que vai no sentido de Escada [cidade da Zona da Mata]. Eles [os bandidos] chegaram a derrapar e perderam velocidade, mas não conseguimos prender. Tem câmeras nos locais [dos assassinatos], e isso vai nos ajudar a identificar os possíveis autores”, declarou o delegado.

Otavio Ventureli(G1 PE)

Momento Destaque

Abatido, Governador Mauro Mendes fala sobre a estrondosa vaia que recebeu em discurso durante visita do Presidente Bolsonaro à Sinop MT e Sorriso MT

Publicados

em

Abatido, o Governador de Mato Grosso, Mauro Mendes(foto), falou nesta sexta-feira(18) sobre as estrondosas vaias que recebeu em Sinop MT e Sorriso MT, durante a visita do Presidente Jair Bolsonaro à Região.

O chefe de Estado afirmou que ter 30 pessoas o vaiando não muda nada em sua conduta. Além disso, o Mendes disse ainda que em meio  às vaias tinham muitos servidores públicos e cidadãos comum, o que se torna natural na visão dele, uma vez que, ele não tem intenção de agradar a todos os mato-grossenses. Vaia sempre foi um tormento para políticos.

“Não tenho a pretensão de agradar 100% dos mato-grossenses. Quem toma a decisão correta agrada alguns, mas desagrada outros. As minhas decisões sempre foram para a maioria. Quando se toma decisões para a maioria, desagrada uma minoria. Não se conserta um estado quebrado como estava Mato Grosso fazendo média”, desabafou Mendes.

Mauro Mendes destacou durante discurso que foi preciso tomar algumas decisões rígidas contra ruralistas, entre outras áreas, e que, muitos deles estavam hoje na frente do palanque o aplaudindo e afirmou que haviam servidores público no meio que o vaiaram. “Tive que tomar decisões duras contra os produtores, comércio e indústria. Hoje, os produtores que estavam na frente me aplaudiram o tempo todo. É obvio que no meio tinha muitos servidores, cidadãos comuns. Isso é natural. Gestão se faz para maioria. Se desagrada alguns, tem o direito de se manifestar”, disse.

Leia Também:  11 pessoas são denunciadas pelo MPE MT por formação de organização criminosa com objetivo de roubar recursos públicos da AL MT

O governador justificou o protesto em Sinop e Sorriso dizendo que a população está revoltada por conta das medidas tomadas por ele nos últimos dias. “As pessoas estão vaiando pois tive que tomar medidas duras. Ter 30 pessoas me vaiando não muda em nada a minha conduta. Isso não me irritar”, concluiu.

Visita de Bolsonaro a MT

Em sua passagem pelo Mato Grosso nesta sexta (17), o presidente Jair Bolsonaro, ntregou títulos rurais e participou do lançamento da safra de soja 2020/2021.

Em discurso, Bolsonaro minimizou a dimensão das queimadas  que assolam os três biomas de Mato Grosso, atingindo quase 20% do Pantanal e que avança no Cerrado e na Amazônia. Em outro momento, voltou a fazer comentários polêmicos sobre a pandemia da Covid-19 e considerou “conversinha mole” o isolamento social ao destacar o setor do agronegócio por “não ter parado”. Ele parabenizou o Estado por não cumprir o isolamento social.

“Vocês não pararam durante a pandemia, vocês não entraram naquela conversinha mole de ‘fica em casa e a economia a gente vê depois’, isso é para os fracos. O vírus, eu sempre falei, era uma realidade e que tínhamos que enfrentá-lo perante aquilo que não podemos fugir”, disparou.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA