Momento Destaque

Impunidade: Adolescente que matou Isabele friamente é liberada de cumprir pena nesta quarta(16) um dia depois da internação

Publicados

em

A adolescente apontada como responsável pela morte em Cuiabá (MT) de Isabele Guimarães, de 14 anos, conseguiu nesta quarta-feira (16) habeas corpus para que seja liberada de cumprir medida socioeducativa.

A decisão da Justiça foi tomada uma dia depois da internação dela,  após a defesa alegar que a medida é ilegal.

Isabele morreu com um tiro na cabeça disparado a queima roupa na noite do  dia 12 de julho deste ano no condomínio de luxo Alphaville, em  Cuiabá, onde morava a amiga, de 15 anos. O disparo foi feito pela adolescente, que, durante as investigações, alegou ter sido acidental. As perícias confirmaram que o disparo foi mesmo com a intenção de matar.

Na noite dessa terça-feira (15), a garota se apresentou à Delegacia Especializada do Adolescente, após a juíza Cristiane Padim, da Vara da Criança e da Juventude de Mato Grosso, determinar a internação dela por 45 dias.

A decisão pela internação atendeu a um pedido do Ministério Público Estadual (MPE), que entendeu que a adolescente cometeu ato infracional análogo ao crime de homicidio doloso, quando há intenção de matar, quando há intenção de matar.

Leia Também:  Polícia procura assassinos de um homem de 21 anos morto a tiros na tarde deste domingo(27) no bairro Pioneiro em Lucas do Rio Verde MT

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp-MT) informou nesta quarta-feira(16) que ainda não havia sido notificada sobre a decisão que determina que a garota seja liberada.

A Sesp informouque a adolescente foi levada para a ala feminina do Complexo Pomeri, em Cuiabá. Ela passou a noite na unidade isolada das demais,  seguindo o protocolo de prevenção contra o novo coronavírus, que estabelece sete dias para monitoramento das condições de saúde e possíveis sintomas.

Após este período, segundo a Sesp-MT, a menina seria integrada à rotina da unidade, junto com as demais internadas. Segundo a secretaria, a adolescente recebe atendimento psicossocial. O Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) feminino de Cuiabá possui 15 vagas e atualmente abriga 5 adolescentes.

Logo depois da morte de Isabele, a polícia ouviu a amiga da vítima. Ela alegou que subiu até o quarto dela, que fica no andar de cima do sobrado onde Isabele morreu, para guardar a arma do namorado. Isabele estava no banheiro do quarto nesse momento.

A adolescente disse que pegou o case, maleta onde estavam as duas armas,e subiu, 0bedecendo ao Paí, empresário Marcelo Cestari. Apesar de supostamente está guardada, a arma estava carregada.

Leia Também:  Campanha Política começa em todo o País e em MT candidatos já colocaram seus respecticos "blocos" nas ruas em busca do precioso voto

Segundo ela, uma das armas caiu no chão e a adolescente tentou pegar, mas se desequilibrou ao levantar e o objeto acabou disparando, quando ela estava do lado de fora de banheiro. No entanto, essa versão foi contestada por laudos periciais.

Otavio Ventureli(da redação)

Momento Destaque

Prefeito de municipio de Mato Grosso é preso por agentes do Naco e Gaeco no interior de agência bancária suspeito de receber propina

Publicados

em

O Prefeito de Rondolândia, municipio de Mato Grosso,  Agnaldo Rodrigues de Carvalho foi preso na manhã desta quarta-feira (30) dentro de uma agência bancária, pelo Grupo Operacional do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco-Criminal), com auxílio do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), por suspeita de receber parte dos salários dos médicos que prestavam serviço à Secretaria de Saúde da cidade.

Carvalho já era investigado pela Polícia Civil pelo crime de corrupção e, com base nas provas colhidas no inquérito, o desembargador Marcos Machado, atendendo ao pedido formulado pelo coordenador do Naco, procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda, que pediu a prisão preventiva dele.

Além do prefeito, a ex-secretária de Saúde da cidade, Kátia Monteiro, também é alvo da investigação. Segundo apurado, ambos receberam propina do empresário Nélio de Matos Júnior em contrato celebrado entre a empresa F.M. da S. Santos com a prefeitura de Rondolândia, visando o fornecimento de serviços de plantão médico.

Leia Também:  Mãe de rapaz encontrado sem cabeça as margens do Rio dos Macacos em Sinop MT reconhece o filho por tatuagem e ajuda na identificação

O empresário estaria pagando aos médicos vinculados à empresa um valor menor do que o  previsto no contrato e a diferença ele repassava ao prefeito e à ex-secretária de Saúde. No mês de agosto, durante cumprimento de mandados de busca e apreensão policiais do Naco e do Gaeco conseguiram apreender com Nélio de Matos Júnior, uma agenda e  anotações constando a “contabilidade” da propina que era paga, bem como comprovantes de depósitos feitos em contas correntes de terceiros indicados pelo prefeito e pela ex-secretária.

Segundo o delegado Rodrigo Azem, que comanda o Grupo Operacional do Naco, depois de ser apreendido todo esse material o empresário resolveu confessar o esquema criminoso.  “Ele não teve como negar que pagava a propina desde o início do contrato que foi firmado entre a empresa dele e a prefeitura, embora, muita coisa ele deixou de revelar, porém estamos apurando tudo”, afirmou.

Na ocasião em que os mandados de busca e apreensão foram cumpridos, segundo ele, o prefeito Agnaldo Rodrigues de Carvalho fugiu da cidade ao perceber  a movimentação dos policiais em Rondolândia. Na sua casa foram apreendidos não apenas documentos, mas, também armas e munições irregulares.

Leia Também:  Polícia procura assassinos de um homem de 21 anos morto a tiros na tarde deste domingo(27) no bairro Pioneiro em Lucas do Rio Verde MT

MOTIVOS DA PRISÃO

De acordo com a ordem judicial, a prisão preventiva ocorrida nesta quarta feira(30)  busca garantir a ordem pública, evitar a reiteração criminosa, assegurar a  aplicação da lei penal e, também,  por conveniência da instrução criminal.

Segundo o coordenador do Naco, procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda, o inquérito policial deverá ser encerrado com a prisão e o interrogatório do prefeito e de outras pessoas envolvidas no esquema. Depois disso, no prazo máximo de quinze dias, será apresentada a denúncia  criminal contra os envolvidos perante o Tribunal de Justiça.

 

 

Otavio Ventureli(com ascomPJC)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA