Momento Destaque

Classe ultrajada: Jornalista de MT cria canal “Cheiro Verde” no Youtube de apologia a maconha com receitas de comidas e bebidas com a droga

Publicados

em

A jornalista e MC mato-grossense Flor Costa(na foto com um comparsa) tem chamado atenção após criar um canal no Youtube para fazer receitas de comidas e bebidas com maconha.

A jovem, que morava em Cuiabá e agora reside em São Paulo (SP), possui diversas fotos no Instagram em que aparece fumando um cigarro semelhante à droga.

A youtuber criou um canal denominado “Cheiro Verde”. A conta está com 217 inscritos e possui quatro vídeos de “culinária”. O mais visualizado é uma gravação chamada “Pão de Queijo” com 707 visualizações. O vídeo citado foi o primeiro da “série”.

No set de gravação é possível ver algumas almofadas que se assemelham a uma folha de maconha. Em todos os vídeos, a idealizadora do projeto apresenta os trabalhos culinários em meio a rimas.

No vídeo mais recente, divulgado na última quarta-feira (2), Flor realiza a gravação ao lado de um amigo. O homem, que não teve o nome revelado, afirma que irá ensinar um coquetel com maconha chamado “Vatos Loko”.

A bebida, segundo os protagonistas, é uma adaptação do mojito, que é feito à base de rum branco originário de Cuba, diferente do coquetel da youtuber que possui alguns ingredientes canábicos.

Leia Também:  Na sexta(25) sangrenta em Várzea Grande MT Polícia registra dois homicidios com características de execução durante a noite

“Hoje a gente vai fazer uma parada meio diferente. Estamos aqui para gente preparar uma coquetelaria canábica. A gente vai fazer um coquetel muito louco”, disse o homem.

Ainda durante os trabalhos, o homem chega a usar um perfume de maconha para, segundo ele, trazer um “vibe” melhor ao meio ambiente.

“Nós vamos dar aquela turbinada porque nosso canal é espacial, canal ativista”, diz o homem aos risos. Depois ele continua: “Então, a gente vai usar no final (do vídeo) uma tintura canábica para dar aquela especiada (SIC) no nosso coquetel. Nós vamos usar também um perfume canábico para ser usado no ambiente para trazer aquela vibe”, destacou o homem.

No último domingo (6), Flor postou uma foto em seu Intagram. Ela recortou uma foto do último vídeo e colocou a seguinte descrição: Domingo, álcool e maconha. Quer coisa melhor?”, questionou.

Vale lembrar que a incitação ao uso de drogas, segundo o Código Penal, é crime.

 

Otavio Ventureli(da redação com hntnoticias)

 

Momento Destaque

Levantamento da Secretaria de Segurança Pública de MT aponta que crimes não autorizados de intimidade sexual aumentaram 367% no Estado

Publicados

em

Um levantamento realizado pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) apontou que as principais ocorrências envolvendo vítimas femininas em Mato Grosso reduziram entre os meses de janeiro e agosto, em relação ao mesmo período do ano passado. Em contraponto, o número de feminicídios no estado aumentou 40%.

Já os casos que configuram o Artigo 216-b do Código Penal, que é produzir, filmar ou fotografar por qualquer meio conteúdo com cena de nudez ou ato sexual sem permissão dos participantes, tiveram aumento de 367%, passando de três casos em 2019 para 15 casos neste ano.

Conforme a tenente coronel da Polícia Militar, Jane Souza Melo, grande parte das ocorrências foram motivados por crimes passionais ou sob influência de álcool. Ela ressaltou ainda que antes das agressões, os primeiros sinais são os abusos psicológicos, incluíndo xingamentos e humilhações.

O crime mais comum, que é a ameaça, teve redução de 14%, com 11.640 casos este ano e 13.524 em 2019, seguido de lesão corporal, com queda de 10%, com 6.115 casos contra 6.759 no ano passado.

Leia Também:  Servidor público é demitido após ofender professora: "Só pelo fato de eu ter um órgão masculino entre as pernas, já sou melhor que você"

“Diante de uma possível ameaça, é possível ligar no 190  ou entrar em contato com o Poder Judiciário. A dependência financeira pode gerar muitas vezes essa omissão, mas está sendo melhorada a questão de oferecer um abrigo para essas mulheres. Dizem que em briga de marido e mulher não se mete a colher, mete-se a colher sim porque precisamos fazer esse combate de uma forma eficaz”, pontuou.

Os casos de assédio sexual também registraram uma queda considerável de 31%, sendo que 106 casos ocorreram este ano e 154 casos no mesmo período do ano passado. O levantamento leva em consideração vítimas femininas entre 18 e 59 anos.

Já a porcentagem dos casos de estupro de vulnerável aumentaram cerca de 6%, com 33 casos no estado e seis na Capital. A psicóloga Flaviane Camargo afirmou que no período da pandemia, as denúncias de violência domésticas não são facilmente registradas devido ao isolamento.

“O ideal é procurar alguém de confiança, conhecido, familiar ou vizinho que possa auxiliar em uma situação de alerta e possa ajudar a pedir socorro. Combine sinais de emergência e deixe o celular sempre próximo, tendo em mente recursos por redes sociais, ter telefones de emergência de forma facilitada”, destacou.

Leia Também:  Polícia Militar desarticula quadrilha de Mogi SP que vendia tintas falsificadas em MT com embalagens de empresas consolidadas no mercado brasileiro

Outros crimes cometidos contra a mulher, mas que são menos comuns também registraram aumento, como é o caso da importunação sexual, que teve 130 registros este ano contra 121 casos no ano passado, e da inviolabilidade domiciliar que aumentou de quatro casos no ano passado para 15 casos este ano, aumento de 275%.

 

 

Otavio Ventureli(com ascom)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA