Momento Destaque

Denúncias da existencia de quadrilha que administra saúde de Cuiabá derruba Secretária; nota não fala no bando só em “oxigenação” na pasta

Publicados

em

Após sucessivos escândalos na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro(foto) trocou o comando da pasta, retirando a agora ex-secretária Ozenira Félix e substituindo pelo administrador Célio Rodrigues da Silva.

Com a mudança, a gestão do emedebista sofre a sexta baixa de gestores contabilizada desde o primeiro mandato.

No anúncio oficial, emitido no final da tarde desta terça-feira (15), a Prefeitura de Cuiabá afirma que a mudança na SMS se dá em virtude de uma “reoxigenação” na pasta. Contudo, no comunicado não há referência a qualquer um dos escândalos envolvendo a pasta neste ano.

Para citar alguns exemplos das crises enfrentadas pela Saúde de Cuiabá neste ano, um dos casos que ganhou maior repercussão, tendo sido desdobrado inclusive em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), foi a denúncia de remédios vencidos no Centro de Distribuição de Medicamentos de Cuiabá (CDMIC).

Conforme noticiado pela reportagem, vereadores da oposição fizeram a denúncia na penúltima semana de abril. À época, milhares de remédios vencidos foram flagrados, sendo que parte dos medicamentos tinha o custo de até R$ 20 mil, a exemplo do AmBisome.

Poucas semanas depois, já no início de maio, a Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor) deflagrou a Operação Autofagia, na qual o coordenador de Saúde Bucal de Cuiabá e mais dois dentistas foram afastados de seus cargos por atos ilícitos.

Segundo as investigações, o coordenador de Saúde Bucal da SMS facilitava a transferência de dentistas para unidades em que o salário era maior. Depois da transferência, o coordenador e mais dois dentistas passavam a ameaçar os servidores para que devolvessem parte dos subsídios recebidos no salário.

Ainda no rol de crises na pasta, na última semana a Deccor deflagrou a segunda fase da Operação Overpriced, na qual a Justiça determinou o cumprimento de medidas cautelares contra 4 servidores que à época das investigações estavam na Saúde de Cuiabá.

Leia Também:  Politec realiza mutirão para emissão de 500 RGs em Juína; o objetivo é zerar a fila de espera e reduzir o prazo de entrega do documento de identidade no município

Na primeira fase, deflagrada em outubro de 2020, a operação custou o cargo do então secretário de Saúde, Luiz Antônio Possas de Carvalho por compra de remédios superfaturas durante a pandemia com dispensa de licitação. Menos de uma semana após a deflagração da segunda fase, a secretária foi substituída da pasta.

Além dos escândalos que atravessaram a pasta neste ano, a gestão da SMS também foi amplamente criticada pela atuação no combate à pandemia, sobretudo quanto à centralização da vacinação, atrasos na imunização e aglomerações nos polos.

Gestores afastados

Antes de Ozenira, outros cinco membros do alto escalão da gestão Pinheiro já haviam sido afastados de suas funções na Prefeitura, são eles: secretário de Saúde Huark Douglas; secretário de Educação Alex Vieira; procurador-geral do Município Marcus Brito; o secretário de Saúde Luiz Antônio Possas de Carvalho e o secretário de Mobilidade Urbana Antenor Figueiredo.

O primeiro afastamento, no âmbito da Saúde municipal, foi registrado em dezembro de 2018, quando o então secretário Huark Douglas pediu exoneração de suas funções junto à prefeitura.

Na condução da Saúde na Capital, Huark foi alvo da Operação Sangria, que apurou irregularidades em contratos de prestação de serviços do setor médico de Cuiabá. À época, o então gestor alegou problemas pessoais e pediu o afastamento da secretaria.

Passado um ano e 6 meses após a saída de Huark, outro gestor da Prefeitura também foi afastado de suas funções. Em junho de 2020, o secretário municipal de Educação de Cuiabá, Alex Vieira, foi exonerado no âmbito da Operação Overlap.

Leia Também:  A Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) capacita servidores sobre construção e análise de indicadores

Investigação da Polícia Civil apurou que o então secretário utilizou da estrutura da Prefeitura para se beneficiar por meio de recebimento de dinheiro ilícito de empresas próprias que eram responsáveis por realizar obras para o Executivo municipal.

Ainda no bojo da Overlap, outra baixa registrada no staff de Emanuel foi a exoneração do procurador-geral do Município Marcus Brito. Na segunda fase da operação, em setembro de 2020, Brito virou alvo por favorecimento no esquema ilícito executado por Vieira.

O procurador-geral teria agido em benefício próprio, uma vez que durante o período em que foi secretário municipal de Inovação e Comunicação de Cuiabá autorizou a contratação de uma empresa de Alex Vieira – que era seu sócio.

Menos de um mês após o afastamento de Brito, o então secretário de Saúde Luiz Antônio Possas de Carvalho também foi exonerado. Possas deixou a Prefeitura em cumprimento à decisão judicial da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, durante deflagração da Operação Overpriced.

A investigação apurou suposto sobrepreço em compra realizada pela Saúde de Cuiabá de ivermectina – que é um vermífugo amplamente divulgado como potencializador da cura para a covid-19, ainda que sem consenso dentro da comunidade médica ou das instituições internacionais de saúde.

Por fim, antes da saída de Ozenira, o então secretário de Mobilidade Urbana Antenor Figueiredo foi exonerado da pasta pela constatação de irregularidades na aquisição dos semáforos inteligentes, constatadas na “Operação Sinal Vermelho”.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Momento Destaque

A Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) capacita servidores sobre construção e análise de indicadores

Publicados

em

A Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), por meio da Secretaria Adjunta de Planejamento e Gestão de Políticas Públicas, encerrou na manhã desta sexta-feira (30.07) a capacitação “Construção e análise de indicadores”, que teve como público-alvo servidores do Executivo estadual que atuam em áreas estratégicas e de desenvolvimento organizacional. Ao todo, 64 servidores participaram da capacitação.

A ação foi realizada com a parceria da Secretaria Adjunta da Escola de Governo e da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), ao longo desta semana, por videoconferência, e compreendeu seis módulos com aulas teóricas e oficinas práticas.

De acordo com o secretário adjunto de Planejamento e Gestão de Políticas Públicas, Sandro Brandão, a capacitação teve como objetivo proporcionar aos servidores o nivelamento conceitual e prático relacionado ao assunto.

“Essa é uma capacitação inicial, estruturante e voltada para o ensino da construção de indicadores sólidos sobre as ações do Governo de Mato Grosso. Para termos resultados perenes, temos que estruturar muito bem as nossas bases”, comentou Brandão durante a abertura dos trabalhos, na última segunda-feira (26).

Leia Também:  Seduc esclarece principais dúvidas sobre o retorno das aulas na modalidade híbrida; as aulas terão inicio no dia 03 de agosto
Fonte: GOV MT

 

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA