Ari Lafin frisa que todos os anos Sorriso realiza o trabalho de acompanhamento de ocorrências relativas à incêndios.

“Com a criação do Comitê queremos ampliar esse trabalho e destacar também a importância da ação preventiva que os produtores rurais realizam em suas propriedades”, explica. “Claro que a meta é prevenir, mas caso aconteça algo precisamos estar preparados para atuar”, salienta Ari.

O presidente do Comitê, Marcelo Lincoln, destaca que um dos objetivos é fazer um mapeamento das áreas de risco de incêndios no Município, visando o armazenamento de registros em um banco de dados que será mantido e gerenciado pela SAMA.

Leia Também:  Corinthians supera pressão no Bombonera em Buenos Aires e arranca um empate diante do Boca na noite desta terça pela Libertadores

“Ainda em abril nos organizamos para avançar na discussão de como atuar; também  buscamos o apoio de outras instituições, como a Câmara de Vereadores e universidades, por exemplo, para que esse processo se dê de maneira ininterrupta”, comenta.

Lincoln acrescenta que a função central do Comitê é, além de atuar na prevenção de incêndios por meio da sensibilização de toda a comunidade, também agir de maneira articulada e imediata no combate a possíveis incêndios, que “esperamos que não aconteçam”.

Ainda no fim de abril, Lincoln e o prefeito Ari Lafin apresentaram o escopo do projeto à ministra de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cistina,  e também ao ex-ministro do Ministério do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para pedir apoio ao projeto e se colocar à disposição do Governo Federal para atuações conjuntas.

Na sequência, em maio o escopo foi discutido em Cuiabá em um encontro que reuniu os secretários municipais Marcelo Lincoln (Agricultura e Meio Ambiente); Milton Geller (Obras e Serviços Públicos), Leonir Capitâneo (Transportes) e José Carlos de Moura (Segurança, Trânsito e Defesa Civil), a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzareti e representantes do Corpo de Bombeiros Militar.

Leia Também:  Fabio Garcia e entidades de defesa do consumidor querem redução nas contas de luz

“Precisamos quebrar este paradigma que relaciona o produtor rural à destruição das florestas, incutindo ao produtor o estereótipo de alguém que provoca queimadas”, aponta o prefeito, Ari Lafin, esclarecendo que a preservação da floresta é indispensável para o agronegócio, que só é rentável quando alicerçado nos princípios da sustentabilidade.

Ari acrescenta que Sorriso, localizada no “coração do Mato Grosso é a cidade brasileira com a maior produção agrícola”.

Nos 600 mil hectares de área produtiva de Sorriso, destacam-se commodities como soja, milho e algodão, com estimativa de produção – em toneladas – para a safra 20/21, de 2,1 milhões, 3,5 milhões e 167 mil, respectivamente, de acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) e “preservar o meio ambiente é fundamental para dar continuidade a esse trabalho”, destaca.

O prefeito também lembra que Sorriso é a sede da primeira Base Aérea de Combate a Incêndios Florestais da Amazônia, localizada no Aeroporto Regional Adolino Bedin. A base é o ponto de partida das aeronaves que poderão auxiliar no controle e combate a incêndios em toda a região norte do Mato Grosso.