Momento Destaque

Truculência: Durante a “fina” soltura da atiradora que matou Isabele coordenador do menina moça afirma que quer a Imprensa longe da porta do presídio

Publicados

em

Manobras de defesa e de privilégios marcaram a saída da ré B.C., 15, do Centro Socioeducativo Menina Moça, no final da manhã desta quarta-feira (16), após passar menos de 12 horas internada conforme decisão da 2º Vara da Infância e da Juventude de Cuiabá.

Agentes do Sistema Socioeducativo e policiais militares foram acionados para ‘afastar’ a imprensa da porta da unidade, o que foi considerado ‘prodecimento padrão’.

Invocando o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), coordenador da segurança do socioeducativo, Glauder Figueiredo, chegou dizendo que não iria impedir os trabalhos da imprensa, mas que queria repórteres, fotógrafos e cinegrafistas – que estão há mais de 50 dias envolvidos na cobertura da morte da menina Isabele Ramos – longe da porta do Menina Moça.

“Pelo ECA, a imagem da adolescente é preservada e temos um procedimento padrão de isolamento do local”, disse ele na tentativa de tirar a imprensa da porta, facilitando a saída da ré. O que foi contestado pelos jornalistas que cobrem a rotina policial, que nunca viram esse procedimento sendo aplicado.

Questionado sobre os agentes e a PM no local, ele afirmou que não há ‘segurança diferenciada’, alegou ainda que a família Cestari pediu apenas para que a integridade da ré fosse resguardada. E não foi só Figueiredo que usou o ECA para driblar a imprensa.

Leia Também:  Quando cariocas eram melhores, Pikachu comete pênalti infantil e o Coritiba volta a vencer neste domingo depois de cinco rodadas

Advogado de defesa da menina, Artur Osti, também falou com a imprensa e pediu para que a imagem dela fosse preservada, como prevê o ECA. Enquanto isso havia uma movimentação de veículos oficiais da Segurança Pública, bem como dos advogados.

“Vou pedir para todos vocês, que hipótese alguma façam alguma publicação com a imagem da menor. O espaço aqui é público, vocês têm o total direito de ficar aqui. Pedido para que continue sendo dado esse resguardo”, disse.

Questionado sobre a segurança reforçada e isolamento na porta do Menina Moça, ele normalizou a operação. “Se houver repercussão, como está havendo, é normal”, destacou. A menor deixou o Pomeri minutos depois sem que a imprensa a visse. Não se sabe por qual portão ela saiu.

HC concedido

Justiça decretou o habeas corpus da menor acusada de matar a amiga Isabela Ramos, 14, com tiro no rosto, menos de 11 horas após ela ter dado entrada no Centro Socioeducativo Menina Moça, em Cuiabá, para cumprir a internação preventiva de 45 dias. A defesa alegou ilegalidade, o que foi aceito.

“A decisão, em razão da sua ilegalidade, foi cassada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso em sede de Habeas Corpus Liberatório impetrado pela defesa. A menor responderá em liberdade à acusação que lhe foi imputada”, explicou o advogado Artur Osti, responsável pela defesa da menor.

Leia Também:  Reis do empate, Grêmio e Palmeiras ficam na igualdade em Porto Alegre com gols de Raphael Veiga para o verdão e Ferreira para os gaúchos

A decisão é do desembargador Rui Ramos e foi dada na manhã desta quarta-feira (16). Antes, a Justiça tinha até 45 dias para decidir o futuro da menor, que é o prazo que a internação provisória. Mas, em liberdade, já não há a mesma agilidade.

O caso

Isabele Guimarães Ramos, 14, foi morta com um tiro no rosto quando estava na casa da melhor amiga, uma adolescente de também 14 anos na época. A amiga alegou que o disparo que matou Isabele foi acidental, no entanto, o inquérito da Polícia Civil concluiu que o homicídio foi doloso, ou seja, com intenção de matar.

A investigação durou 50 dias, com 4 pessoas apontadas, além da menor e do pai dela, há ainda o indicamento do namorado dela e do pai dele.

O namorado da menor que atirou, por ter levado as armas à casa da família Cestari, foi autuado por ato infracional análogo à posse de arma de fogo. E o pai dele, Glauco Fernando Mesquita Correa da Costa, foi indiciado por omissão de cautela, já que tinha responsabilidade sobre as armas.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Momento Destaque

Polícia Civil investiga morte de idoso de 73 anos encontrado com duas perfurações no peito e mãos amarradas dentro de uma casa em chamas

Publicados

em

A Polícia Civil investiga a morte do idoso, Luiz da Silva Barros, 73, encontrado morto dentro de uma casa em chamas, com as mãos amarradas e perfurações no peito, na manhã de segunda-feira (21), na comunidade rural de Brumado, em Nossa Senhora do Livramento, municipio de Mato Grosso.  A possíbilidade é de um possível crime de latrocínio, roubo seguido de morte.

De acordo com as informações da Polícia Militar, população encontrou o corpo do idoso carbonizado dentro da casa, que ainda estava pegando fogo, por volta das 6h. Após o controle das chamas, o fato foi constatado e o local isolado.

Perícia Oficial foi até a comunidade e durante os trabalhos, um perito afirmou que Luiz estava com duas perfurações no abdômen e encontrava-se com as mãos amarradas.

Vizinhos contaram que ele era uma pessoa tranquila e que não tinha problemas com ninguém. Um dos irmãos da vítima afirmou que ele tinha uma quantia de R$ 3 mil guardada em casa, e que poderia ter motivado o crime.

Leia Também:  Bens patrimoniais de todos os candidatos a Prefeito em Mato Grosso começaram a ser avaliados pelo Tribunal Superior Eleitoral(TSE)

Delegacia de Homicídios foi acionada para o caso e está aguardando um laudo da perícia para iniciar os trabalhos de investigação. Nenhuma tese é descartada até o momento, incluindo o latrocínio.

 

 

Otavio Ventureli(com assessoria)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA