Momento Economia

55% dos profissionais se estressam ao pensar na volta presencial ao trabalho

Publicados

em


source
55% dos profissionais se estressam ao pensar na volta presencial ao trabalho
Reprodução

55% dos profissionais se estressam ao pensar na volta presencial ao trabalho


Segundo uma pesquisa Korn Ferry, empresa global de consultoria organizacional, a ideia de voltar ao escritório presencial deixa 55% dos profissionais estressados. No entanto, 58% dizem que continuar trabalhando remotamente pode prejudicar suas chances de ascensão profissional. Feito em abril de 2021, o levantamento ouviu 581 profissionais.

Após mais de um ano, com o avanço da vacinação, a volta presencial ao trabalho está cada vez mais próxima. Mas a pesquisa apontou que não é a maioria dos trabalhadores que está pronta para voltar à antiga realidade. 70% dos profissionais entrevistados na pesquisa disseram que trabalhar remotamente é o novo normal e que será “difícil” e “estranho” retornar à rotina do escritório.

Ainda segundo a pesquisa do Korn Ferry, 74% dos entrevistados dizem ter mais energia e foco trabalhando em casa; 49% afirmam que recusariam uma oferta de emprego se fossem obrigados a trabalhar presencialmente em tempo integral.

Os profissionais não gostariam de parar de usar as roupas confortáveis que usavam ao trabalhar em casa e metade deles afirma que pretende se vestir de forma mais casual mesmo quando voltar ao escritório. 

“Estamos descobrindo que muitos funcionários sentem que são mais produtivos quando trabalham em casa, então considerar uma programação híbrida de trabalho remoto e no escritório pode ser a opção mais eficaz”, disse Melissa Swift, líder global de Transformação da Força de Trabalho da Korn Ferry, segundo o G1.

Propaganda

Momento Economia

Petrobras para usina com risco de “falha catastrófica” e ignora pressão do ONS

Publicados

em


source
Petrobras desliga usina mesmo após pressão
Divulgação/Petrobras

Petrobras desliga usina mesmo após pressão

O Operador Nacional do Sistema (ONS) pressionou a Petrobras a manter um usina termoelétrica ligada mesmo sabendo que a mesma precisava de manutenção. A estatal, porém, alegou a possibilidade de uma “falha catastrófica” na estrutura da unidade e desligou a usina. As informações aparecem em comunicados trocados entre Petrobras, ONS e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), obtidos pelo Estadão.

O ONS determina o que será gerado em cada usina do Brasil e, por conta dos baixos níveis nos reservatórios das hidrelétricas, o órgão tem exigido que usinas de geração términa funcionem em capacidade máxima.

Entenda o caso

Entre os dias 3 e 5 de setembro, a Petrobras havia comunicado o ONS que teria que paralisar as operações na usina de Três Lagos (MS) para fazer uma manutenção importante na estrutura. O serviço foi agendado para o final de semana, quando o consumo elétrico é menor, e o aviso foi feito com duas semanas de antecedência. 

Embora essa seja uma operação de rotina, o ONS rejeitou o pedido três dias antes da paralisação agendada, de acordo com os documentos obtidos pelo Estadão. Sem espaços para justificativas da estatal, o Operador disse que “em função do cenário energético, com cargas elevadas e alto despacho térmico”, era preciso manter a “máxima disponibilidade de unidades geradoras”. O ONS disse que a manutenção deveria ocorrer no feriado, entre 5 e 7 de setembro.

Leia Também:  Auxílio emergencial: veja quem recebe o benefício nesta sexta-feira

A Petrobras, então, insistiu que a programação fosse mantida, porque “já não havia tempo hábil para reprogramar a atividade e que essa postergação de data ia contra as recomendações dos especialistas e do fabricante”. O ONS rejeitou as alegações mais uma vez e, por e-mail, ordenou que a parada fosse adiada, reiterando o cenário nacional de crise energética.

A Petrobras, então, ignorou o pedido do ONS e avisou o órgão. “Diante das recomendações do fabricante (dos equipamentos da usina) e da equipe de engenharia e, ainda, frente ao risco de falha catastrófica desta turbina, a Petrobras necessitou prosseguir com a parada emergencial”, diz comunicado enviado pela empresa. O laudo da manutenção foi encaminhado tanto para ONS quanto para Aneel.

“A Petrobras tenta, sempre que possível, coordenar as intervenções de maneira programada, inclusive enviando notas técnicas explicando a criticidade dos serviços a serem executados, quando necessário, mas existem situações emergenciais com risco para o equipamento ou instalações”, declarou a empresa ao ONS e à Aneel.

Em entrevista ao Estadão, o coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Nivalde de Castro, diz que a estrutura das usinas térmicas correm risco, já que não foram desenvolvidas para operar o tempo todo.

“É uma situação delicada e de risco. O governo está forçando as estruturas, adiando datas ou encurtando paradas, justamente por causa da crise hídrica. Essa situação com a Petrobras é um reflexo dessa crise. A ordem é empurrar com a barriga até onde for possível para preservar água nos reservatórios”, diz Castro.

Depois da recusa da Petrobras em obedecer o ONS, a estatal foi questionada pela Aneel. “Infelizmente, na presente situação, houve necessidade técnica e urgente de parar a unidade”, diz parte da resposta da empresa.

Ao Estadão, o ONS disse que “como uma das ações para o enfrentamento da escassez hídrica solicitou, em julho deste ano, a todas as usinas geradoras que adiassem suas manutenções a fim de aumentar a disponibilidade de geração”. De acordo com o órgão, “cabe ao agente avaliar a viabilidade técnica e operacional de acatar a solicitação ou não”.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA