Momento Economia

Alimentos e gasolina têm alta, mas inflação fica em 0,24% em agosto

Publicados

em


source
supermercado
Tânia Rêgo/Agência Brasil

Alta de preços dos alimentos puxou inflação do mês de agosto, segundo o IBGE

A alta no preço dos alimentos vêm chamando a atenção de consumidores e especialistas. A inflação geral de agosto, entretanto, foi de 0,24%, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (9) pelo IBGE. Em julho, o IPCA foi de 0,36%. No ano, o indicador acumula alta de 0,70% e, em 12 meses, de 2,44%.

A alta na demanda por alimentos em domicílio, com a disponibilidade de renda das camadas mais pobres através do auxílio emergencial e força das exportações ajudam a explicar a alta do preço dos produtos, segundo especialistas.

De acordo com relatório da Sul América Investimentos, o desempenho do índice reflete também o arrefecimento dos preços administrados, como energia elétrica e gasolina . Segundo Newton Rosa, economista-chefe da casa de análise, alimentação e preços industriais seguem em alta, mas contrabalançados pelo recuo dos preços dos serviços, em virtude da queda das mensalidades escolares.

Leia Também:  Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

A expectativa do mercado era de alta de 0,17% no mês de agosto, e inflação acumulada de 2,37% em doze meses, mas o resultado divulgado pelo IBGE mostra um cenário de aceleração maior dos preços.

Em agosto, a inflação foi influenciada principalmente pelo aumento do custo dos transportes (0,82%) e dos alimentos (0,78%).

Entre os itens de transporte com alta de preços no mês, destacam-se a gasolina (3,22%), o óleo diesel (2,49%), o etanol (1,29%) e os serviços de transportes por aplicativo (0,37%).

Já entre os alimentos, os destaques ficaram com o tomate (12,98%), o leite longa vida (4,84%), as frutas (3,37%), as carnes (3,33%), o óleo de soja (9,48%) e o arroz (3,08%). Por outro lado, houve quedas de preços em itens como cebola (-17,18%), alho (-14,16%), batata-inglesa (-12,40%) e feijão-carioca (-5,85%), além da refeição fora de casa (-0,11%).

Além dos transportes e alimentos, tiveram inflação os gastos com habitação (0,36%), puxados pelo aluguel residencial (0,32%) e pela energia elétrica (0,27%); com artigos de residência (0,56%), saúde e cuidados pessoais (0,50%) e comunicação (0,67%).

Leia Também:  Copom diz que redução dos auxílios atrasará retomada da economia

Por outro lado, apresentaram deflação (queda de preços) os gastos com vestuário (-0,78%), despesas pessoais (-0,01%) e educação (-3,47%).

Propaganda

Momento Economia

Aeroporto de Viracopos pode ter novo concessionário; entenda

Publicados

em


source

Brasil Econômico

Aeroporto de Viracopos visto de cima. Pode-se ver as pistas de pouso e aviões pousados
Divulgação

Aeroporto de Viracopos poderá ter novo dono de concessão


Liderado pelo empresário francês Christophe Maillol, o grupo Brazil Invest Airport negocia a compra da concessão do Aeroporto Internacional de Viracopos , localizado em Campinas (SP), com a concessionária Aeroportos Brasil, que administra Viracopos desde novembro de 2012 e tem o direito de exploração do aeroporto por 30 anos.


Segundo apuração do Uol, a concessionária está em recuperação judicial por conta de dívidas estimadas em R$ 2,88 bilhões. E por isso, havia solicitado devolver o aeroporto ao governo para que uma nova licitação fosse realizada. 

Em julho deste ano, o presidente Jair Bolsonaro assinou decreto autorizando a nova concorrência. Em documento enviado à Justiça de São Paulo, o grupo afirma que a negociação será fechada antes da devolução de Viracopos ser oficializada e que estão “em avançado estágio de negociação”.

A empresa teria dito que ofereceu R$ 150 milhões para compra das ações da UTC Participações no aeroporto , que confirmou a negociação à Justiça paulista. O grupo também pretende fazer uma proposta para adquirir os 49% que cabe à Infraero, que já comunicou ter interesse em discutir a venda da sua participação. 

Leia Também:  Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC

O grupo diz ter obtido um financiamento bancário de R$ 4,2 bilhões para pagar as dívidas do aeroporto e para fazer investimentos em melhorias no espaço, com planos de construir uma nova pista de pouso, hotel e um shopping center em Viracopos.

Mas para a negociação ser concluída, o grupo precisa do aval da Agência Nacional de Aviação (Anac), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), credor da concessionária, e da Justiça por conta do processo de recuperação judicial. 

Viracopos: segundo maior aeroporto em carga aeroportuária

Cerca de 40% de toda carga aeroportuária importada chega ao Brasil por Viracopos, tornando-o, assim, o segundo maior aeroporto do país em volume de carga e o sexto maior em número de passageiros. Segundo dados pré-pandemia, passavam, pelo aeroporto, cerca de 1.100 voos semanais para mais de 50 cidades brasileiras, além de 25 voos internacionais por semana. 

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA