Momento Economia

Alta nos preços de cesta básica supera 20%, dizem supermercados

Publicados

em


source
cesta básica
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Supermercados reclamam do encarecimento de alimentos e tentam negociar o assunto com governo; exportações e dólar afetam valores

Nesta quinta-feira (3), grupos de associações de supermercados divulgaram notas apontando alta de preço de itens da cesta básica. O aumento supera 20%  em 12 meses em produtos como óleo de soja, leite, arroz e feijão.

Os supermercados veem que a alta de preços tem se acelerado recentemente, e que isso se deve ao efeito do câmbio (dólar) sobre o aumento das exportações, diminuição das importações desses itens, além do crescimento da demanda brasileira sobre a cesta básica – fato impulsionado pelo  auxílio emergencial.

Os supermercadistas têm buscado diálogo com o governo para solucionar o problema, propondo, por exemplo, a retirada de tarifas de importação de produtos.

Leia Também:  INSS informa que 69% dos peritos compareceram ao trabalho hoje

Até o mês de julho, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA, que mede preços no Brasil), acumula alta geral de 2,31% em 12 meses. Porém, no mesmo período, a parte de alimentação e bebidas já subiu 7,61%.

“O setor supermercadista tem sofrido forte pressão de aumento nos preços de forma generalizada repassados pelas indústrias e fornecedores. A Abras (Associação Brasileira de Supermercados), que representa as 27 associações estaduais afiliadas, vê essa conjuntura com muita preocupação”, expressou a associação em nota.

“Reconhecemos o importante papel que o setor agrícola e suas exportações têm desempenhado na economia brasileira. Mas alertamos para o desequilíbrio entre a oferta e a demanda no mercado interno para evitar transtornos no abastecimento da população, principalmente em momento de pandemia”, afirmou a Abras.

Ronaldo dos Santos, presidente da Apas (Associação Paulista de Supermercados), disse em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo que o setor tem buscado falar do tema com o governo.

“Entendemos que estamos sob um regime de livre mercado, os produtores precificam de acordo com o mercado internacional e a exportação é livre. Mas pedimos para que o governo olhasse para a taxa de importação para itens básicos como o arroz, para talvez conter um pouco a alta de preços interna”, afirmou Santos ao jornal.

Leia Também:  Fome deve ser combatida com renda básica e imposto sobre riqueza, diz economista

O grupo de produtos formado por arroz, farinha de trigo, açúcar refinado, açúcar cristal, frango em pedações, carne bovina, carne suína e óleo de soja acumula alta de 28,98% no atacado em 12 meses até agosto. Enquanto isso, ao consumidor, essa mesma cesta subiu 23,8% em 12 meses.

A desvalorização do real em relação ao dólar impacta os preços da cesta básica.

Isso porque os alimentos de cesta básica são negociados em bolsa. Com a desvalorização do real, alta do dólar, há uma demanda maior no mercado internacional por produtos brasileiros. Essa alta demanda externa é o que é bom para a balança comercial, para exportações do Brasil, porém gera desabastecimento no mercado doméstico, aumentando  preços para os brasileiros.

Propaganda

Momento Economia

Primeira parcela do auxílio residual será paga a partir de quarta

Publicados

em


A primeira parcela da extensão do auxílio emergencial será paga a partir de quarta-feira (30), segundo calendário divulgado em edição extra do Diário Oficial da União nesta segunda-feira. A Portaria Nº 496 detalha como serão feitos os pagamentos da extensão do auxílio emergencial para os beneficiários que não fazem parte do Programa Bolsa Família, isto é, os brasileiros integrantes do Cadastro Único (CadÚnico) e aqueles que solicitaram o benefício do auxílio emergencial a partir do aplicativo de celular (Extracad). 

Segundo o Ministério da Cidadania,  27 milhões de pessoas receberão R$ 300 ou R$ 600 (no caso de mães monoparentais).  Assim como ocorreu anteriormente no pagamento do benefício, o calendário seguirá o mês de nascimento dos beneficiários, ou seja, os créditos se iniciarão por aqueles nascidos em janeiro, depois fevereiro, março e assim sucessivamente, em poupança social digital já existente em nome do beneficiário.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, disse que a extensão do pagamento do auxílio emergencial reforça o compromisso do governo em não desamparar os brasileiros mais afetados pela pandemia. “Nós já estamos em pleno processo de pagamento para as famílias do Bolsa [Família] e essa rede de proteção continua estendida a todos aqueles em situação de vulnerabilidade”, disse o ministro.

Leia Também:  Campo Tupi chega a 2 bilhões de barris de óleo equivalente em julho

Os primeiros beneficiados na nova fase são aqueles que foram contemplados com o benefício em abril, atenderam aos critérios previstos na MPV nº 1.000/2020 , e já terminaram de receber as cinco parcelas do auxílio emergencial, ficando sem descontinuidade no recebimento do benefício. As pessoas que se tornaram elegíveis em maio, junho e julho terão os novos valores creditados em outubro, novembro e dezembro, respectivamente, após o fim do pagamento do auxílio. De acordo com a MPV, a extensão será paga em até quatro parcelas, encerrando-se, obrigatoriamente, em dezembro de 2020.

Os valores continuarão sendo depositados na poupança social digital da Caixa, bem como os saques seguirão um calendário diferente, para que o distanciamento social nas agências bancárias continue sendo respeitado, contribuindo para minimizar a disseminação do novo cornonavírus.

Bolsa Família

Os beneficiários do Programa Bolsa Família elegíveis ao auxílio emergencial começaram a receber os novos valores do benefício no dia 17 de setembro. Isso porque o auxílio pago a esse público segue o calendário do Bolsa Família, que respeita o número final do NIS. São 16,3 milhões de beneficiários nesta opção que recebem a extensão do auxílio emergencial.

Leia Também:  Dívida Pública Federal sobe 1,56% em agosto e vai para R$ 4,41 tri

No total, os públicos CadÚnico, Extracad e Bolsa Família, representam, até o momento, 43,3 milhões de brasileiros beneficiados com a parcela de setembro da extensão do auxílio emergencial, o que totaliza um investimento de R$ 13,3 bilhões.

Edição: Fábio Massalli

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA