Momento Economia

Bolsonaro ainda quer substituir o Bolsa Família e pensa novo programa social

Publicados

em


source

Brasil Econômico

Guedes
Marcos Corrêa/PR

Mesmo após Bolsonaro anular o Renda Brasil de Guedes, presidente acredita que o Bolsa Família seja muito atrelado à esquerda

Mesmo após o presidente Jair Bolsonaro ter  anulado o Renda Brasil do ministro Paulo Guedes na terça-feira (15), o presidente não desistiu da ideia de criar um novo programa social. Isso porque o goveno Bolsonaro acredita que o Bolsa Família seja muito atrelado à esquerda. A informação foi obtida pelo portal G1, publicada pela coluna da jornalista Andréia Sadi.

O projeto é pensado também para favorecer Bolsonaro nas eleições de 2022.

Segundo fontes ouvidas pela jornalista, o governo conversa com senadores aliados para pensar no novo programa social para substituir o Bolsa Família.

Assessores do presidente afirmaram que está sendo estudada a maneira de bancar os custos do programa e que o senador Marcio Bittar (MDB-AC) atua nessa articulação. Bittar se reuniu nesta tarde com o presidente Bolsonaro.

Leia Também:  Caixa conclui pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial

“Eu fui solicitar ao presidente se ele me autorizava a colocar dentro do Orçamento a criação de um programa social que possa atender milhões de brasileiros que foram identificados ao longo da pandemia e que estavam fora de qualquer programa social. O presidente me autorizou. Não adianta agora a gente especular de onde vai tirar (o dinheiro), de onde que vai cortar. Mas eu estou autorizado pelo presidente, ele me deu sinal verde “, disse o senador ao GloboNews.

Bittar também demonstrou que há uma certa pressa em encaminhar essa proposta. “A partir de agora, vou conversar com os líderes do governo no Senado e na Câmara, e com a equipe econômica. Mas a ideia é semana que vem apresentar um relatório e as PECs de criação desse programa”, afirmou.

O governo Bolsonaro tem dado mais atenção à pauta das políticas sociais depois de ver sua popularidade crescer com a distribuição do auxílio emergencial de R$ 600 à população durante a pandemia. Nesse cenário, criar um novo Bolsa Família é importante ao presidente.

Leia Também:  Auxílio emergencial: Caixa abre 770 agências amanhã das 8h às 12h

Propaganda

Momento Economia

Ipea: taxa de desocupação cresce porque pessoas estão buscando emprego

Publicados

em


source

Agência Brasil

Ipea: taxa de desocupação cresce porque pessoas estão buscando emprego
Agência Brasília

Ipea: taxa de desocupação cresce porque pessoas estão buscando emprego

Em análise técnica divulgada nesta sexta-feira (18), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ( Ipea ) destaca que uma parcela de pessoas que estava fora do mercado de trabalho voltou a procurar emprego. A constatação de se dá a partir dos dados da mais recente edição da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios ( Pnad ) Covid-19.

Disponibilizada mais cedo pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ), a pesquisa traz dados referentes ao período entre 23 e 29 de agosto e revela que a taxa de desocupação atingiu 14,3%, o maior nível desde o início do levantamento em maio deste ano.

“A elevação deveu-se ao aumento da taxa de participação na força de trabalho, que passou de 55,1% em julho para 55,8% em agosto”, registra a análise assinada pelo diretor adjunto de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea , Marco Antônio Cavalcanti , e pelos técnicos de planejamento e pesquisa Maria Andreia Lameiras e Lauro Ramos .

A população desocupada corresponde às pessoas não estão trabalhando, mas que tomaram alguma providência para conseguir trabalho. Já a população na força de trabalho engloba tanto ocupados quanto desocupados. Isso significa que, quanto mais pessoas estão procurando emprego, maior é a participação na força de trabalho.

Leia Também:  "Véio" da Havan entra no Top 10 dos mais ricos do Brasil

“Muitas pessoas que gostariam de trabalhar pararam de procurar emprego por conta da pandemia. Então, não eram contadas como desocupadas, e sim como população fora da força de trabalho”, observa Cavalcanti .

Esse contingente de pessoas que deixaram de procurar emprego na pandemia chegou a ser de 19,4 milhões no fim de junho e.agora está em 16,8 milhões. A redução significa que as pessoas estão voltando a procurar emprego, levando a um aumento simultâneo de desocupados e de participação da força de trabalho.

Segundo Cavalcanti , três fatores influenciaram a queda na busca por emprego no primeiro semestre.

“O primeiro foi o desalento. No início da pandemia, muitas pessoas acreditaram que era baixa a possibilidade de encontrar emprego e sequer se dispuseram a procurar trabalho. O segundo é o distanciamento social. Por conta das restrições e do temor de se contaminarem, muitas pessoas não puderam ou não quiseram sair às ruas para buscar emprego. E o terceiro fator é o auxílio emergencial, que deu condições para que algumas pessoas pudessem esperar um pouco mais para procurar trabalho”, explica o pesquisador.

Ele afirma que tais fatores já não exercem o mesmo efeito. A recuperação gradual da economia gera algum otimismo e motivação para que as pessoas voltem a acreditar nas chances de obter emprego. Além disso, o relaxamento das restrições e a redução do valor do auxílio emergencial também contribuem para aumentar a busca por trabalho. A análise técnica, no entanto, sinaliza que o impacto negativo da pandemia no mercado de trabalho tende a persistir ainda durante algum tempo.

Leia Também:  Mega-Sena acumulada: confira os números sorteados nesta quinta

Cavalcanti nota que, ao mesmo tempo em que subiu a taxa de desocupação, subiu o nível de ocupação, passando de 47,9% em julho para 48,2% em agosto. Para ele, esse crescimento sinaliza que os efeitos da pandemia estão se arrefecendo gradualmente e, como resultado, cada vez mais pessoas devem se estimular a procurar emprego. “É razoável esperar que a taxa de desocupação volte a elevar-se nas próximas semanas e mantenha-se em patamar elevado no próximo período”, avalia o pesquisador.

Teletrabalho

A nota técnica também sugere que parte das pessoas ocupadas no país podem ter passado de forma definitiva para o modo teletrabalho (ou home office). “Os dados mostram que, embora o contingente atual tenha recuado em relação ao início da pandemia, este vem se mantendo constante ao longo das últimas semanas”, registra o documento.

Atualmente, 8,29 milhões de pessoas estão em teletrabalho. Esse número tem se mostrado estável desde o início de julho, tendo variado entre 8,18 milhões e 8,61 milhões nas últimas seis edições da Pnad Covid-19. “Acreditamos que algumas das mudanças que estão ocorrendo vieram pra ficar. Em alguns casos, vemos as empresas percebendo que é possível operar algumas atividades de forma razoável em modo remoto”, acrescenta Cavalcanti.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA