Momento Economia

Brasil suspende importações de carne de porco da Alemanha

Publicados

em


.

O Ministério da Agricultura suspendeu, nesta segunda-feira (14), a importação de carne de porco in natura ou pouco processada da Alemanha, após a confirmação de um caso de peste suína africana em um javali morto.

No comunicado ao país europeu, o governo brasileiro solicita informações detalhadas às autoridades sanitárias sobre as medidas de biossegurança adotadas pelas plantas industriais alemãs. O ministério não informou por quanto tempo valerá a suspensão. A Alemanha é o maior produtor de proteína animal da Europa. 

A contaminação foi confirmada na última quinta-feira (10) pelo governo alemão, que encontrou a peste suína africana em um javali morto nas proximidades da fronteira com a Polônia. Uma área de 15 quilômetros quadrados, onde o animal foi encontrado, foi colocada em quarentena.

Além do Brasil, outros países como China e Coreia do Sul também suspenderam temporariamente a importação de carne suína da Alemanha. 

Dados do governo federal indicam que o Brasil importou 1,8 mil toneladas da proteína suína alemã, de janeiro a agosto deste ano. De acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), os principais produtos adquiridos do país europeu são tripas de porco in natura e congeladas.

Leia Também:  Procura por crédito sobe pela primeira vez em seis meses, diz Serasa Experian

*Com informações da Reuters

Edição: Denise Griesinger

Propaganda

Momento Economia

Anuário da Firjan mostra cenário do petróleo no Rio para próximos anos

Publicados

em


.

O Rio de Janeiro terá 200 novos poços perfurados em áreas licitadas a partir de 2017. Os números constam no 5º Anuário do Petróleo no Rio. Lançado hoje (22) pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), ele reúne dados do setor no estado e análises sobre as expectativas para o próximo período, como a previsão de investimentos de cerca de R$ 2 bilhões no segmento de abastecimento até 2024.

De acordo com Karine Fragoso, gerente de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, a importância da divulgação consiste em dar ao mercado instrumentos que possibilitem aprimorar sua capacidade de organização. Ela apontou também alguns dos desafios do próximo período. “Na exploração e produção, continuamos com a expectativa de maior diversidade de operadores, a retomada do calendário de rodadas e a revisão do modelo de licitações”.

O anuário mostra ainda que, em 2019, a indústria do petróleo do Rio de Janeiro registrou um aumento no total de postos de trabalho, a primeira vez desde 2014. O setor fechou o ano passado com 79.737 empregados, o que representa 1,9% a mais do que os 77.959 de 2018.

A perda de postos de trabalho acompanhou a crise que atingiu a indústria petrolífera do estado em 2014, mas o ritmo da queda já vinha desacelerando. Em 2015, a retração no número de empregados foi de 4,1%, em 2016, alcançou 8,3%; e em 2017, fechou em 6,4%. Em 2018, a queda foi mais leve, de 1,4%.

Segundo consta no anuário, em 2019, 63,2% dos postos de trabalho na exploração e produção de petróleo no país concentraram-se no Rio de Janeiro. Na cadeira fornecedora, o estado respondeu por 43,9% dos empregos. O Rio foi o maior produtor de petróleo e gás natural, representando 71% do volume total produzido no país, 5,3% maior que em 2018. A venda de derivados cresceu 0,7%.

Um dos assuntos colocados em discussão na apresentação do documento foi o descomissionamento, isto é, o final do ciclo de vida de um poço produtor de petróleo, quando ele precisa ser devolvido em suas condições originais e livre de danos ambientais. Em sua intervenção durante o evento, a presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Clarissa Lins, chamou atenção para novas oportunidades.

Leia Também:  Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras

“Devemos estar atentos à oportunidade em descomissionamento. É um mercado gigantesco. Segundo a consultoria Wood Mackenzie, pode atrair de US$90 bilhões a US$100 bilhões nos próximos 10 anos. O Brasil, até pelas características de nossas plataformas nas quais 45% tem mais de 25 anos, pode girar US$9 bilhões nos próximos 10 anos. Precisamos de uma indústria onde as regras são respeitosas com o meio ambiente e estão de acordo com o padrão mundial. E tudo isso abre uma oportunidade de atuação econômica”.

Dados recentes

Em decorrência da pandemia de covid-2019, um evento online substituiu a tradicional cerimônia para divulgação do documento, que anualmente reúne gestores públicos e representantes do setor. Junto com a 5ª edição do documento, foi lançado um painel virtual onde as informações passarão a ser atualizadas com maior periodicidade. Ele já contabiliza alguns números desse ano.

De acordo com o documento, “em relação à média do primeiro semestre, em 2020 a produção de óleo no Brasil aumentou em torno de 15% frente ao primeiro semestre de 2019, resultado derivado, em muito, do crescimento da produção no estado do Rio de Janeiro, que aumentou 23%”.

José Mauro Coelho, secretário de petróleo, gás natural e biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, chama atenção que mesmo diante da crise causada pela pandemia e das grandes dimensões do Brasil, não houve problemas de abastecimento. “Ano passado nossa produção média foi de 2,8 milhões de barris de petróleo por dia. Esse ano, olhando até julho, já estamos próximos de 3 bilhões de barris de petróleo por dia”, acrescentou.

O presidente da Firjan, Eduardo Vieira, pontuou que o setor se manteve em funcionamento mesmo diante da pandemia de covid-19. De outro lado, observou que essa movimentação produtiva se dá diante dos desafios colocados pela queda do preço do barril de petróleo no mercado mundial. Segundo o anuário, houve um recuo da demanda de energia que não tem paralelo com outros momentos da história.

Leia Também:  Governo de SP lança programa voltado para entregadores de apps

“Como todos sabem, o petróleo atende a todos os setores e um eventual descompasso no fornecimento de derivados comprometeria atividades que não podem ser paralisadas em um momento tão crítico, como o transporte de mercadorias e a produção de insumos como medicamentos e embalagens. A resiliência demonstrada pelo mercado de petróleo gera otimismo sobre a contribuição do setor na futura retomada da atividade econômica”, disse Eduardo Vieira.

Impacto da pandemia

Mais cedo, um estudo divulgado pela Firjan já havia apontado que a queda do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio de Janeiro não tem sido maior graças ao desempenho da indústria de óleo e gás. A estimativa é de que, no segundo trimestre de 2020, o setor cresceu 14,5% na comparação com o segundo trimestre de 2019.

O PIB fluminense tem registrado retração menos intensa do que o PIB do país. Em comparação com o segundo trimestre de 2019, a queda no segundo trimestre desse ano foi de 9,9%. Em nível nacional, o recuo foi de 11,4%. Ainda assim, o resultado do Rio de Janeiro, segundo o estudo, é o pior em 17 anos. O setor mais afetado é a indústria de transformação, que recuou 18,9% no estado principalmente devido à queda na fabricação de veículos automotores. A construção civil apresentou retração de 12% e o setor de serviços de 11,5%.

O estudo projeta que o PIB fluminense deve fechar 2020 com uma queda de 4,6%. Para 2021, a expectativa é de crescimento de 3,3% no cenário base, 1,8% no cenário pessimista e 4,3% no cenário otimista.

Edição: Aline Leal

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA