Momento Economia

Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos, diz FGV

Publicados

em


O Índice de Confiança da Indústria, da Fundação Getulio Vargas (FGV), teve alta de 4,5 pontos na passagem de setembro para outubro deste ano. Com isso, o indicador, que mede a confiança do empresário da indústria brasileiro, atingiu 111,2 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, o maior nível desde abril de 2011 (111,6 pontos).

Dezesseis dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram aumento da confiança. O Índice de Situação Atual, que mede a percepção do empresariado em relação ao presente, subiu 6,4 pontos, para 113,7 pontos, o maior valor desde novembro de 2010 (13,8 pontos).

O Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, cresceu 2,7 pontos, para 108,6 pontos, o maior patamar desde maio de 2011 (110,0 pontos).

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) aumentou 1,6 ponto percentual, de 78,2% para 79,8%, maior valor desde novembro de 2014 (70,3%).

“A sondagem de outubro mostra que o setor industrial está mais satisfeito com a situação atual e otimista que esse resultado será mantido nos próximos três meses. Chama a atenção, contudo, o retorno do Nuci a um nível próximo da média anterior à pandemia e o percentual de empresas indicando estoques insuficientes, o maior valor desde o início da série. Entre as categorias de uso, os bens intermediários merecem destaque por alcançarem o maior nível de confiança do setor, influenciado principalmente pela melhora dos indicadores de situação atual”, afirma a pesquisadora da FGV Renata de Mello Franco.

Leia Também:   Concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias entram no PPI

Segundo a pesquisadora, no entanto, há uma demora na recuperação do indicador de tendência dos negócios, o que sinaliza uma certa preocupação dos empresários sobre a sustentação desse nível de otimismo por um período maior considerando o fim dos programas de auxílio emergencial.

Edição: Maria Claudia

Propaganda

Momento Economia

Vendas no comércio paulistano crescem 17,1% em novembro, diz ACSP

Publicados

em


As vendas no comércio da cidade de São Paulo cresceram 17,1% em novembro na comparação com outubro. No entanto, se for considerado o mês de novembro de 2019, quando não havia a pandemia de covid-19, houve queda de 5% no movimento do comércio,diz o Balanço de Vendas, indicador da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Segundo a ACSP, a recuperação do setor começou em junho, quando as medidas de flexibilização começaram a valer para o comércio paulistano. “Desde então, as perdas foram se diluindo com retrações de 54,9%, 47,7%, 33,6%, 14,6% e 9,2% (junho, julho, agosto, setembro e outubro, respectivamente). Se estes 5% de agora zerarem em dezembro, a economia terá mostrado que há fôlego para um futuro crescimento”, diz a ACSP.

Antes da pandemia, as projeções da associação para este ano eram de crescimento em torno de 3% nas vendas. Com a pandemia, o ano se encerrará com perda de 4,5%, na comparação com o resultado de 2019. “É como se este ano não tivesse existido. Acreditamos que a passagem por 2021 será como se estivéssemos indo ainda para 2020 agora. Crescimento, mesmo, só acreditamos que vá ocorrer em 2022”, afirmou o economista da ACSP,arcel Solimeo.

Leia Também:   Concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias entram no PPI

Segundo Solimeo, o cenário atual, e menos pessimista de novembro, pode ser atribuído às vendas e promoções da Black Friday. “Embora não tenhamos ainda um balanço definitivo dessas vendas, as prévias indicam que já podemos considerar o período de promoções como sendo bem-sucedido para o comércio, principalmente, para os varejistas que trabalham com e-commerce“, analisou.

O texto foi alterado às 15hh47 para esclarecimento de informações. Título, subtítulo e resumo também foram alterados

Edição: Nádia Franco

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA