Momento Economia

Dólar sobe para R$ 5,51, apesar de intervenção do BC

Publicados

em


Num dia de oscilações, o dólar subiu e a bolsa caiu, descolando-se dos mercados internacionais. A intervenção do Banco Central (BC) no câmbio não conseguiu fazer a moeda norte-americana cair. A bolsa não acompanhou a alta dos índices norte-americanos e fechou em baixa.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (14) vendido a R$ 5,516, com pequena alta de 0,13%. A cotação chegou a cair durante a manhã, após o BC leiloar US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivale à venda de dólares no mercado futuro. No entanto, a queda perdeu força e a moeda operou em leve alta durante quase toda a tarde.

A divisa acumula alta de 1,28% em outubro. No ano, a valorização chega a 6,31%.

No mercado de ações, o dia foi parecido. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 113.185 pontos, com recuo de 0,24%. Até o início da tarde, o indicador alternou altas e baixas, mas passou a cair após as 12h. A bolsa brasileira não seguiu os índices de Nova York, que fecharam em alta superior a 1,5%, impulsionados pela divulgação do balanço de empresas norte-americanas.

Leia Também:  Brasil perdeu ao menos R$ 460 bi em impostos para a sonegação em 2020

Dois fatores contribuíram para a instabilidade no mercado financeiro brasileiro. O primeiro são as negociações para uma eventual prorrogação do auxílio emergencial, em meio ao atraso na tramitação da reforma do Imposto de Renda e na proposta de emenda à Constituição (PEC) que parcela os precatórios.

O segundo fator foi a aprovação ontem (13) à noite do projeto de lei que muda a cobrança do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis. Para os analistas de mercado, a medida deverá provocar prejuízos para os estados, dificultando o reequilíbrio das contas públicas nos governos locais.

* Com informações da Reuters

Edição: Fernando Fraga

Propaganda

Momento Economia

Brasil perdeu ao menos R$ 460 bi em impostos para a sonegação em 2020

Publicados

em


source
Brasil perdeu bilhões para a sonegação
Reprodução

Brasil perdeu bilhões para a sonegação

O Brasil deixou de arrecadar entre R$ 460 bilhões e R$ 600 bilhões em impostos em 2020, de acordo com um levantamento feito pelo Instituto de Desenvolvimento do Varejo (IDV) e divulgado pelo Metrópoles neste domingo (28).

O valor equivale a cerca de 11% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e soma tanto a evasão fiscal de empresas, que ficou entre R$ 320 bilhões e 420 bilhões no período, quanto o trabalho informal, que representa quantia estimada entre R$ 140 bilhões e R$ 180 bilhões.

Eduardo Mansur, presidente do Comitê de Transação Tributária da Associação Brasileira da Advocacia Tributária (Abat), explica que o alto índice de sonegação acontece, sobretudo, porque o processo tributário é complexo. “É um sistema que compreende muita tributação que se sobrepõe na cadeia, passando pela produção, pelo comércio e varejo, chegando na ponta, no consumidor”, disse ele ao Metrópoles.

A alta tributação sobre a folha de salários também contribui para a sonegação. Em 2020, este fator foi o responsável por 20% da evasão. “Você tem uma tributação muito pesada sobre os encargos de trabalho e previdenciários”, afirma Mansur.

Leia Também

Além das consequências econômicas pela diminuição na arrecadação de impostos, a sonegação traz ainda outros problemas, avalia ele. “Se você tem um ambiente que assegura uma imunidade para o sonegador, você cria um ambiente de concorrência desleal no mercado, o que também é ruim para o investidor”.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA