Momento Economia

Emplacamento de veículos crescem em setembro, diz Fenabrave

Publicados

em


A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) informou hoje (2) que foram emplacados 328.233 veículos, em setembro. Com os registros, o acumulado do ano chegou a 2.132.549, quantidade 27,77% menor que a de 2019.

Em relação a agosto, a variação foi positiva, de 9,55%, indicando recuperação. Na contagem, são considerados automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários, entre outros.

O que se observou foi um crescimento em apenas duas categorias: a de motocicletas (3,77%) e a de automóveis e comerciais leves (14,56%). Ao todo, foram vendidas 99.623 motocicletas e 198.792 unidades de automóveis e comerciais leves. Na comparação com setembro de 2019, os índices apresentaram, respectivamente, alta de 13,55% e queda de 10,92%.

Sobre o segmento de caminhões, a Fenabrave disse, em nota, que, “mesmo com a demanda aquecida, continua enfrentando um gargalo na produção”. Pela explicação da entidade, foi esse o fator que ocasionou a diminuição de 8,29% no volume de emplacamentos, ante agosto, fazendo com que setembro fosse encerrado com 7.411 unidades. O desempenho foi bastante inferior ao de setembro de 2019, de queda de 20,31%.

Dificuldades na esteira de produção

Conforme afirmou o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, um dos principais percalços da produção é a falta de componentes. Na sua avaliação, um dos pontos que têm contribuído para a melhora nos números do segmento de caminhões é a concessão de créditos. Segundo ele, houve, no período, “uma boa oferta”, com oito a cada dez solicitações de crédito sendo deferidas. O financiamento foi mais fácil do que os relativos à aquisição de motocicletas, seção em que somente 4,2 pedidos foram aprovados.

Leia Também:  Antecipação do BPC e do auxílio doença é prorrogada até 30 de novembro

A demanda de implementos rodoviários também caiu, no mês passado. Em agosto, havia registrado emplacamento de 6.523 unidades, passando para 6.408 unidades em setembro, gerando uma diferença de 1,76%. Houve, porém, alta de 22,83%, quando a referência é setembro de 2019 (5.217 unidades).

O relatório da Fenabrave destaca também que, em setembro, os emplacamentos de ônibus tiveram uma retração de 13,62%, na comparação com agosto, totalizando 1.535 unidades, contra 1.777 do mês anterior. Quanto a setembro de 2019 (2.323 unidades), o volume foi 33,92% menor. Tomando como parâmetro o acumulado do ano, a queda foi de 34,03%.

Máquinas agrícolas

De acordo com a Fenabrave, o segmento de tratores e máquinas agrícolas tem, como os demais setores, enfrentado problemas de produção. Isso, diz a entidade, tem impedido as montadoras de suprir a demanda.

‘Em agosto, as vendas (3.983 unidades) registraram queda de 9,83%, na comparação com o mês de julho (4.417). Ante agosto de 2019, a queda foi de 6,96% – quando o segmento registrou 4.281 unidades comercializadas. No acumulado do ano, de janeiro a agosto, a queda foi 5,17%, contra o mesmo período de 2019. Em 2020, foram comercializadas 26.662 unidades, contra 28.117, em 2019″, detalha a Fenabrave, salientando que, por não serem emplacados, os tratores e as máquinas agrícolas apresentam dados com um mês de defasagem, que são fornecidos pelos fabricantes.

Leia Também:  Guedes critica Febraban: "casa de lobby que financia ministro gastador"

Perspectivas para 2020

No comunicado, a Fenabrave complementa o balanço com projeções para o fechamento deste ano. Em julho, estimava-se queda de 35,8%. Porém, com a recuperação verificada, o índice foi revisado para 25,3%.

No início do ano, imaginava-se que o segmento de automóveis e comerciais leves fosse alcançar um crescimento de 9%. Em julho, a previsão tornou-se de queda de 37,1%. Agora a estimativa é de que a redução seja de 29,4%, enquanto aquelas esperadas para caminhões, ônibus e motocicletas são de 14,9%,  33,1% e 17,7%. Os implementos rodoviários, por sua vez, deverão fechar o ano com alta de 2,9%.

Edição: Valéria Aguiar

Propaganda

Momento Economia

Advogada fecha conta no Nubank, viraliza e quer atitude do banco contra racismo

Publicados

em


source

Brasil Econômico

Tania Sanches
Arquivo pessoal

Tania na Universidade de Lisboa, onde estudou; profissional viralizou ao mostrar o cancelamento da conta no Nubank nas redes sociais

“Sofri muito racismo na rede, tive que cancelar os comentários no post. Sou uma mulher preta de pele clara, com 55 anos, head-trainer, advogada. Tenho personalidade, sei bem o que eu quero. E não quero viver e ter os meus netos num país racista”, diz Tania Sanches. O post ao qual se refere foi publicado no LinkedIn e viralizou: teve quase 5 mil reações. Nele, Tania relatava o cancelamento da conta que tinha no Nubank  depois que Cristina Junqueira, cofundadora do banco, disse no programa Roda Viva que é  difícil contratar profissionais negros para grandes cargos.


Tania Sanches
Reprodução LinkedIn

O post de Tania, em que expôs o cancelamento da conta no Nubank, gerou quase 5 mil reações; ela teve de bloquear os comentários para não sofrer ataques

“Quem nivela meu povo por baixo não merece meu CPF”, escreveu Tania, em referência à  fala da sócia do Nubank.

Tania nasceu e foi criada na periferia do Jabaquara, na zona sul de São Paulo. Assim ela se descreve durante a entrevista, como também no seu perfil na rede social profissional. Seu sonho de infância, que era trabalhar no banco Itaú, se realizou em 1986, depois de trabalhar como faxineira. “Meus pais vieram do Rio Grande do Norte e não tiveram condições para me dar estudos”, conta ela. Mas, pela boa caligrafia e escrita, fruto do hábito da leitura, ela conquistou a vaga no maior banco privado do país. Ela foi uma das três pessoas contratadas no processo seletivo.

Assim, Tania se inseriu no mundo financeiro como assistente de administração e chegou ao cargo de operadora de ações de debêntures. Aos 30 anos, finalizou o ensino médio, depois cursou direito na Universidade São Judas e fez pós-graduação em direito empresarial e previdenciário. Já num alto patamar da carreira, Tania sofreu racismo.

Leia Também:  Petrobras recupera venda de combustíveis e receitas no 3º trimestre

“Um dia, eu ganhei muita grana numa operação. Eu já tinha fechado a operação, me levantei, e um colega falou em voz alta na mesa: ‘como uma negrinha dessa ganhou essa operação?’. O meu diretor na época falou para esse operador: ‘não fale assim com a Tania. Ela não merece, é uma das melhores operadoras que a gente tem aqui’. Foi a resposta do meu diretor”, lembra Tania.

Assistindo ao Roda Viva da segunda-feira (19), quando Cristina Junqueira (Nubank) disse que não daria para “nivelar por baixo”, referindo-se a uma dificuldade em contratar pessoas negras para grandes cargos no banco, Tania relembrou o episódio de racismo que sofreu no mercado financeiro.

“A Cristina Junqueira só me fez reviver o que eu tinha passado. Naquela época, eu não estava tão empoderada da pauta racial para reclamar na mesa. Naquela época, eu não dei a resposta, foi outra pessoa. Mas agora, eu lembrei que eu tinha conta no Nubank. Parece que foi uma faca em mim. Quer dizer, nós não temos condições de trabalhar no Nubank? Eu conheço tanta preta com mestrado, doutorado, três línguas, como não consegue trabalhar no Nubank ?”, questiona.

A leitura que a profissional faz do acontecimento é que falta uma desconstrução nas maneiras de se expressar e pensar, já que o racismo é naturalizado na sociedade brasileira.   

“Obviamente, foi um ato de falta de letramento racial com um racismo estrutural. Falta letramento racial para todo mundo, para todos nós. Nós estamos num país machista, sexista, que não reconhece o povo negro, não dá oportunidade. Estamos começando essa revolução. Eu fui uma das primeiras mulheres pretas a estar no LinkedIn falando sobre racismo, sobre as minhas dores.”

No LinkedIn, Tania apresenta seu vasto currículo, que hoje é focado em treinamento e desenvolvimento humano. Além das formações em direito, ela também é pós-graduada em psicologia positiva aplicada pela Universidade de Lisboa. Como advogada, Tania faz parte da Comissão de Diversidade e Inclusão da OAB-SP.

Tania Sanches LinkedIn Nubank
Arquivo pessoal

Tania na Universidade de Lisboa, apresentando trabalho de encerramento de uma das cadeiras de Psicologia Positiva Individual

“Quem não é preto, quem nunca sofreu racismo – e eu ainda tenho privilégio de ser negra de pele clara, então eu ainda tive alguns privilégios que uma mulher negra de pele retinta não tem – não sabe o que é isso.”

Leia Também:  Kalitta será a primeira operadora do Boeing 777-300 cargueiro no mundo

Por outro lado, a reação à fala de Junqueira não significa ignorar os pontos positivos do banco e admirar o trabalho do Nubank e da empresária, diz Tania.

“A Cristina Junqueira fez isso sem querer, ela não faria isso propositalmente. Ela é uma pessoa digna, uma empresária. Eu reconheço muito a capacidade dela, não a menosprezo, muito pelo contrário. Mas hoje em dia, é preciso olhar para esse viés do inconsciente , da narrativa “.

O boicote ao Nubank com cancelamento de contas

Questionado sobre o número de cancelamentos de contas na última semana, como consequência da fala de Junqueira, o Nubank disse não revelar esses dados. “Nossos dados de cancelamentos são confidenciais. Neste momento, estamos dedicados a desenhar nossa agenda real com ações concretas e ambiciosas sobre diversidade racial”, afirmou a assessoria.

Na resposta, o Nubank também divulgou a carta de desculpas sobre a fala da cofundadora, mostrando compromisso com a questão racial e a reestruturação de planos da empresa. 

“Ficamos acomodados com o progresso que tivemos nos nossos primeiros anos de vida que se refletia em algumas estatísticas relativas à igualdade de gênero e LGBTQIA+, por exemplo, que, repetidas, mascaravam a necessidade urgente de posicionamento ativo também na pauta antirracista. Deixamos de nos questionar. Ignoramos o grande caminho que ainda tínhamos pela frente (…) Perdemos a humildade “, diz o comunicado. Leia a carta completa do Nubank aqui .

Tania Sanches diz que a repercussão negativa pode trazer muito progresso à fintech.

“O que aconteceu foi bom para o Nubank, para melhorar essa pauta, esse letramento. Às vezes a gente tem que errar, descer alguns degraus para a gente subir com toda a força. E é isso que eu desejo para o Nubank e para todas as empresas que estão trabalhando para fazer um melhor país para os nossos netos no futuro”, diz Tania, que apresenta diariamente um podcast disponível no  Spotify sobre desenvolvimento pessoal, o Chá Positivo.

A ex-cliente afirma que “nunca dirá nunca” sobre reabrir sua conta no Nubank. Ela espera para ver como serão as próximas medidas que o banco tomará pela diversidade e inclusão racial.

Sobre o letramento racial, Tania recomenda a leitura de obras de Djamila Ribeiro, Sílvio de Almeida e Laurentino Gomes. “Hoje em dia, estamos com uma gama de conhecimento na internet. Não dá mais para falarmos besteiras, principalmente sobre o racismo “.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA